Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Desencarnações Coletivas (Emmanuel)

Desencarnações Coletivas (Emmanuel)

Sendo Deus a Bondade Infinita, por que permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos dos grandes incêndios?

(Pergunta endereçada a Emmanuel por algumas dezenas de pessoas em reunião pública, na noite de 23-2-1972, em Uberaba, Minas).

RESPOSTA:

Realmente reconhecemos em Deus o Perfeito Amor aliado à Justiça Perfeita. E o Homem, filho de Deus, crescendo em amor, traz consigo a Justiça imanente, convertendo-se, em razão disso, em qualquer situação, no mais severo julgador de si próprio.

Quando retornamos da Terra para o Mundo Espiritual, conscientizados nas responsabilidades próprias, operamos o levantamento dos nossos débitos passados e rogamos os meios precisos a fim de resgatá-los devidamente.

É assim que, muitas vezes, renascemos no Planeta em grupos compromissados para a redenção múltipla.

*

Invasores ilaqueados pela própria ambição, que esmagávamos coletividades na volúpia do saque, tornamos à Terra com encargos diferentes, mas em regime de encontro marcado para a desencarnação conjunta em acidentes públicos.

Exploradores da comunidade, quando lhe exauríamos as forças em proveito pessoal, pedimos a volta ao corpo denso para facearmos unidos o ápice de epidemias arrasadoras.

Promotores de guerras manejadas para assalto e crueldade pela megalomania do ouro e do poder, em nos fortalecendo para a regeneração, pleiteamos o Plano Físico a fim de sofrermos a morte de partilha, aparentemente imerecida, em acontecimentos de
sangue e lágrimas.

Corsários que ateávamos fogo a embarcações e cidade na conquista de presas fáceis, em nos observando no Além com os problemas da culpa, solicitamos o retorno à Terra para a desencarnação coletiva em dolorosos incêndios, inexplicáveis sem a reencarnação.

*
Criamos a culpa e nós mesmos engenhamos os processos destinados a extinguir-lhe as conseqüências. E a Sabedoria Divina se vale dos nossos esforços e tarefas de resgate e reajuste a fim de induzir-nos a estudos e progressos sempre mais amplos no que diga respeito à nossa própria segurança.

É por este motivo que, de todas as calamidades terrestres, o Homem se retira com mais experiência e mais luz no cérebro e no coração, para defender-se e valorizar a vida.

*
Lamentemos sem desespero, quantos se fizerem vítimas de desastres que nos confrangem a alma. A dor de todos eles é a nossa dor. Os problemas com que se defrontaram são igualmente nossos.

Não nos esqueçamos, porém, de que nunca estamos sem a presença de Misericórdia Divina junto às ocorrências da Divina Justiça, que o sofrimento é invariavelmente reduzido ao mínimo para cada um de nós, que tudo se renova para o bem de todos e que Deus nos concede sempre o melhor.

(Transcrito do livro: XAVIER, Francisco C. Autores diversos. Chico Xavier pede licença. S.Bernardo do Campo: Ed. GEEM. Cap. 19).

domingo, 27 de novembro de 2016

QUEIXAS


Fazer as oposições: queixa versus aceitação

Fundamentar o tema na epístola de Tiago, 5:9. “Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados”.

Esclarecer que para estabelecer a ordem em si mesmo, para a recepção dos recursos celestes, o homem precisa evitar a queixa constante, que dificulta a sintonia com o mais alto.

Ilustrar com: “Pequena história”. In: Alvorada cristã de Neio Lucio


Bibliografia para apoio do planejamento

Allan Kardec. O Livro dos Espíritos. Livro IV, cap. I, 920 a 922.
__________  O Evangelho Segundo o Espiritismo, V, 18: Bem e mal sofrer.
Emmanuel. Caminho, Verdade e Vida. "Nuvens", mens. 32.
________  Caminho, Verdade e Vida."Tempo de confiança", mens. 40.(Fé)??
________  Palavras de Vida Eterna. "Queixumes",mens. 100.
________  Bênção de paz. "Da segurança íntima", mens. 33.
________  Vinha de luz. "Obediência construtiva", mens.126.
________  Justiça Divina. "No campo do espírito", pág. 69.
________  Segue-me. "Reclamar menos", pág. 153.
Joanna de Angelis. Messe de amor. "Queixas", mens. 8
_______________ Messe de amor. "Reclamação e esforço", mens. 20.
Kelvin Van Dine. Técnica de viver. "Tire férias de você".
Jacob Melo. O lado positivo de tudo."Regras básicas", mens. 77.
_________  O lado positivo de tudo. "A parte pior", mens. 64.

