Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

PERDOAI PARA QUE DEUS VOS PERDOE - Leda


“Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia”. (Mateus,V:7)

“Se perdoardes aos homens as ofensas que vos fazem, também vosso Pai celestial vos perdoará os vossos pecados. Mas se não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai vos perdoará os vossos pecados.” (Mateus, VI: 14-15)

“Se teu irmão pecar contra ti, vai, e corrige-o entre ti e ele somente; se te ouvir, ganho terás o teu irmão.”
           
Então, chegando-se Pedro a ele, perguntou: “Senhor, quantas vezes poderá pecar meu irmão contra mim, para que eu lhe perdoe ? Será sete vezes?”
           
Respondeu-lhe Jesus: “Não te digo que até sete vezes, mas que até setenta vezes sete vezes.” (Mateus, XVIII: 15, 21 e 22.)

Misericórdia, segundo o dicionário Houais: “sentimento de dor e solidariedade com relação a alguém que sofre uma tragédia pessoal ou que caiu em desgraça, acompanhado do desejo ou da disposição de ajudar ou salvar essa pessoa; dó, compaixão, piedade. Ato concreto de manifestação desse sentimento, como o perdão; indulgência, graça, clemência.”

Kardec declara que “a misericórdia é o complemento da mansuetude, pois os que não são misericordiosos também não são mansos e pacíficos.”

Com vemos, as virtudes se mesclam, umas originando outras, completando-se, até o Espírito ser capaz de amar a qualquer outro, como a si mesmo, porque, então, vivenciará, naturalmente, as leis divinas que o Mestre Jesus ensinou e exemplificou.

O misericordioso se apieda, se condói, dos sofrimentos alheios, buscando auxiliá-los, mas também pratica esse sentimento, no perdão às ofensas, quando esse perdão vem da compreensão das fraquezas humanas, dos sentimentos frustrados, da necessidade de ser amado, que todos nós temos dentro de nós.

Quem perdoa de pronto, irradiando vibrações amorosas ao ofensor, já traz dentro de si uma elevação espiritual muito acentuada. Esta é a meta, culminando em não se sentir ofendido.

Todavia, a maioria dos que já conseguem perdoar as ofensas, em nosso mundo, os que já têm essa vontade de assim agir, conseguem assim fazer, com o consentimento da razão e do coração, através de um grande esforço.

Ainda estão inseridos no processo do desenvolvimento das qualificações nobres e assim devem continuar, pedindo sempre a proteção divina para não esmorecer.

Muitos há que nem sequer cogitam da necessidade do perdão para a tão desejada felicidade.

Por isso, Kardec afirma que o esquecimento das faltas alheias, como conseqüência do perdão, “é próprio das almas elevadas, que pairam acima do mal que lhe quiseram fazer”, sendo, então, calmas, mansas e caridosas.

  As pessoas que não desejam perdoar, ou pensam ser impossível fazê-lo, são sem elevação e sem grandeza. Por isso, são inquietas, “de uma sensibilidade sombria e amargurada”, infelizes, portanto.

Quando Jesus declarou a Pedro que se deve perdoar setenta vezes sete vezes, declarou ser a misericórdia sem limites, sem condições.

Kardec cita duas maneiras de perdoar. Uma, generosa, sem segunda intenção, que evita humilhar o ofensor, tratando-o com delicadeza, com sinceridade, minimizado a sua má ação , demonstrando compreendê-lo como pessoa humana, filha de Deus, em processo evolutivo.

O exemplo maior desse perdão está com Jesus, sendo crucificado, numa morte considerada a mais infamante, como se fora um dos piores inimigos dos homens, dizendo: “Perdoai-lhes Pai, porque não sabem o que fazem.”

 A outra maneira é perdoar com exigências, sob condições humilhantes, realçando a falta do outro e a sua generosidade.

  Esse perdão, nada tem com o perdão ensinado por Jesus, por ser apenas uma maneira de satisfazer o orgulho do que se julga ofendido.

Perdoar, misericordiosamente, é olhar para o ofensor, afastando de si a mágoa, ou ressentimento, auxiliá-lo se e quando houver oportunidade, como se faz com uma pessoa querida.

“Perdoai para que Deus vos perdoe”, é o título dos comentários de Kardec, lembrando-nos que todos nós, Espíritos imperfeitos, sujeitos a erros, enganos e omissões, precisamos aprender a perdoarmo-nos, mutuamente, a fim de que Deus nos possa perdoar, dando-nos novas chances de reparação desses erros, enganos e omissões.

Por enquanto, vamos tentando perdoar como podemos, no esforço de fazer o melhor, mantendo, porém, a meta a ser alcançada, ou seja, não precisar perdoar, por não se sentir ofendido.

Leda de Almeida Rezende Ebner
Maio / 2008


Bibliografia:
KARDEC, Allan -“ O Evangelho Segundo o Espiritismo”