Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

ENTREGA-TE a DEUS

A DESENFREADA BUSCA DO PRAZER ENTORPECE OS SENTIDOS das criaturas que se arrojam aos despenhadeiros da aflição.

Jamais houve tantas gloriosas conquistas do conhecimento e da razão, como sucede na atualidade, sem que se manifestem correspondentes vitórias sobre as paixões primevas (1), que permancecem em predomínio, atormentando aqueles que lhes tombam nas armadilhas bem urdidas (2).

O ser conquistador dos espaços siderais ainda não logrou autoconquistar-se, libertando-se das amarras vigorosas dos vícios e dos instintos agressivos.

Sonhando e viajando no rumo do infinito, aturde-se e perde-se nas mesquinharias do cotidiano a que valoriza excessivamente. Em razão disso, há grandezas no seu comportamento e pequenezes nas aspirações, raramente superando os limites do imediatismo atormentador.

O andarilho das estrelas perde-se no matagal sombrio da convivência familiar, no trabalho, na sociedade, acumulando amarguras e ansiedades que ressumam (3) continuamente, entre receios injustificáveis e fugas espetaculares em direção ao consumismo e às angústias que não tem sabido diluir.

Ambicionando sempre a aquisição da cornucópia (4) da fortuna material para atender às ansiedades que o atormentam, desejando saciedade, não se satisfaz quando a possui, anelando (5) sempre
por mais, nem se harmoniza, quando em carência do supérfluo, que o libera da carga aflitiva dos valores sem valor, mas aos quais atribui significados.

Dois mil anos de cristianismo, infelizmente deturpado na sua essência, transformando em culto social e em projeção humana, oferecem uma lamentável história de insucessos espirituais e de tragédias defluentes do poder econômico, da situação religiosa, dos destaques comunitários...

Os exemplos de Francisco de Assis, de Teresa D’Ávila, de João da Cruz, ou mais recentes de Madre Teresa de Calcutá e de Francisco Cândido Xavier, dentre outros admiráveis missionários de Jesus, abrilhantam as histórias de fé, mas não se tranforam em motivos para que sejam repetidos com o mesmo sentido de dedicação e de renúncia pelas coisas e opção pela verdade.

As disputas pelas posições transitórias e as intrigas contínuas que distraem os frívolos e perturbam a marcha do progresso espiritual sucedem-se calamitosas, agora ampliadas pelos extraordinários recursos do YouTube, do Orkut, do Twitter e do Facebook, assim como de outros programas que deveriam servir de campo de edificação de vidas, desmoralizando pessoas que se desagradam, trabalhadores que são fiéis ao compromisso, transformando-se em técnicas de destruição dos valores nobres.

A onda de materialismo sem disfarce, expressando-se pelo erotismo e pelo deboche, pela nudez que passou a ser recurso para chamar a atenção e exaltar a degradação da criatura, contrapõe-se à ética do bem proceder e da dignidade, que perdem o significado ante o volume de perversão que toma conta da sociedade.

Quanto maior e mais comentado o escândalo, mais promovido se torna aquele que o promove, atingindo culminâncias entre os coetâneos (6), sendo, logo depois, aplaudido e reconduzido aos postos dos quais é expulso por corrupção e vulgaridade. Nada obstante, todos esses que assim se comportam não conseguem evadir-se dos conflitos internos que os atormentam e disfarçam, consumindo-lhes as energias e empurrando-os para os anestésicos do alcoolismo, da drogadição, do sexo sem significado...

... E tombam nas depressões profundas, nos suicídios discretos ou espetaculares, na transferência psicológica para os demais, dando lugar à violência, ao terrorismo, ao crime, às guerras no lar, nas ruas, no trabalho, em toda parte...

Fala-se muito sobre Jesus, que permanece o grande desconhecido da cultura e da civilização modernas.

Mito para uns, Deus para outros, homem comum e depravado como alguns o biografam autorretratando-se, é usado para debates e comentários, autopromoções e agressões fanáticas, sem que a sua mensagem tenha lugar nas mentes ou nos corações.

Para diminuir a situação desastrosa em que se encontram as criaturas terrestres, o espiritismo veio iluminar a senda a percorrer, penetrar o cerne dos sentimentos e libertar a razão das heranças perversas do passado, não encontrando ainda o solo fértil para alcançar a meta a que se destina.

Grande número daqueles que o abraçam, vinculados às amarras ancestrais das experiências vivenciadas, em vez de viverem a humildade e o serviço, atiram-se na arena das competições mentirosas do mundo, gerando cismas e exibindo a falsa cultura de que se dizem portadores, apontando erros, impondo seus pontos de vista, distantes do compromisso com a consciência do dever de amar e servir, de edificar o bem em toda a parte mediante os recursos disponíveis.

É compreensível que essa conduta se expresse, porque a evolução é muito lenta, e ninguém consegue de um salto abandonar o primarismo em que estagiou por longo período, a fim de alcançar os
patamares da razão e do sentimento nobre.

Nada, porém, impedirá a vitória d’O Consolador, e todos aqueles que se lhe oponham padecerão o efeito danoso da sua conduta insensata, o que é inevitável.

É necessário amar e compreender a todos, procurando modificar as estruturas do pensamento e do comportamento doentios que vigem na sociedade aflita, oferecendo Jesus e sua doutrina com a pulcritude(7) e beleza com que ele e os seus primeiros discípulos e seguidores nos oferecem, e de que Allan Kardec se fez o impar mensageiro dos novos tempos.

O retorno à simplicidade do coração, à convivência com os infelizes que enxameiam em todos os segmentos da sociedade, à bondade fraternal e à gentileza amorosa para com o próximo, no lar, no trabalho, na rua, faz-se inadiável, e ninguém impedirá que tal aconteça.

Reencarnam-se em massa os missionários da Nova Era, totalmente entregues a Deus, a fim de romperem com a escuridão que domina o mundo e tornarem-se estrelas luminíferas (8) apontando os rumos da plenitude.

Conhecer o espiritismo é uma honra que nem todos valorizam, porque, alguns, apressados em transformar o mundo sem a correspondente mudança interior, vilipemdiam-no (9), combatem-no por meios dos atos, embora dizendo-se vinculados à doutrina, o que lamentarão mais tarde, quando realmente despertarem para a imortalidade na qual se encontram situados.

Há, sem dúvida, muitas bênçãos e exemplos dignificadores que se transformam em roteiros de vida para os que são sinceros e seguem na retaguarda, confiantes na autossuperação moral e na conquista da
paz interior.

Que permaneçam irretocáveis os servidores de Jesus na luta autoiluminativa, esparzindo (10) a doutrina espírita em toda a parte por intermédio do pensamento, das palavras e dos atos!


Salvador, 14 de julho de 2010

Joanna de Angelis

Psicografia de Divaldo Pereira Franco

Introdução do Livro: Entrega-te a Deus


Glossário:

1)primevo: dos primeiros tempos

2)urdir: enredar, tramar, mquinar

3)ressumar: manifestar-se de maneira evidente

4)cornucópia: fonte de riqueza ou prosperidade

5)anelar: desejar intensamente

6)coetâneo: contemporâneo

7)pulcritude: formosura, perfeição

8)luminífero: que tem luz, que a produz

9)vilipendiar: rebaixar; considerar sem valor

10)esparzir: disseminar, difundir