Sem queixas, nem lamúrias

Sem queixas, nem lamúrias

E aí, tudo bem? E a pessoa começa a desfiar um rosário. Já começam a contar e desvalorizar todas as mazelas da vida.  Valorizam todas as dificuldades, como se o outro fosse uma analista, não um amigo.

Na Carta de Paulo aos Filipenses, no cap 2:14 Ele diz: “Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas”, Nessa nossa tradução está assim: Fazei tudo sem protestar nem discutir. Mas a mensagem é a mesma.

Nós gostamos de sofrer, gostamos de ser os coitadinhos, atrairmos as bênçãos dos outros. Fazemos chantagem emocional. Vamos valorizando nossas dores, nossos trabalhos, nossas pequenas tragédias do dia a dia. Parece que queremos ganhar o troféu de sofredores mor!

Em salas de espera de consultórios de médicos parece que há uma disputa para ver que sofre mais.
Vem uma pessoa e diz que tem uma dor, a outra já valoriza a dor mais ainda, e assim vai se aumentando a dor, as doenças.
Reclamamos das dores no estomago, mas continuamos a comer aquelas mesmas comidas, não mudamos nossos hábitos.
Reclamamos das dores na coluna, nas juntas, mas continuamos com nossa vida sedentária, sem procurar nos exercitar. Caminhar.

Já imaginaram uma escola onde os alunos só soubessem reclamar sobre o que tinham que aprender? O pior é que geralmente é assim mesmo, essa criançada reclama bastante, reclama por que tem que estudar, por que tem que acordar cedo, por que tem tarefas a fazer, reclamam, reclamam... e com quem que aprendem? Com os pais. Conosco.

E muitas pessoas ainda culpam os espíritos pela sua dor. Culpam os obsessores, só que esquecem que esses obssessores vem por sintonia, nós atraímos sofredores com nosso próprio sofrer. Os espíritos só potencializam o que já temos dentro de nós; tanto as coisas boas como as ruins.

Queixar-se uma, duas até 3 vezes é compreensível, mas lastimar-se todos dias e  continuar sem qualquer esforço para melhorar a situação pode transformar-se em atitudes compulsivas, gerando mais enfermidade e perturbação.

Quando vamos alimentando essas enfermidades vamos valorizando-as cada vez mais, vamos dando uma força para elas que não teriam normalmente, quando alimentamos alguma coisa o que acontece? A coisa cresce, cresce. As plantinhas boas demoram a crescer, mas as ervas daninhas crescem muito mais rápido, com muita força.

Torna-se um hábito, um vício!

Paulo ainda em outra carta, aos Efésios, 4:29 diz:  “Não saia de vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação para que dê graças aos que a ouvem.” E completaríamos: para que de graças aos que as dizem. Quando falamos coisas boas, somos os primeiros a ouvir. As palavras podem elevar ou derrubar. Podem construir ou destruir, depende de quais palavras nós escolhemos dizer.

Farpas precisam ser retiradas não aprofundadas.


A tristeza é um choque sobre um fato que nos decepciona. A angustia é o estabelecimento dessa dor. È a mão de aço apertando seu coração. Há dois tipos de tristeza: A tristeza construtiva aquela que nos impulsiona para vida superior, encaminhando-nos para o trabalho, para a ascensão. E a outra que nos paralisa que mergulhamos e vamos afundando cada vez mais. Cada vez que comentamos nossos problemas, exagerando-lhes o tamanho ou dramatizando as dificuldades estamos afastando de nós mesmos os nossos melhores amigos, através da amargura e do ressentimento que destilamos com nossas palavras.

Em uma outra carta de Paulo, essa aos Tessalonicenses, no capitulo 5:16 diz: Alegrai-vos sempre, orai sem cessar, daí graças por tudo. É isso que Deus quer de nós.
 
