Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sábado, 24 de janeiro de 2015

O mal e o remédio


Noite de quarta feira, 19:30 horas, duas pessoas dispostas a encontrar uma forma de viver melhor, uma dupla disposta a impregnar o mundo de ternura. Foi assim que aconteceu mais uma reunião de nosso grupo. O tema de estudo do dia? O mal e o remédio. Mais uma vez, o texto se apresentava de autoria de Santo Agostinho.

Ao desenrolar da leitura a gente vai começando a estruturar algumas conclusões sobre o estudo. E interpretamos que o sofrimento, ao invés de ser uma desgraça, constitui a oportunidade dada por Deus para corrigir nossos erros. Na fé encontramos o remédio seguro do sofrimento. Ela nos permite ver que as maiores dores de hoje são o prenúncio da felicidade que nos aguarda amanhã. E quando sentimos dores, procuramos remédios para os males que nos afligem. E qual seria esse remédio? E a resposta vem nas linhas seguintes. Afirmando que a fé é o remédio seguro para o nosso sofrimento, mostra sempre os horizontes do infinito, diante dos quais pouco representa os maus dias do presente. Já que todo aquele que crê é forte pelo remédio da fé e aquele que duvida é punido pelas angústias das aflições.

E durante as linhas que se mostravam, uma nova indagação surgia: Como conseguir tal medicamento? E percebemos que só é possível pelo estudo de nossos pontos fracos, analisando nosso comportamento e reações, pela prática incessante do bem, como roteiro de vida. O enfermo descrente da ação de todos os remédios é o primeiro a trabalhar contra o próprio restabelecimento.

Assim, o texto mostra que aquele que sofre e tem fé ficará sob a égide do Senhor e sofrerá menos. Os momentos das mais fortes dores lhe serão as primeiras notas de alegria na eternidade. Já que a fé representa dever de raciocinar com responsabilidade de viver.

Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo [Cap. V - v. 19]