Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

domingo, 27 de setembro de 2015

OS ELEMENTAIS E O ESPIRITISMO, O QUE DIZER?


Por: Sésio Santiago Freire Filho


O termo elementares assim como a palavra elementais, tem sido usado de forma um tanto quanto confusa por vários escritores espiritualistas. Esses em seus livros tentam descrever os mais variados tipos de entidades espirituais e formas de energias que atuariam no mundo espiritual.


No tocante a Doutrina Espírita a situação não é tão diferente.  Muitas obras psicografadas fazem alusão como sendo Elementares ou Elementais a determinados tipos de Espíritos rudimentares da natureza, e que esses habitariam uma dimensão de vida muito próxima a que vivemos fisicamente.


Primeiramente é importante frisar que no meio esotérico, principalmente nos ambientes de estudos de organizações sérias como a Sociedade Teosófica ou mesmo em algumas ordens Rosacrucianas, tais como a Fraternidade Rosacruciana Ocidental Cristã de Max Heindel ou mesmo a Antiga Fraternidade Rosacruciana de Krumm Heller; existe uma diferença marcante entre os termos Elementares ou Elementais e os tão referenciados espíritos da natureza.


Para essas escolas espiritualistas, a palavra elementais ou elementares seriam sinônimas e corresponderiam em certos aspectos de sua existência como sendo uma energia Divina, ou seja, uma espécie de força viva presente na natureza que atuaria de forma imanente a determinados planos de existência.


De acordo com os ensinamentos Teosóficos repassados por eminentes ícones do espiritualismo moderno, tais como Madame Blavatisky, Sra. Anne Besant e o Sr. Charles W.Leadbeater; ensinamentos esses que foram organizados de forma magistral pelo grande Teosofo Major Arthur Powell; essa energia divina já haveria percorrido e animado algumas fases anteriores de evolução onde a Mônada, ou seja, o principio espiritual se envolveria: A primeira fase seria conhecida como primeiro reino elemental (no plano mental superior), a segunda fase seria conhecida como o segundo reino elemental (no plano mental inferior), a terceira fase como o terceiro reino elemental (no plano astral) e as demais fases a essência elementar seria imanente as variadas formas de energias e forças que constituiriam o reinos mineral, vegetal e animal.


Na Idade Média, grandes alquimistas tais como Paracelsos e Nicolas Flamel, já afirmavam que por traz de qualquer elemento químico, existiria a atuação de uma essência elementar.



Outro conceito bem definido de forma consensual por diversas escolas esotéricas é sobre a existência dos chamados Espíritos da Natureza.


De acordo com os ensinamentos dessas escolas, esses seres pertencem a uma classe tão grande e variada que até hoje os ensinamentos transmitidos por mestres e instrutores de sabedoria só retratam uma parcela dos mesmos.




Segundo os ensinamentos esotéricos sérios, esses tipos de espíritos pertenceriam a um ciclo de evolução diferente do que estamos inseridos, por isso eles jamais seriam seres humanos junto conosco nesse plano físico de existência. Sua única conexão com humanidade se daria pelo fato dos mesmos encontrarem-se transitoriamente no planeta terra em uma dimensão de vida, conhecida por região etérica, que estaria muito próxima à realidade física. Conforme os ensinamentos dessas instituições esotéricas, estes espíritos rudimentares que habitam a natureza, estariam divididos em sete grandes classes e habitariam espiritualmente o limiar entre a dimensão astral e a dimensão física, região essa que estaria impregnada por uma variedade de essência elemental. Dessa maneira, de acordo com os ensinamentos ministrados em tais escolas espiritualistas, esses espíritos rudimentares, seriam entidades espirituais portadoras de uma inteligência rudimentar, que espiritualmente atuariam no meio ambiente do plano físico.


Infelizmente esses espíritos da natureza por sua vez na literatura vulgar espiritualista são bastante confundidos com as essenciais elementares ou elementais.