Será que conseguimos passar um dia sem fazer nenhuma reclamação? Como reclamamos... Se fizer sol, é por que está sol e não chove, se chove, por que chove, se está frio, por que está frio, e por aí afora, reclamamos de tudo, de todos.
 
Tem gente que anda com aquela nuvenzinha cinza na cabeça.

Sofrimento é causado pela rebeldia, pela não aceitação da situação. Quando aceitamos o momento que estamos passando como um aprendizado e que ao passar, por que vai passar, quando menos esperamos já passou, fica mais fácil passarmos por um aprendizado, do que por um problema, é questão de colocação das palavras. Nós podemos fazer a nosso favor ou contra.

O copo pode estar meio cheio ou meio vazio.

Queixa inútil ou auto-piedade não edificam. Todo minuto de queixa é minuto perdido, arruinando potencialidades para a solução dos problemas.
Ouvimos um diretor falando esses dias: Tragam-me soluções, os problemas eu já sei.
As pessoas tem a tendência a reclamar, mas dificilmente apresentam as soluções. Seja no trabalho, em casa, na escola, em qualquer associação que se encontrem.


A palavra é prata o silencio é ouro! As palavras têm força. As palavras são nossos pensamentos em voz alta, dizem que falamos aquilo que nos temos dentro do coração. Se falarmos só sobre tristeza, doenças, males é só isso que temos dentro de nós? As palavras vão reforçando cada vez mais as situações que a originaram, se falamos só de doenças, é de doenças que vamos construindo o mundo a nossa volta.



Ninguém desfaz a treva sem luz. A luz penetra em ambientes por mais densos que estejam


Mudar o posicionamento diante das mazelas da vida. Se estivermos tristes não vamos ficar amargurados, ouvindo musicas de fossa, mais tristes vamos ficando. Vamos procurar ouvir musicas que elevem a nossa alma, vamos ler coisas que edifiquem, nada de ler aquelas tragédias nos jornais.
Vamos nos vestir de cores alegres. Vamos procurar pessoas que nos elevem o astral. Ninguém gosta de gente reclamona. Não adianta ficar reclamando, as pessoas não tem como solucionar nossos problemas e ainda acabam se afastando de nós.


Cartolina ---- ponto preto. É o que chama a atenção, por menor que ele seja.

Minutos de sabedoria 120

MDS 120
FV 43,102
C 4 e 21
CVV 45
VL 118
SV 17
RC 56

Problema de Queixas

    Problema de Queixas

    Tenho aqui sua consulta,
    Meu caro Raimundo Seixas;
    Você pede opinião
    Quanto ao problema das queixas.

    Sem rodeios sobre o assunto,
    Posso afirmar, meu irmão,
    Toda queixa, quase sempre,
    É conversa gasta em vão.

    A gente chora, reclama,
    No entanto, o caso é sabido:
    Lamentação sem trabalho
    É voz de tempo perdido.

    cada pessoa recebe
    Certo serviço a fazer,
    Somos nós servos da vida,
    Cada qual em seu dever.

    Se o espírito é rebelde,
    Perante o mínimo encargo,
    Inclina-se para a fuga
    Começando em verbo amargo.

    Lastima-se contra o tempo
    Em tudo, seja onde for,
    Censura-se o pó, a pedra,
    O vento, o frio, o calor...

    Mas nessa história de queixas,
    Você pode registrar:
    Quem caminha reclamando
    Principia a piorar.

    Dever é um fardo do Céu
    E a quem o vote a desprezo,
    Surge uma lei vigorosa
    Impondo ao fardo mais peso.

    Parece que Deus nos cede
    Uma cruz de dons extremos,
    Fugindo a ela, encontramos
    As cruzes que merecemos.

    Você recorda o Alexandre,
    Clamava contra chefias...
    Depois, ficou sem trabalho
    Por mais de quinhentos dias.

    Chorando quatro cruzeiros,
    Saiu Antonico Brotas,
    Vindo logo a tromba dágua
    Levou-lhe o colchão de notas.

    Reclamando anel perdido,
    A irada Dona Rosenda,
    Transportando vela acesa,
    Incendiou a fazenda.

    Ao queixar-se contra a esposa,
    Laurindo da Conceição
    Atirou dez mil cruzeiros
    Na fogueira de São João.

