Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Vida em Família e Laços de Parentesco

Vida em Família e Laços de Parentesco-20/05/2010

Objetivos: Justificar porque os laços de família constituem uma lei da natureza.
Identificar as espécies de família, do ponto de vista espírita.
Reconhecer a missão dos pais no seio da família.

ESE – Cap. 14, it.8 - “ Há, pois, duas espécies de famílias: as famílias pelos laços espirituais e as famílias pelos laços corporais. Duráveis, as primeiras se fortalecem pela purificação e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma; as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, já na existência atual.”
PERGUNTAS: 1) O que seriam esses laços espirituais? 2) O que podemos entender por os laços se dissolverem moralmente? 3) Podemos citar exemplos?

“ Foi o que Jesus quis tornar compreensível, dizendo de seus discípulos: Aqui estão minha mãe e meus irmãos, isto é, minha família pelos laços do Espírito, pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus é meu irmão, minha irmã e minha mãe. A hostilidade que lhe moviam seus irmãos se acha claramente expressa em a narração de São Marcos, que diz terem eles o propósito de se apoderarem do Mestre, sob o pretexto de que este perdera o espírito. Informado da chegada deles, conhecendo os sentimentos que nutriam a seu respeito, era natural que Jesus dissesse, referindo-se a seus discípulos, do ponto de vista espiritual: “Eis aqui meus verdadeiros irmãos”. PERGUNTAS: 1)Como podemos sintetizar as palavras de Jesus “ aquele que faz a vontade de meu Pai” ? 2) É natural dentro das famílias terrenas ter-se, como no caso da família terrena de Jesus, irmãos com dissensões? 3) Porque destas ocorrências e porque logo com Jesus também foi isto acontecer?

“ Ó espíritas! Compreendei agora o grande papel da Humanidade; compreendei que, quando produzis um corpo, a alma que nele encarna vem do espaço para progredir; inteirai-vos dos vossos deveres e ponde todo o vosso amor em aproximar de Deus essa alma; tal a missão que vos está confiada e cuja recompensa recebereis, se fielmente a cumprirdes. Os vossos cuidados e a educação que lhe dareis auxiliarão o seu aperfeiçoamento e o seu bem-estar futuro. Lembrai-vos de que a cada pai e a cada mãe perguntará Deus: Que fizestes do filho confiado à vossa guarda?” PERGUNTAS: 1) Como estamos nós nesta missão de “ aproximar de Deus” a alma de nossos filhos? 2) Dedicamos nossa atenção a esta “ aproximação” do mesmo modo como nos preocupamos com a preparação profissional deles? 3) Qual o sentido do aconselhamento “por todo o vosso amor”?

LE
774. Há pessoas que, do fato de os animais ao cabo de certo tempo abandonarem suas crias, deduzem não serem os laços de família, entre os homens, mais do que resultado dos costumes sociais e não efeito de uma lei da Natureza. Que devemos pensar a esse respeito? “Diverso do dos animais é o destino do homem. Por que, então, quererem identificá-lo com estes? Há no homem alguma coisa mais, além das necessidades físicas: há a necessidade de progredir. Os laços sociais são necessários ao progresso e os de família mais apertados tornam os primeiros.
Eis por que os segundos constituem uma lei da Natureza. Quis Deus que, por essa forma, os homens aprendessem a amar-se como irmãos.” (205)

PERGUNTAS: 1) Nas sociedades mais capitalistas, os filhos mais cedo ou mais tarde deixam seus lares? 2) Qual o principal foco nestas sociedades? 3) Podemos deduzir daí que nestas sociedades estes jovens são mais maduros emocionalmente e precisam menos do apoio familiar?

775. Qual seria, para a sociedade, o resultado do relaxamento dos laços de família?
“Uma recrudescência do egoísmo.”

PERGUNTAS: 1) É interessante investir nos encontros para diversão dentro das famílias ou é mais interessante investir na independência das relações familiares? 2) Costumamos investir, “com todo o nosso amor” nestas relações?


TEXTO PARA LER E COMENTAR

“ Modernamente, ante a precipitação dos conceitos que generalizam na vulgaridade os valores éticos, tem-se a impressão de que paira rude ameaça sobre a estabilidade da família. Mais do que nunca, porém, o conjunto doméstico se deve impor para a sobrevivência a benefício da soberania da própria Humanidade”.
Atualmente, na fase de aferição de valores morais por que passa a humanidade, é comum ouvir a voz da imaturidade e do pessimismo anunciando a extinção da família. Entretanto, devemos tranqüilizar os nossos corações, porque a família não está em extinção, o processo é de transformação. A vulnerabilidade do bebê humano e sua dependência dos cuidados do adulto são indícios muito fortes de que a família é uma necessidade psicofísica do homem e, portanto, será difícil imaginar uma sociedade social sem essa instituição básica”. “Toda mudança sempre acarreta um momento de desorganização e talvez daí tenha surgido a idéia de que a família está se desmoronando, desestruturando-se, extinguindo-se.” “ Algumas pessoas se sentem tão abaladas por essa desordem transitória, que se aferram a um modo de viver já ultrapassado, na tentativa de preservar valores decadentes, acreditando defender assim os interesses da sociedade.”

BIBLIOGRAFIA
Livro dos Espíritos – Kardec
Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita – Tomo II
Evangelho Segundo o Espiritismo – Kardec
Estudos Espíritas – Divaldo Franco
Pensamento e vida – Emmanuel- Chico Xavier