Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Como exercitar a generosidade

Como exercitar a generosidade

Vivemos em um tempo individualista, mas todo esse esforço cai por terra se não enxergarmos o outro, se não formos capazes de nos sensibilizar com os dramas e necessidades alheias. Fazemos parte de uma rede que precisa da generosidade para não arrebentar.

Essa virtude é exaltada pelas mais diferentes religiões do planeta, despontando, inclusive, como um elo entre elas. “Nas mais antigas tradições, as práticas da solidariedade e do amor ao próximo não caminham separadas das práticas da justiça e da espiritualidade”, afirma o teólogo Rafael Rodrigues da Silva, professor do Departamento de Teologia e Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

A psicoterapeuta familiar Mônica Genofre, professora do Instituto de Terapia Familiar de São Paulo (ITFSP), concorda. “Cuidar do outro é cuidar de nós mesmos, assim como cuidar do planeta é necessário para a sobrevivência. Trata-se de corresponsabilidade na construção de nossas relações e do mundo no qual desejamos viver.”

Ao longo da vida, ela explica, quanto mais experiências generosas presenciamos, mais natural é o ato altruísta. Essa ética se infiltra em nosso repertório, guiando escolhas e atitudes. “Quando pratico a generosidade, o outro pode aprender e praticar também. O efeito, então, se propaga e o entorno se fortalece”, enfatiza ela.

Mas não se trata apenas de zelar pela ordem coletiva e, no final do dia, dormir com a consciência limpa. Ser cordial e solidário com aqueles que estão à nossa volta é, acima de tudo, a expressão de um coração livre de qualquer interesse. Um exercício que nos torna mais humanos e, de quebra, neutraliza o individualismo que tende a nos afastar de nossos semelhantes.

A generosidade renova as energias

A psicologia é categórica no que se refere às relações interpessoais: o outro espelha nossa própria imagem. Quando deixamos de lado, por alguns momentos, nossos problemas e frustrações e nos mobilizamos para ajudar alguém, empreendemos uma viagem de volta à nossa própria essência.

“Interessar-se genuinamente pelo outro possibilita encontrar caminhos para superar nossos próprios obstáculos”, avalia Mônica. “Doar possibilita realimentar, renovar nossas energias. Não será isso que nos move?”, indaga.

E ela se manifesta em qualquer pequeno gesto. Ser generoso é: respeitar o espaço de trabalho de um colega; dar atenção a um filho; ceder numa negociação visando o entendimento mútuo... A família, nosso núcleo teoricamente mais próximo, é um bom ponto de partida para treinarmos e, com sorte, expandirmos nossa capacidade de doação.

Outro exercício é aprender a ser generosa consigo mesma. Afinal, o que adianta se esforçar para melhorar a vida alheia se você é incapaz de proferir uma palavra de incentivo diante do espelho ou de respeitar seus limites no dia a dia?

O amor pelo voluntariado

Quando o assunto é voluntariado, basta a vontade de ajudar o próximo. Quem exerce a generosidade por essa via garante que, em troca, colhe um bem enorme. Aproximar-se de uma realidade difícil de ser digerida, como a da miséria e do abandono, exige determinação. Mas a ação traz satisfação para todos os envolvidos

Que tal começar agora a colocar esse plano em prática? “Se pudermos estar no mundo com a consciência voltada para um ‘nós’, no lugar de ‘eu e os outros’, talvez o sentimento de solidão que acompanha tantas pessoas se dissipe e possamos contribuir para uma sociedade mais generosa e justa”, torce Mônica.

Autoria: Raphaela de Campos Melo;

Fonte: site mdemulher - bem-estar.

FRATERLUZ
Fraternidade Espírita Luz do Cristianismo