    Zangando-se contra a chuva
    Dona Liquinha Pastura,
    Ao correr, teve uma queda
    De quatro metros de altura.

    Penso hoje, caro irmão,
    Pelas provas que já vi:
    pessoa, em se queixando,
    Perde o controle de si.

    Após a morte do corpo
    É que se vê quanta gente
    Lastima o tempo perdido
    Ao zangar-se inutilmente.

    Anote o caso em você,
    Em você e em derredor:
    Na vida de quem se queixa
    A vida fica pior.

    Se você quer ser feliz
    Na terra e no Mais Além,
    Trabalhe, siga e prossiga
    Sem se queixar de ninguém.

Terapia Anti Queixa


Roosevelt Tiago, renomado escritor e palestrante, lança o livro Terapia Anti Queixa
Lamento, desgosto, ressentimento. Estas são as definições da palavra queixa. Por si só já indicam um estado desagradável, perturbado, e trazem consigo o agravante de contaminar o ambiente, prejudicar pessoas com o pessimismo e com uma certa pressão emocional. É tão ruim que só pode mesmo gerar outro lamento.

Tais sentimentos tiram a espontaneidade das relações, dificultam o fluir natural da vida e criam enormes obstáculos para o êxito dos empreendimentos. Como indica Caetano Veloso na música que tem exatamente o mesmo título, a queixa “(...) é o avesso de um sentimento, um oceano sem água (...)”. Pior é que pode se transformar num hábito, num comportamento que a pessoa nem percebe, tornando-se um reclamão, um queixoso contumaz, tornando-se desagradável e muitas vezes inconveniente.

É comum, inclusive, que onde estão os queixosos contumazes, aqueles que não vigiam o verbo, nem o comportamento de reclamar, acusar ou contestar por capricho e nunca para colaborar, o ambiente torna-se pesado, dificultando as iniciativas.

As adversidades na vida são naturais, na verdade autênticos degraus de amadurecimento e crescimento pessoal. Necessário encarar os obstáculos como verdadeiros mestres que nos ensinam a viver. Então, pode-se perguntar: reclamar resolve, muda alguma coisa? Queixar-se pode colaborar para a harmonia na convivência e para o equilíbrio pessoal? Claro que não! A queixa por hábito apenas é inútil e nociva.
Claro que há situações que ela poderá ser útil, mas é preciso ponderar justamente para não adquirirmos o feio hábito de simplesmente queixar-se de tudo, pois aí seremos os eternos descontentes, o que é lamentável diante das próprias perspectivas diárias.

Roosevelt Tiago, renomado escritor e palestrante, atento a essas ocorrências, lançou, com muita propriedade, seu novo livro Terapia Anti Queixa.

Notem os leitores a oportunidade do título. Dá para imaginar o conteúdo convidativo para vencermos essa tendência perniciosa de queixar-se por tudo ou por nada. O livro, todo ilustrado, traz exemplos e reflexões notáveis, tem prefácio do grande maestro João Carlos Martins – que teria todos os motivos para queixar-se e soube superar as adversidades que enfrentou –, está todo ilustrado e, óbvio, traz a visão que esclarece e conduz para refletir sobre a grave questão.

O título é bom, o conteúdo é muito oportuno e só de ver a obra já temos a sensação agradável dos benefícios de levantarmos a cabeça com coragem e determinação diante das situações adversas. Autêntica terapia mesmo! Lançamento muito oportuno para presentear e refletir. Solicite seu exemplar pelo fone 0800 770 2200 ou pelo site www.solidumeditora.com.br

QUEIXAS

QUEIXAS - estudos do dia 07-01-2012





  QUEIXAS
07/01/2012
“Irmãos, não se queixem uns contra os outros, para que vocês não sejam condenados”.