Atualmente estamos observando de maneira bastante infeliz a intensa produção de obras sensacionalistas que se dizem espíritas. Essas por sua vez na grande maioria das vezes, são produzidas por espíritos errantes que aparentemente se encontram bastante desinformados quanto a determinados conceitos que há séculos são estudados dentro de escolas espiritualistas serias. Infelizmente, esses espíritos desencarnados para produzir seus contos fantasiosos utilizam-se geralmente de médiuns profundamente ignorantes tanto do ponto de vista doutrinário como no ponto de vista do conhecimento esotérico.


Nas obras Espíritas codificadas por Allan Kardec não existe referencia ao termo essências "Elementares" ou “Elementais; entretanto podemos encontrar informações transmitidas pelos Espíritos com relação à existência de uma energia primordial que é denominada de fluido universal, fluido esse que conceitualmente se aproxima muito das definições atribuídas às chamadas essências elementares ou elementais.



Além dessa alusão, encontraremos na Codificação, referência a determinados Espíritos bastante elementares; esses espíritos por sua vez seriam simples e muitíssimo rudimentar, e encontrar-se-iam na escala evolutiva, em etapa anterior ao reino hominal. Esses espíritos são, por assim dizer, dirigidos por outros espíritos que já adquiriram, através de diversas encarnações, experiência suficiente para colaborar com a natureza.


Com relação aos Espíritos que agem na Natureza, podemos afirmar com base nas seguintes citações que com certeza os espíritos superiores legaram a Kardec grandes informações que até hoje ainda permanecem desconhecidas pela grande maioria de Espiritistas.


Podemos citar, por exemplo: Na Revista Espírita de 1859, o Espírito Erasto, ao responder algumas perguntas de Kardec sobre o tema, explica que há Espíritos encarregados por Deus de lidar com as forças da Natureza. Em edição da mesma revista do mês de março do ano de 1860, consta uma mensagem psicografa pela Sra. Boyer, de autoria de "Hettani", que se identifica como sendo "um dos Espíritos que presidem a formação das flores". Hettani diz que são milhares os espíritos de sua categoria e que eles também estão sujeitos a Lei de Evolução.


Após a publicação dessa mensagem, Kardec um tanto quando desconfiado, resolve fazer as seguintes perguntas ao Espírito de São Luis: - Este Espírito é chamado Hettano; como ocorre que ele não tenha um nome e que jamais encarnou? R. É uma ficção. O Espírito não preside, de um modo particular, à formação das flores; o Espírito elementar, antes de passar para a série animal, dirige a ação fluídica na criação do vegetal; este não está ainda encarnado; mas não age senão sob a direção de inteligências mais elevadas, tendo já vivido bastante para adquirir a ciência necessária à sua missão. Foi um destes que se comunicou; ele vos fez uma mistura poética da ação das duas classes de Espíritos que agem na criação vegetal.



3. Este Espírito não tendo vivido ainda, mesmo na vida animal, como ocorre que seja tão poético?
R. Relede.
4. Assim o Espírito que se comunicou não é o que habita e anima a flor?
R. Não, não; eu vos disse bem claramente: ele guia.
5. Este Espírito que nos falou foi encarnado? R. Foi.
6. O Espírito que dá a vida às plantas e às flores, tem um pensamento, a inteligência de seu eu?
R. Nenhum pensamento, nenhum instinto.



Fazendo-se uma analise do dialogo entre Kardec e o Espírito de São Luis, notamos que na terceira pergunta o Codificador não havia entendido muito bem a elucidação feita pelo Espírito. Entretanto com a decorrer do diálogo o entendimento fora se tornando mais claro.



Com base nessa conversa, entende-se que o Espírito que se comunicou como o gênio das flores na realidade já havia encarnado antes e, na realidade, dirigia espíritos bastante elementares (elementares, de simples, primário, rudimentar - e não no sentido esotérico de essência "elementais”). Esses espíritos bastante rudimentares equivaleriam o que na Codificação Espírita são referenciados por espíritos da natureza, e que na Escala Espírita contida no Livro dos Espíritos, é denominado por Espíritos zombeteiros.


A Doutrina Espírita, portanto, prima pela simplicidade. Mas infelizmente nós aprendizes repetentes da escola da vida, não desistimos de complicar e de entrar pela porta ampla da ficção ou do Esquisoterismo.