Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Usando a criatividade

Usando a criatividade

Você já ouviu a célebre frase: Mãe é mãe?

Esta afirmativa sempre vem para justificar os atos de que uma mãe é capaz, para ajudar seus filhos.

E o que uma mãe dedicada não faz por seus pequenos?

Foi assim que uma dessas heroínas, desejando encorajar seu jovem filho a tocar piano, o levou a um concerto do polonês Jan Paderewski.

Depois de se sentarem, a mãe viu uma amiga na plateia e dirigiu-se a ela para saudá-la.

Aproveitando a oportunidade para explorar as maravilhas do teatro, o garotinho se levantou e saiu para sua aventura. Seus passos curiosos o levaram a uma porta onde estava escrito: Proibida a entrada.

Quando as luzes diminuíram e o concerto estava prestes a começar, a mãe retornou ao seu lugar e descobriu que seu filho não estava lá.

De repente as cortinas se abriram e as luzes se acenderam sobre um impressionante piano Steinway, localizado bem no centro do palco.

Horrorizada, a mãe viu seu filho sentado ao teclado, inocentemente catando as notas de uma canção infantil.

Naquele momento, o grande mestre do piano fez sua entrada. Rapidamente foi até o piano e sussurrou ao ouvido do menino: Não pare, continue tocando.

Então, debruçando-se sobre o pianista júnior, Paderewski estendeu sua mão esquerda e começou a preencher a parte do baixo.

Logo depois colocou sua mão direita ao redor do menino e acrescentou um belo acompanhamento de melodia.

Juntos, o velho mestre e o jovem noviço, transformaram uma situação embaraçosa em uma experiência maravilhosamente criativa.

O público estava perplexo. A mãe estava imóvel na poltrona e sua voz havia sumido da garganta. Mas o veterano pianista não se perturbou e, usando sua capacidade criativa, tirou de letra, como se diz.

*   *   *

Algumas pessoas pensam que ser criativo é somente inventar coisas grandiosas e fantásticas, capazes de impressionar multidões.

Todavia, ser criativo significa ter ideias brilhantes que nos tirem de enrascadas ou situações difíceis.

Assim, podemos usar a criatividade em nossas tarefas diárias, tornando-as mais úteis e eficientes.

Quando usamos caminhos alternativos para escapar da rotina, estamos sendo criativos.

Ou quando assumimos um comportamento de bondade e compaixão, promovendo a assistência aos necessitados de toda ordem.

Ou, ainda, quando buscamos a solução de um velho problema de uma maneira diferente.

Gandhi, por exemplo, usou a sua criatividade para libertar seus irmãos indianos do jugo inglês, sem derramamento de sangue, inovando, de forma radical, as estratégias vigentes.

Assim, você também pode pôr em prática seu espírito criativo começando a enfrentar os problemas conhecidos, de forma inovadora.

Seja preparando uma refeição, tentando arranjar mais espaço no quarto apertado ou criando uma nova receita, cujos ingredientes sejam os restos que sobraram do almoço, todos podemos usar nossa criatividade.

Portanto, quando nos depararmos com uma situação que nos pareça de difícil solução, lembremo-nos de Jan Paderewski e usemos nosso poder criativo para sair dela com elegância.

*   *   *

A criatividade é natural na infância e  todos somos criativos.

O que geralmente acontece é que os adultos acabam prejudicando a criança com julgamentos e enquadramentos forçados que a impedem de expressar-se livremente.

Por essa razão, vale a pena refletir um pouco sobre o assunto e buscar incentivar nos pequenos a sua capacidade criativa.



Redação do Momento Espírita com base em fato da vida de Ignacy Jan Paderewski (1860-1941).
Em 16.11.2010.