Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

O Mito

O Mito

Sérgio Biagi Gregório
1) O que é um mito?

O mito é uma narrativa que procura explicar os principais acontecimentos da vida, os fenômenos naturais, as origens do Mundo e do Homem por meio de deuses, semi-deuses e heróis. O "mito" é todo relato sério que está em conflito com nossos conhecimentos acerca dos processos naturais.

2) Quais são os sentidos que o termo carrega?

Ao longo do tempo, o mito foi carregando outros sentidos, entre os quais, citamos:

Sociologicamente, é a narrativa imaginária de origem popular: "os mitos cosmogônicos";

Historicamente, é a exposição de uma doutrina sob a forma de narrativa alegórica: "os mitos platônicos".

Vulgarmente, é a dramatização das grandes aspirações frustradas do grupo: "mito da greve geral".

3) O que é um rito? E ritual? Há diferença entre rito e ritual?

O rito é um conjunto de atividades organizadas e institucionalizadas, no qual as pessoas se expressam por meio de gestos, símbolos, linguagem e comportamento, transmitindo um sentido coerente ao ritual.

Ritual – conjunto de práticas consagradas pelo uso e/ou normas, e que devem ser observadas de forma invariável em ocasiões determinadas.

Há grande diferença entre rito e ritual. O rito é associado ao mito, enquanto ritual diz respeito a quase tudo que fazemos. Nesse caso, o médico procede a um ritual para fazer a sua operação. Numa Casa Espírita, há um ritual do preparo de ambiente, da prece, das vibrações etc.

4) Pode o mito viver sem o rito?

Não. O mito primordial e genuíno é inimaginável sem o rito, ou seja, sem um solene proceder e um atuar solene que elevam o ser humano a uma esfera superior. O rito não é uma mera imagem do acontecer mítico, mas sim este mesmo acontecer, no sentido pleno do termo.

5) Como se explica o sentido próprio e o sentido figurado do mito?

Em sentido próprio, o mito significa uma fábula arquitetada pela fantasia humana para personificar entidades do espírito ou da natureza. Exemplo: Zeus é Deus na mitologia grega. Em sentido figurado, o mito é a atribuição de um valor absoluto a uma entidade relativa. Exemplo: modernamente, somos impelidos a enriquecer e ter posição de destaque; caso não o consigamos, somos desprezados pelos que o conseguiram.

6) Como a psicologia profunda interpreta os mitos?

A psicologia profunda afirma que, ao analisar os sonhos e os estados oníricos similares de pessoas psiquicamente perturbadas ou enfermas, tem-se deparado com autênticas imagens míticas, capazes, de explicar a essência do mito. Essas imagens – arquétipos ou imagens primordiais – ficaram guardadas no inconsciente, prontas a ressuscitar tão logo a alma precise delas. (1)

7) Por que admiramos a filosofia, a religião, a ciência e a arte grega e desprezamos os seus mitos?

Na filosofia, na ciência, na religião e na arte há razões de procedimento; no mito, não. Há, também, a influência das religiões reveladas, que admitem um único Deus. Estas se assenhorearam da verdade; os outros modos de vivenciar o divino ficaram em segundo plano. (1)

8) Qual a principal falha na interpretação do mito?

É a nossa incapacidade de penetrar na vivência dos antigos, principalmente na sua forma de adorar a Deus. A postura – gestos, símbolos, linguagem e comportamento – tem um valor intrínseco que o homem moderno não consegue captar com a devida clareza. (1)

9) Quais são os mitos da modernidade?

Há inúmeros mitos, entre os quais, citamos: o mito da mãe-mártir, do bom velhinho, da esposa perfeita, da mulher boazinha ("minha mulher é uma santa"), da juventude como uma glória e da obtenção do êxito.

10) Há mitos no Espiritismo?

Não. Allan Kardec, o codificador do Espiritismo, utilizou o método teórico-experimental para as suas análises e conclusões.

11) Há rituais dentro dos Centros Espíritas?

Sim. Há os rituais aceitáveis e os que não contribuem muito para a eficácia das sessões espíritas. Os rituais aceitáveis são: preparo de ambiente, prece, vibrações etc. Há, porém, alguns que não precisariam ser praticados: uso de túnica branca para os dirigentes, a abstinência de carnes nos dias de trabalho, a realização de casamentos, batizados e crismas "espíritas", os hinos cantados no começo de uma reunião, a obrigação de receber passes à entrada do recinto etc.

Fonte de Consulta

(1) OTTO, Walter E. Teofania: O Espírito da Religião dos Gregos Antigos. Tradução de Ordep Trindade Serra. São Paulo: Odysseus, 2006.

São Paulo, maio de 2009.

Em forma de palestra: http://www.sergiobiagigregorio.com.br/palestra/mito-mistica-e-espiritismo.htm