Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

A volta do CRISTO

A volta do CRISTO

Os bons permanecerão na Terra de regeneração

EURÍPEDES KÜHL

A propósito do segundo advento do Cristo, Allan Kardec, em “A Gênese" (1), destaca inicialmente dois trechos do Evangelho:
Em Mateus, capítulo 16, versículos 24 a 28:
Disse então Jesus a seus discípulos: Se algum quiser vir nas minhas pegadas, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me; - porquanto, aquele que quiser salvar a vida a perderá e aquele que perder a vida por amor de mim a encontrará de novo. (...) – Pois o Filho do homem deve vir na glória de seu Pai, com seus anjos, e então dará a cada um segundo suas obras. Digo-vos, em verdade, que alguns daqueles que aqui se encontram não sofrerão a morte, sem que tenham visto vir o Filho do homem no seu reino”.
Em Marcos, capítulo 14, versículos 61 e 62:
(...) O sumo sacerdote ainda o interrompeu e lhe disse: Sois vós o Cristo, o filho de Deus abençoado para sempre?
Jesus lhe respondeu: Eu sou, e vereis um dia o Filho do homem sentado à direita da majestade de Deus, vindo sobre as nuvens do céu.
Desses dois trechos Kardec considera:
Jesus anuncia o seu segundo advento, mas não diz que voltará à Terra com corpo carnal, nem que personificará o Consolador. Apresenta-se como tendo de vir em Espírito, na glória de seu Pai, a julgar o mérito e o demérito e dar a cada um segundo as suas obras, quando os tempos forem chegados.
Considerando que nos albores do terceiro milênio muitos são os cristãos que estabelecem interpretação equivocada de alguns trechos evangélicos, e em particular dos acima transcritos, com humildade e prudência apresento reflexões encontradas no Espiritismo, que talvez venham a dissipar quaisquer névoas sobre o seu entendimento.
Os trechos citados formam um grande painel, cuja síntese espírita, sempre concorde com Kardec, pode ser a seguinte:
a. A vida eterna é a do Espírito — a física, efêmera. Convém, pois que cuidemos da primeira, com desprendimento da segunda (a material);
b. Jesus vir com anjos para dar reconhecimento (méritos) subentende a aplicação, pelo Plano Espiritual, da Lei Divina de Justiça, que terá repercussão na Terra, onde atualmente vivem os bons junto com os maus; tal aplicação terá por objetivo separá-los, de forma que:
- os bons (por seus créditos de virtudes) receberão passaporte para permanecerem na Terra, então regenerada (planeta de regeneração é aquele onde o bem supera ao mal);
- os maus terão emigrado compulsoriamente para mundos mais atrasados do que este, onde levarão progresso, ao tempo que se redimirão;
c. Uma segunda vinda de Jesus nos remete inicialmente a três reflexões:
1ª - um segundo advento do Cristo pode perfeitamente ocorrer. Ele o afirmou categoricamente. Assim, o que impediria tal ocorrência?
2ª - Mas, para os não-cristãos, Jesus não seria o “Cristo” (Ungido de Deus, o Messias) o qual, nem sequer teria vindo uma primeira vez. Assim, no atual patamar religioso terreno, uma eventual volta de Jesus, como da primeira vez, pelo menos para muitos, provavelmente não o fará ser considerado o Messias. Como vemos, aqui há um embate de credos...
3ª - Para a maioria dos cristãos (espíritas, em particular), Jesus não retornará porque... jamais nos deixou, ou deixaria. Apóiam-se na afirmação do próprio Cristo: “Eis que estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo” (Mateus 28:20).
De nossa parte, excluindo a 2ª reflexão, as 1ª e 3ª conciliam-se e tanto uma quanto a outra são viáveis. Ademais, essa questão da “volta de Jesus” deve ser encarada com muita prudência. Para começar, três dias após a crucificação Ele esteve com os Apóstolos, a partir da Estrada de Emaús (Lucas, capítulo 24).
Além das considerações de Kardec, que sintetizamos acima, colhemos as de outros quatro espíritas, todas bem econômicas, demonstrando que o tema não se presta a grandes dissertações...
Ei-las:
1ª - Em “Sessões Práticas e Doutrinárias do Espiritismo”, de Aurélio A. Valente, 9° capítulo, p. 204 e 205, Ed. 1937, FEB, RJ/RJ:
“Jesus descerá em toda a sua glória, dirigindo a falange dos Espíritos eleitos do Senhor. De acordo com as escrituras, Ele veio entre os hebreus restabelecer o reino de Deus, mas não foi reconhecido porque eles esperavam o reinado dos homens”;
2ª - Em “Allan Kardec”, de Z. Wantuil e F. Thiesen, Vol. III, p. 85, 2ª Ed., 1982, FEB, RJ/RJ:
“(...) a vinda de Jesus, anunciada no Evangelho, processar-se-á, no porvir, quando necessária, no tempo certo, que não sabemos avaliar”;
3ª - Em “Jesus – nem Deus, nem homem”, de Guillon Ribeiro, p. 14, 3ª Ed., 1990, FEB, RJ/RJ:
“Esse segundo advento (de Jesus) se dará quando o mesmo Jesus, como Espírito da Verdade, vier em todo o seu fulgor espírita ao planeta terreno purificado e transformado, na qualidade de seu soberano, visível para as criaturas também purificadas e transformadas, mostrar a verdade sem véu”;
