Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sábado, 24 de setembro de 2016

“ CONVIDAR OS POBRES E OS ESTROPIADOS. – DAR SEM ESPERAR RETRIBUIÇÃO.”

ESTUDO ESPÍRITA


PROMOVIDO PELO IRC-ESPIRITISMO
HTTP://WWW.IRC-ESPIRITISMO.ORG.BR
CENTRO ESPÍRITA LÉON DENIS
HTTP://WWW.CELD.ORG.BR

TEMA:“ CONVIDAR OS POBRES E OS ESTROPIADOS. – DAR SEM ESPERAR RETRIBUIÇÃO.”

EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO – CAPÍTULO XIII, ITENS 7 E 8.

EXPOSITORA: NARA COELHO

 JUIZ DE FORA
 12/03/2003

Dirigente do Estudo:


Rosângela Pertille


Mensagem Introdutória:


PRECE DO PÃO

      Senhor!
      Entre aqueles que te pedem proteção, estou eu também, servo humilde a quem mandaste extinguir o flagelo da fome.
      Partilhando o movimento daqueles que te servem, fiz hoje igualmente o meu giro.
      Vi-me freqüentemente detido, em lares faustosos, cooperando nas alegrias da mesa farta, mas vi pobres mulheres que me estendiam, debalde, as mãos!...
      Vi crianças esquálidas que me olhavam ansiosas, como se estivessem fitando um tesouro perdido.
      Encontrei homens tristes, transpirando suor, que me contemplavam, agoniados, rogando, em silêncio, para que lhes socorresse os filhinhos largados ao extremo infortúnio...
      Escutei doentes que não precisavam tanto de remédio, mas de mim, para que pudessem atender ao estômago torturado!..
      Vi a penúria cansada de pranto e reparei, em muitos corações desvalidos, mudo desespero por minha causa.
      Entretanto, Senhor, quase sempre estou encarcerado por aquelas mesmas criaturas que te dizem honrar.
      Falam em teu nome, confortadas e distraídas na moldura do supérfluo, esquecendo que caminhaste, no mundo, sem reter uma pedra em que repousar a cabeça.
      Elogiam-te a bondade e exaltam-te a glória, sem perceberem, junto delas, seus próprios irmãos fatigados e desnutridos. E, muitas vezes, depois de formosas dissertações em torno de teus ensinos, aprisionam-me em gavetas e armários, quando não me trancam sob a tela colorida de vitrinas custosas ou no recinto escuro dos armazéns.
      Ensina-lhes, Senhor, nas lições da caridade, a dividir-me por amor, para que eu não seja motivo à delinqüência.
      E, se possível, multiplica-me, por misericórdia, outra vez, a fim de que eu possa aliviar todos os famintos da Terra, porque, um dia,
      Senhor, quando ensinavas o homem a orar, incluíste-me entre as necessidades mais justas da vida, suplicando também a Deus:
      - "O pão nosso de cada dia dai-nos hoje."
 Meimei
 Do Livro: O Espírito da Verdade
 Psicografia: Francisco Cândido Xavier
 Editora: FEB


Oração Inicial:


<Ioio> Senhor Jesus, bom e amado Mestre, aqui estamos mais uma vez, para podermos aprender um pouco mais sobre Sua Boa Nova. Ampara os companheiros aqui presentes para que possamos estudar com a amiga Nara. Abençoe-a para que ela oriente nossas mentes e corações para a senda do progresso. Assim em Seu nome, dos amigos espirituais, que possamos dar por iniciada o estudo da noite de hoje. Fica conosco, agora e sempre!
      Graças a Deus!


Exposição:


<Nara_Coelho> Boa noite queridos amigos!
      Que Jesus nos abençoe em mais esta oportunidade de conversar sobre as lições que Ele nos deixou como guia para que possamos encontrar a felicidade.
      O tema de hoje é "Convidar os pobres e estropiados".
Na verdade, este é um desdobramento do tema central dos ensinos de Jesus que é o Amor.
      O amor que em suas diversas nuances recebe vários apelidos, sendo um deles a caridade, que é tratada por Kardec, no cap.XIII do Evangelho Segundo o Espiritismo.  Ali o Mestre de Lyon aproxima-nos do que precisamos saber e que até então estava envolto nas nuvens do obscurantismo clerical.
      Simplesmente fazer a caridade, que é o amor ao nosso próximo, servindo-o naturalmente, seja quem for, não dando asas ao nosso orgulho para não humilha-lo; perceber o quanto necessitamos uns dos outros e desta maneira valorizar as nossas ações coroando-as com o objetivo superior de fazer o bem da maneira que pudermos.
      E Jesus nos ensina: "Quando deres algum jantar ou alguma ceia, não chames nem teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos que forem ricos, para que não te aconteça que também eles te convidem à sua vez, e te paguem com isso; mas quando deres algum banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos; e serás bem-aventurado porque esses não têm com que te retribuir, mas ser-te-á isto retribuído na ressurreição dos justos. Tendo ouvido estas coisas, um dos que estavam a mesa disse para Jesus: "Bem-aventurado o que comer o pão no Reino de Deus." (Lucas, XIV:12-15)
      É indispensável que nos lembremos que todos os ensinos do Mestre dizem respeito a nós, espíritos. Jesus não fala apenas para quem tem a vida circunscrita entre o berço e o túmulo. Ele ensina para quem atravessa a eternidade, de reencarnação em reencarnação, buscando a sabedoria que é a chancela para a felicidade. Assim, demonstra-nos a necessidade de partilhar com os necessitados de todos os matizes do banquete espiritual que já conseguimos merecer.
      O alimento da alma, (Eu sou o pão da vida) a água pura e cristalina que nos dessedenta eternamente e que vem do conhecimento da verdade que Ele nos trouxe.
      O cego a que ele se refere é o que não "enxerga" a finalidade superior da vida, apegando-se ao materialismo descontrolado, por não ter "olhos de ver". O coxo e o paralítico são os que ainda não conseguem se locomover em direção à educação integral. "Marcam passo" nas esquinas da vida necessitando de mão amiga que os sustentem na caminhada.
      E os pobres?
      Ah! Esses mendigam o conhecimento do espírito. Morrem de fome! Buscam pelas reencarnações o alimento da alma, necessitando de quem o doe para que não sucumba mais uma vez.
      O irmão, o amigo, o parente o vizinho, os ricos, todos já partilharam do banquete espiritual, já estão saciados pelo conhecimento.
      Que vantagem faremos ao convida-los para a "festa" em que se resume todo encontro com as verdades eternas, da qual eles já fazem parte?  Eles se sentirão na obrigação de nos manter entre seus convidados, causando-lhes até constrangimento.
      E daqui tiramos mais uma bela lição. Todo serviço no bem deve ser feito sem esperar recompensa nem retribuição. Fazer o bem pelo bem, deve ser o nosso lema, para que o bem se fixe em torno dos nossos passos. Não é do bem que precisamos?
      Então é nele que devemos investir. Por isto a expressão "Bem-aventurado o que comer pão no reino de Deus".  O reino de Deus é o Reino dos valores espirituais, onde predomina o "tesouro que o ladrão não rouba, a traça não corrói, a ferrugem não consome".
      Quem ali come o pão, sacia-se com o entendimento superior da vida, com o alimento eterno trazido pelo conhecimento do Evangelho de Jesus, o "Pão" da vida. Enquanto que os pobres e os estropiados nada têm a nos oferecer.
      Trazendo estes ensinos para o cotidiano, no seu entendimento mais literal, podemos nos lembrar de combater o nosso orgulho e vaidade.
      Tantas vezes fazemos pouco caso de velhos conhecidos, mas que, por sua precária posição social, pensamos não serem dignos de se sentarem a nossa mesa de refeição, de partilhar de nossas festas de aniversário, formatura, casamento. Preferimos aquele outro nem tão honesto mas que tem alguma popularidade, só porque queremos fazer parte de seu círculo de amigos e ser convidados para a próxima festa.
      Tantas vezes os espíritos nos alertam para o fato de que almas luminosas habitam corpos humildes na Terra, escondidos das turbulências da vida social para progredirem em paz.
      Até quando perdermos tempo com tais cometimentos?
Os ensinos de Jesus, enfocados neste capítulo do Evangelho são de uma riqueza maravilhosa e muito oportunos para os dias em estamos vivendo, quando a futilidade pontifica, marcando a nossa contemporaneidade com cenas tristes, permitindo a vitória da iniqüidade, dando vazão a uma inversão de valores que tem causando grandes problemas a nossa sociedade.
      Cabe-nos a nós, espíritas, por tudo que temos recebido, cerrar fileiras na busca dos valores da alma, transmitindo-os pelo exemplo a todos quanto partilham do nosso círculo de relação.
      E, assim, firmando-os como sustentáculo das ações individuais, partir para a formação de uma sociedade mais feliz, porque mais justa, quando já não haverá mais pobres e estropiados; nem do corpo nem da alma.


Perguntas/Respostas:


[01] <Rafaielo> Entre os aparentemente felizes, existem também os estropiados da alma. Como identificá-los e socorrê-los?

<Nara_Coelho> Certamente, eles se darão a conhecer. Para tanto, basta que tenhamos um contato fraterno com essas criaturas, livres dos preconceitos que muitas vezes nos dizem que aquele que sorri não chora. Convivendo com as criaturas,
sabemos de suas necessidades. Por isso, Jesus nos aconselhou a amar os semelhantes. É o amor que desarma as almas, fazendo-as pedir socorro. E o ideal é que sejamos o próximo mais próximo para lhes prestar esse socorro.

[02] <Rafaielo> Há muito de preconceito, de medo, que nos separa dos miseráveis e dos esfarrapados, inda mais no mundo violento em que vivemos, embora os violentos não se distingam pela classe social. Que mecanismos, pessoas, grupos ou instituições existem que nos possa facilitar um primeiro contato no auxílio aos desvalidos?

<Nara_Coelho> O que você falou é verdade, Rafaielo! Entretanto, todos centros espíritas trabalham no sentido de diminuir a miséria, tanto a moral quanto a material. Kardec nos ensinou que "fora da caridade não há salvação". É preciso, pois, que as criaturas conscientes  se embuiam do propósito  de seguir Jesus, utilizando-se da caridade que é o amor colocado em movimento. Só este amor é capaz de acabar com a violência, pois nos ajuda a transformar o egoísmo em altruísmo,  beneficiando não apenas a nós mesmos, mas como a própria coletividade. Precisamos sair da teoria para a prática, exercitando a caridade em todas as circunstâncias de nossa vida.



Oração Final:


<Rafaielo> Vamos unir nossos pensamentos, elevando-o ao criador. Senhor e Criador do espaço infinito, de infinita perfeição, justiça, amor, bondade, misericórdia e providencialidade. Agradecendo por nossas vidas, pela nossa destinação futura de felicidade e trabalho, pela nossa encarnação neste planeta escola, guiados por Jesus e amparados por nossos espíritos protetores. Agradecendo igualmente por esta oportunidade de aprendizado e convívio fraterno. Rogamos Senhor, pelos pobres e estropiados, do corpo e da alma, por nós inclusive, que também necessitamos de correção e progresso. Que o evangelho de Jesus possa servir de norte para o trabalho que nos compete, e que possamos fazer um exercício adicional de vontade, que muito nos tem faltado. Damos-te graças Senhor.
      Que assim seja!