Tiago 5:9

Adaptação da mensagem de Emmanuel recebida por Francisco Cândido Xavier
Grupo Espírita Cristão "Irmãos do Caminho"
As mensagens podem ser acessadas no blog:  http://gecirmaosdocaminho.blogspot.com/

Livro: Vinha de Luz
Item:  118

A queixa nunca resolve problemas para o progresso espiritual, entretanto, se os aprendizes do Evangelho somassem os minutos desperdiçados nessa falsa ideia de desabafo, iriam se admirar do volume de tempo perdido.
Realmente, muitos trabalhadores valiosos não se referem a sofrimento e serviço, com espírito de não aceitação pela tarefa que a eles foi encarregada.
A amizade e a confiança sempre permitem confidências; porém, mesmo nesse ponto vale disciplinar a conversação.
A palavra lamentosa desfigura muitos quadros nobres do caminho, além de anular grande parte de energia, inutilmente.
O discípulo do Evangelho deveria, antes de qualquer referência amargosa, tranquilizar seu mundo interno e perguntar a si mesmo: "Queixar por quê? Não será o campo de aprendizado um campo de luta? Acaso, não é a sombra que pede luz, a dor que reclama alívio? Não é o mal que pede o auxílio do bem?".
A queixa é um vício que nem percebemos e que distrai pessoas bem-intencionadas para realizar o dever justo.
Existem obrigações pequeninas e milagrosas que, se forem realizadas, beneficiariam grupos inteiros; entretanto, basta um momento de queixa para que sejam esquecidas de vez.
Se alguém ou algum acontecimento oferecer a você oportunidade para a ajuda aos outros, faça o bem que puder sem reparar a gratidão das pessoas e, por mais duro pareça a você o serviço comum, aprenda a cooperar com o Cristo, na solução das dificuldades.
A queixa não atende o que reclama o amor cristão, em parte alguma, e complica todos os problemas. 
Lembre-se de que se você der sua língua à queixa, será conduzido por ela ao nada fazer e, se você lhe der atenção, será encaminhado por ela à perturbação.


Orientação do Pai Tomé em 05/04/1997 – Aprender a Agradecer

[Vinha de Luz – item 118 – Queixas]


Aprendendo a agradecer ele está aprendendo a deixar de se queixar de tudo e de todos e ele já está ganhando a paz que Nosso Senhor Jesus Cristo se referiu ao nos dizer: “Não vos dou a paz do mundo mas vos dou a paz de Deus”.
Esta é uma disciplina que precisamos, com carinho e humildade, colocar para nós mesmos, pois aquele que se queixa apaga a luz, mas aquele que abençoa acende a luz ao seu derredor.

RECLAMAR É FÁCIL DEMAIS


Dê um passo adiante na sua vida:
Pare de reclamar!
Se você tem um direito que foi negado, entre com uma apelação.
Se perdeu um emprego e achou injusto, entre com a renovação, busque uma nova colocação.
Se perdeu uma oportunidade de ficar calado, e falou além da conta, entre com um pedido de desculpas.
Se perdeu o ônibus, caminhe um pouco, peça carona, ligue e avise que vai se atrasar.
Vale tudo, menos reclamar.
A reclamação quase sempre atrai "queixas e queixosos", parece um círculo vicioso, que acaba envolvendo as pessoas.
Tem gente que já acorda reclamando!
Reclama do frio, do calor, da chuva, do sol, da praia, do campo e da montanha.
Reclama dos olhos que são verdes, e queria tanto que fossem azuis...
Reclama da comida, dos pés chatos, da barriga que é assim, dos seios que não é assado, dos cabelos que são ondulados, cacheados ou lisos demais.
E de tanto reclamar, acabam assistindo a vida passar...
Não participam, ou se participam, é com mais reclamação.
Para você que adora reclamar, fica a certeza de que é preciso "amar".
Quem ama, tudo compreende, tudo faz sentido, se revela.
Reclamar é desconhecer a sua própria capacidade, deixar de lado sua capacidade.
Reclamar é ato de rebeldia com o Criador, reclamar é o próprio desamor.
Ame-se!
Vamos parar de reclamar,descruzar nossos braços e agir mais!!!!
reclamar é fácil, difícil é fazer...Os braços cruzados nada produzem....

Queixas

118 - Queixas


"Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados." - (Tiago, 5:9).

A queixa nunca resolveu problemas de ordem evolutiva, entretanto, se os aprendizes do Evangelho somassem os minutos perdidos nesse falso sistema de desabafo, admirar-se-iam do volume de tempo perdido.

