Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

domingo, 8 de março de 2015

Anunciação do Anjo

Anunciação do Anjo


A vinda de Jesus à Terra constituiu um grande plano de salvação de suas almas atrasadas. Sua descida, já antecipada pelas profecias, foi acompanhada de vários espíritos que auxiliaram nesta missão de esclarecimento.

Maria de Nazaré fazia parte deste grupo de almas que contribuíram para que o Nazareno pudesse nos ensinar o caminho do amor através de seus exemplos e do Evangelho, imortalizado pela ação de seus apóstolos.

No processo de anúncio de sua gravidez percebemos mais uma vez suas elevadas características morais. Em oração, Maria, ávida de luz, por meio de sua mediunidade transcendente, absorve a mensagem do legionário dos céus a quem se deu o nome de Gabriel, o anjo do Senhor. O nascimento de Jesus foi anunciado por vias mediúnicas, o que nos ensina Roustaing:

"Em comunhão espiritual com os Espíritos do Senhor, mas submetida à lei da encarnação material humana tal qual a sofreis, médium inconsciente, ela recebeu, como médium vidente, audiente e intuitivo, no sentido de ter consciência do ser que se lhe apresentava, a predição que lhe era feita. Sua inteligência, entorpecida pelo invólucro material, não se achava em estado de lembrar-se. É o que explica tenha feito sentir ao anjo, ou Espírito, a impossibilidade de conceber durante a virgindade". (Roustaing, Os Quatro Evangelhos, Tomo I, pág. 156).

Mas a virgem não possuía a mesma condição espiritual que seu filho, apesar de já naquela época pertencer à falange de espíritos evoluídos. Quando o anjo Gabriel aparece para Maria e lhe anuncia que ela receberia Jesus como mãe, surge em sua mente a seguinte pergunta:

“Então Maria perguntou ao anjo: “como será isso, uma vez que não conheço homem?” (Lucas: 34).

Esta indagação demonstra que Maria não possuía condições de entender de pronto todas as situações que caracterizavam a sua missão. Apesar de ser ela Espírito elevado, estava entorpecida pela encarnação, e não podia manifestar a mesma lucidez que seu filho. Ele sim, ciente de sua missão a todo tempo, tem pleno conhecimento de todas as nuanças do processo. Maria necessitava da revelação do anjo Gabriel para colaborar com o nascimento. Jesus, ao contrário, não precisava destes recursos, e manipulava ele mesmo, por exemplo, as forças que constituíram sua veste material.

Mas o fator fundamental deste contexto é a revelação de que Maria posicionou-se em estágio de extrema aceitação. Apesar de ter sido preparada no plano espiritual para receber o menino Jesus, sua tarefa não foi fácil ou simples como poderíamos concluir em uma análise prematura ou superficial da história.

O fato de Maria ser dotada de alta evolução espiritual não a privava de estar submetida às leis físicas características de mundos atrasados como o nosso. Ao contrário, era-lhe mais penoso viver aqui, especialmente pela incompatibilidade vibracional entre ela e o ambiente grosseiro. Tendo que mergulhar na matéria densa, submeteu-se ao esquecimento temporário das realidades espirituais, e por isso necessitava da revelação do anjo.

Fosse outra a sua condição moral e a decisão de aceitar os desígnios de Deus, poderia ela ter se revoltado contra o anúncio de sua gravidez atípica, desprovida de concepção carnal. E veja-se que, para uma menina tão nova, entregar-se ao desconhecido só poderia demonstrar bravura de alma. Por isso reafirmamos que não poderia ter sido outro Espírito que por aqui vivia o portador desta responsabilidade. Foi escolhida propositadamente não somente pelo seu grau de evolução, mas também por ter aceitado decididamente a sua tarefa.

Teve que entregar-se em fé à sua missão. Talvez poderia ela ter pedido ao anjo outras provas do acontecido, aconselhar-se com os mais velhos sobre a natureza da situação, ou até mesmo requerer a Gabriel um tempo para pensar e entender o que seria aquela gravidez. Nada disso lhe passa pela mente.

Após uma breve pergunta, aceita, incondicionalmente, o que o anjo lhe pede, e segue, sem pestanejar, as recomendações vindas do céu.

Teve que enfrentar ainda as possíveis dúvidas que surgiriam em seu esposo. Como José aceitaria estes fatos? Como poderia ela explicar que sua gravidez era fruto do sobrenatural, e que tinha permanecido virgem? Não seria considerada adúltera por aparecer grávida sem ter se entregado intimamente a José? Mesmo com a aparição do anjo a José mais tarde, explicando-lhe o que havia de se dar, analisemos que no momento da aparição à Maria esta dúvida poderia ter lhe tomado conta dos pensamentos. Naquela época, a mulher adúltera poderia facilmente ser levada ao apedrejamento, como existem relatos destes exemplos no próprio Evangelho. E diante de todas estas possibilidades, temendo por sua integridade física e moral, a virgem poderia ter recuado. Nada disso. Não pensava ela em sua reputação ou desejava se privar ao sofrimento.

Aceita a ordem do alto e segue confiante o seu destino. Se fosse menos evoluída, portadora de menor fé ou se estivesse mais próxima de nós, talvez houvesse falhado. Não foi esta a sua escolha, e a sua elevação moral também não apontava para esta direção.

Este momento de aceitação que poderia passar desapercebido aos leitores da história, reveste-se da mais profunda importância espiritual. E se Maria, neste momento do anúncio do anjo, recusasse receber Jesus como filho? Alguns poderiam tentar solucionar o problema dizendo que seria escolhida outra mãe para esta função.

Ora, já transcrevemos acima citações dos Espíritos Emmanuel e Áureo afirmando que Maria era o maior dentre todos aqueles missionários que vieram auxiliar o Cristo. Sua escolha não foi despropositada, e a partir dela que se desenvolveram os processos magnéticos espirituais que caracterizaram a passagem do Nazareno pela Terra. Se naquele momento houvesse recusa por parte da Mãe de Jesus, o desenvolvimento da missão salvadora necessitaria de outro Espírito daquela categoria. Mas onde encontrá-lo aqui na Terra, se ela era o maior de todos os missionários do Cristo? Teria-se que arquitetar outros planos para consecução do Evangelho.

A ressonância existente entre a futura grávida e o Anjo eram extremas, conforme se observa nesta passagem, nas palavras de Maria.

"O fato é que ali estava ele. Belo e luzidio, doce e cheio de paz. Nunca me ocorreu que fosse um enviado do Maligno, pois a paz que dele emanava era representativa apenas de Deus. (...) Essa mesma paz, a de Deus, encontrava profundo eco em mim. Sua paz e minha paz se entrelaçavam, como se em meu interior nunca tivesse existido outra coisa senão a harmonia divina, uma paz semelhante a que esse mensageiro do Senhor emanava". (Santiago Martín, O Evangelho Secreto da Virgem Maria, pág. 18).

O que indica esta grande correspondência de vibrações, mesmo diante de uma situação inesperada, fenômeno mediúnico a que a virgem não estava acostumada nesta vida? Podemos concluir que Maria aceita e trabalha por sua tarefa não só no plano espiritual, mas permanece firme em seu propósito em todos os momentos de sua encarnação Terrena. A sua ressonância com o Anjo demonstra que ela estava continuamente preparada para ser a mãe de Jesus, tanto que não foge do encontro incomum. Ao contrário, sente toda aquela vibração de paz e se entrega ao momento revelador.


Miramez

Do livro Maria de Nazaré, de João Nunes Maia, pelo Espírito Miramez.