4ª - Em “Quando voltar a primavera”, de Amélia Rodrigues, psicografia de Divaldo P. Franco, p. 13, 6ª Ed., 1997, LEAL, Salvador/BA:
“Jesus prossegue sendo a eterna Primavera por que todos anelamos. Esperar a Sua volta é a ambição que devemos, no momento, acalentar, preparando a Terra desde então para esse momento de vida, beleza e abundância...”.
Dentro do tema, Kardec, ainda em “A Gênese”, registra (2):
Ora, quando o Filho do homem vier em sua majestade, acompanhado de todos os anjos, assentar-se-á no trono de sua glória; e, reunidas à sua frente todas as nações, ele separará uns dos outros, como um pastor separa dos bodes as ovelhas, e colocará à sua direita as ovelhas e à sua esquerda os bodes. (Mateus, capítulo 25, vers. de 31 a 33).
Inúmeras são as reflexões de incontáveis autores espíritas sobre o Juízo Final, máxime sobre essa afirmação evangélica que preconiza a separação de bodes para um lado e ovelhas para outro: em análise objetiva, tais palavras expressam o reconhecimento dos méritos de cada Espírito terreno, encarnado ou desencarnado — aos bons, a Terra regenerada, e aos maus, expurgo daqui, com passaporte e emigração compulsória para mundos primitivos ou mesmo de “provas e expiações”, que os há aos milhões, no Universo.
Destarte, para nós, espíritas, o “Juízo Final” simboliza a regeneração planetária, pelo que nem “Final”, nem coletivo, mas sim, individual, nem tal julgamento acontecerá num exato momento para todos: na opinião de vários Espíritos, Kardec inclusive, ele (Juízo Final) já começou há tempos e nisso, como aliás desde sempre, quem define com infalível acerto as coisas é a consciência de cada um, ditando-lhe seu destino. Àqueles que tenham anestesiada a consciência, a infalibilidade das Leis Divinas, em particular a de Justiça, aplica-se automaticamente, no dizer magnânimo de Jesus, que repetimos: a cada um, segundo suas obras.
Mas, ainda refletindo sobre eventual volta de Jesus há uma penosa realidade (pelo menos nos tempos de hoje) para os cristãos: Ele não é nem nunca foi unanimidade terrena.
Senão, vejamos:
- à época de Jesus na Terra, a população mundial, segundo estimativa de alguns demógrafos, oscilava de 170 a 250 milhões de habitantes: fiquemos na média;
- nem todos O aceitaram como o Mestre dos mestres;
- até hoje, não aceitar o Cristo como o Messias, de forma alguma exclui alguém de proceder fraternalmente, de “ser do bem”. Não! Ser bom jamais foi apanágio apenas dos seguidores de qualquer credo ou religião, ou mesmo de eventuais ateus;
- em 1952, no livro “Roteiro”, Ed. de 1952, da FEB, RJ/RJ, pela psicografia de F.C.Xavier, o Espírito Emmanuel informava que para os dois bilhões de Espíritos encarnados havia vinte bilhões desencarnados (2:20);
- em 1964, no “Anuário Espírita de 1964”, Ed. do I.D.E., Araras/SP, pela psicografia de F.C.Xavier, o Espírito André Luiz informava que para os três bilhões de Espíritos encarnados havia vinte e um bilhões desencarnados (3:21);
- assim, na primeira citação (de Emmanuel), temos que para um encarnado havia dez desencarnados (1:10), e na segunda (de A.Luiz), a proporção era de um para sete (1:7);
- atualmente, seis bilhões e meio de pessoas habitam a Terra. Quantos desencarnados? Se ficarmos com o último dado, de A.Luiz: 21 + 3 – 6,5 = 17,5 bilhões;
- todos esses números (citação feita apenas como conjetura, que como tal, não passa de opinião pessoal) parecem sinalizar que o planeta Terra, do tempo de Jesus entre nós aos dias atuais, vem sendo destino de grande número de Espíritos alienígenas...
- se volvermos ao tempo de Jesus (± 210 milhões de encarnados) imaginar qual o número de desencarnados de então é número que fica difícil de ajuizar, mas pela proporção, talvez seja de dez vezes mais do que dos encarnados, isto é, algo em torno de três  bilhões;
- dessas reflexões temos que para mais de vinte bilhões de Espíritos, encarnados e desencarnados, sequer estariam na Terra, quando da primeira vinda de Jesus, logo, para eles, não haveria retorno, senão sim, um primeiro contato;
- segundo o “Almanaque ABRIL - Mundo” de 2002, Editora Abril, SP/SP, p. 83, em 2000 havia cerca de dois bilhões de cristãos no mundo. Ora, dedutivamente (6,5 – 2 = 4,5) quatro e meio bilhões não O têm como referencial de “Salvador”.
Triste. Mas essa é a realidade, hoje!
Contudo, quem poderá negar que com os fantásticos meios de divulgação hoje existentes, um novo estágio de Jesus entre nós agirá como sublime catalisador de uma expressiva melhoria moral da Humanidade, catalisando a regeneração deste planeta?
Ribeirão Preto/SP – Inverno de 2008  

Veja o mapa do site...

Ir para página principal...

REFERÊNCIAS:
(1) "A Gênese”, de Allan Kardec, Cap XVII,  nº 43 e 44, p. 389 da 35ª Ed., 1992, FEB, Rio/RJ;
(2) "A Gênese”, de Allan Kardec, Cap XVII, “Juízo final”, nº 62, p. 397 da 35ª Ed., 1992, FEB, Rio/RJ

EURÍPEDES KÜHL é escritor espírita e colaborador de diversos veículos espíritas.