Realmente, muitos trabalhadores valiosos não se referem a sofrimento e serviço, com espírito de repulsa à tarefa que lhes foi cometida.

A amizade e a confiança sempre autorizam confidências; mesmo nesse particular, contudo, vale disciplinar a conversação.

A palavra lamentosa desfigura muitos quadros nobres do caminho, além de anular grandes cotas de energia, improficuamente.

O discípulo do Evangelho deveria, antes de qualquer alusão amargosa, tranquilizar o mundo interno e perguntar a si mesmo: "Queixar por quê? Não será a esfera de luta o campo de aprendizado? Acaso, não é a sombra que pede luz, a dor que reclama alívio? não é o mal que requisita o concurso do bem?"

A queixa é um vício imperceptível que distrai pessoas bem-intencionadas da execução do dever justo.

Existem obrigações pequeninas e milagrosas que, levadas a efeito, beneficiariam grupos inteiros; todavia, basta um momento de queixa para que sejam irremediavelmente esquecidas.

Se alguém ou algum acontecimento te oferece ocasião ao concurso fraterno, faze o bem que puderes sem reparar a gratidão alheia e, por mais duro te pareça o serviço comum, aprende a cooperar com o Cristo, na solução das dificuldades.

A queixa não atende à realização cristã, em parte alguma, e complica todos os problemas. Lembra-te de que se lhe deres a língua, conduzir-te-á à ociosidade, e, se lhe deres os ouvidos, te encaminhará à perturbação.

A QUEIXA FAZ DE VOCÊ UM CHATO

A QUEIXA FAZ DE VOCÊ UM CHATO
         

               De geração em geração ouvimos as pessoas esbravejarem contra a situação do país. A velha cartilha é adotada por nossos avós que cultivaram o mesmo cântico das avaliações negativas. Nossos pais correspondem com louvor ao DNA da queixa.
                E nós fazemos nossa parte para preservar a herança familiar. E um dia, para nossa surpresa, encontramos nossos herdeiros na mesma situação. Por isso, a reclamação é perigosa, afinal torna-se uma herança comportamental transmitida pela má educação geralmente oferecida pelo exemplo.
                Portanto, sabemos muito bem que reclamar faz parte da vida de todos nós. Uma queixa, de vez em quando, talvez até ajude a movimentar o organismo e a dar mais liberdade ao espírito. Mas, daí a nos transformarmos num viciado comportamental e passar a existência anunciando desgraças, desventuras e tristezas, vai uma longa distância.
                Quando a reclamação vira mania, escapa do controle, deixa de se restringir aos limites estreitos da aceitação, ultrapassa fronteiras e se transforma num tipo de praga que vais se alastrando por onde passa.
                A doença é contagiosa. Quem der ouvidos a este hábito, dia mais cedo, dia mais tarde, começa a fazer parte do time. Sem perceber, se transforma em arauto das misérias da vida.
                Devemos ficar atentos, afinal, este vício se instala sem que sintamos e, quando menos percebemos, adotamos esta personalidade automaticamente.
                A vida nunca foi e jamais será feita só de flores perfumadas e notícias boas mas, se quisermos, poderemos colocar um pouco mais de luz na escuridão e enxergar um futuro melhor, independente das dificuldades enfrentadas, baseados no fato de que nada ocorre por acaso.
                Quando sofremos e não modificamos nossa postura diante da vida é que na verdade ainda não sofremos o bastante, não chegamos em nosso limite, não ficamos saturados da situação atual. E daí, para que a consciência da necessidade da mudança se instale é questão de tempo e, neste caso, cada um tem o seu.
                Quanto mais rápido amadurecemos, mais cedo despertamos.


Do livro: Terapia Antiqueixa – Roosevelt Andolphato Tiago

Queixas


Se alguém queixar-se da vida a seu lado,
responda com palavras de encorajamento.
Não aumente o peso a quem
já sente demasiado o peso que carrega.
Se alguém se lamenta da vida,
procure mostrar os lados bons e belos da existência.
Não contribua com suas próprias lamentações
para o desânimo do companheiro.
Reanime-o com esperança e com bom ânimo,
com palavras de incentivo e coragem.
Talvez desse remédio dependa a cura
de seu coração desalentado.

C. Torres Pastorinho
in: Minutos de Sabedoria