Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

domingo, 2 de outubro de 2016

A PARÁBOLA DO BOM SAMARITANO

A PARÁBOLA DO BOM SAMARITANO

http://espiritismo-piracicaba.blogspot.com.br/2013/01/a-parabola-do-bom-samaritano.html


“V. 29. O doutor da lei, porém, querendo parecer justo, perguntou a Jesus: E quem é o meu próximo? - 30. Jesus, tomando a palavra, lhe disse: Um homem, que descia de Jerusalém para Jericó, caiu nas mãos de salteadores, que o despojaram, o espancaram e se foram, deixando-o semimorto. - 31. Aconteceu que pelo mesmo caminho desceu um sacerdote, que o viu e passou de largo. - 32. Do mesmo modo, um levita, que também foi ter àquele lugar, viu o homem e igualmente passou de largo. - 33. Um samaritano, porém, seguindo o seu caminho, veio onde estava o homem e ao vê-lo se encheu de compaixão. - 34. Aproximou-se dele, pensou-lhe as feridas, deitando nelas óleo e vinho, colocou-o sobre a sua alimária e o levou para uma hospedaria, onde cuidou dele. - 35. No dia seguinte, tirou dois denários e os deu ao hospedeiro, dizendo: Trata desse homem; na minha volta te pagarei tudo quanto despenderes a mais. - 36. Qual dos três te parece que tenha sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? - 37. Respondeu o doutor da lei: O que para com ele usou de misericórdia. Pois vai, disse-lhe Jesus, e faze o mesmo.” Lucas cap. X, vv. 29-37.

INTERPRETAÇÃO

Que as bênçãos de Jesus iluminem os vossos corações.
Aqui estamos, mais uma vez, para participar do banquete divino que Jesus prometeu a todas as criaturas que os Seus passos seguissem.
Aqui estamos, Pai, humildes para recordarmos com amor os Vossos sábios ensinamentos, dando-lhes a percepção exata do que desejastes implantar no coração da humanidade sofredora.
Naqueles dias, o sentimento de piedade, compaixão eram considerados uma fraqueza de espírito. Ao mesmo tempo, eram permitidos os assaltos, os roubos que se faziam em plena madrugada, sem deixar vestígios e os próprios encarregados de defender a população temiam esses assaltantes sem punição.
Aquele homem dirigia-se a Jericó, quando foi assaltado e despojado dos seus bens.



Que representava este homem?
Representava todos nós que na estrada da vida caminhamos sofrendo, sendo assaltados, ludibriados e assim por diante.
Os assaltantes, todos vós sabeis, continuam despejando ao seu redor a morte, a impiedade, a maldade, a satisfação dos seus sentimentos negativos. E, assim, aquele homem despojado dos seus bens, foi atirado à estrada da vida.
É bom lembrar que a sua roupa também pode representar os bens e a honra que muitos em sua peregrinação pela Terra também perdem com o descrédito, com a desonra, com a falência.
Por que o Senhor lembrou-se de colocar em primeiro lugar o sacerdote?


Porque ele representa aquele ser que devia ter o seu coração pleno de amor, de caridade, de benevolência. No entanto, ele esqueceu seus compromissos assumidos e, temendo também ser assaltado, receando atrasar-se nas suas obrigações do Templo, passou ao largo, fingindo não ver a pobre criatura.
Depois, citou o Senhor o levita, aquele que tinha condições e meios de dar toda a assistência ao necessitado. Ele também por temor, descuido, lembrou-se apenas de si e seguiu o seu caminho.



Veio depois o samaritano, aquele que para comer teria que trabalhar. Os filhos da Samaria eram trabalhadores humildes, mas eram unidos entre si. Procuravam ajudar-se mutuamente e, por serem um pouco abandonados por seus irmãos terrenos, uniam-se para, assim coesos, não sentirem o peso daqueles que os relegavam a um segundo plano.
Esqueceu-se ele do temor dos assaltos e, de coração, atendeu o pobre homem machucado.



Prestou-lhe toda a assistência e ainda tirou da sua sacola as moedas que lhe assegurariam uns dias de assistência e de comida farta naquela hospedaria, dizendo também que voltaria para, caso o dinheiro não chegasse, completar para que nada faltasse àquele homem.
Meus irmãos, minhas irmãs, analisem este ato de bondade!
Não foi ele completo?
Se o samaritano o deixasse na hospedaria e seguisse o seu caminho teria sido caridade, mas não no setor amplo como a que foi feita. Ele pensou em tudo. Preocupou-se com a recuperação do homem e quis assegurar-lhe tudo de bem.
Este senhor que se preocupa assim, que aguarda a nossa volta é o Mestre, é Aquele que nos acompanha na caminhada terrena, zela por nós, consola-nos, ampara-nos, banha com o óleo do amor, os nossos corações, cuida das nossas feridas, essas feridas da alma, que nós mesmos criamos dentro de nós e eis que Ele tudo nos dá, a todos os instantes nos consola e promete retornar esperando pela recuperação de nossas almas, pelo reconhecimento dos nossos erros, prometendo sempre àqueles que, unidos, trabalharem no seu nome, a participação no seu reino de luz.



A Terra, meus irmãos, é esta hospedaria, é este apoio com que todos nós contamos, para a elevação dos nossos espíritos.
Procuremos nos transformar nesse bom samaritano que mereceu as graças do Senhor.
Cultivemos o bem, pratiquemo-lo para que possamos contribuir para a nossa felicidade e a dos nossos irmãos que, como nós, perambulam por este plano em busca da salvação.
Não nos transformemos em dogmáticos sacerdotes que apenas decoram orações, mas que não as aceitam e não as praticam.
Não sejam também criaturas vaidosas que, inebriadas pelo poder apenas cuidam e pensam em si próprios.
Lembrai-vos de que ninguém poderá bastar-se a si próprio.
Todos necessitam de uma mão amiga para lhes amparar nos momentos difíceis.



Todos, sem exceção, um dia serão atirados das mais rudes maneiras, à margem da sociedade para que tenham a sua lição de humanidade e aprendam a dar valor a todo aquele que lhe vier em nome de Deus.
Irmãos! Meditai sobre a parábola de hoje.
Espalhai esses ensinamentos, não importa a quem.
Não vos contenteis em ser apenas o bom advogado, que tudo queria saber, aprender, mas que guardaria tudo só para si.
Não vos preocupeis com o julgamento que de vós fizerem.
É necessário ter em mente apenas servir ao Senhor, trazer aos dias de hoje aquelas palavras que removeram montanhas, sacudiram templos, atiraram criaturas indefesas às feras, mas que venceram, porque traduziam amor, porque vinham banhadas pela luz da caridade.
Nenhum empecilho as impediu de vencer os séculos e, até hoje, estão elas vivas, prontas para serem lançadas à terra virgem, do coração do homem.
Que o Senhor Onipotente vos ilumine!
Que Jesus vos transforme num samaritano do amor divino!
Graças a Deus!

(Extraído do livro: As Divinas Parábolas – Autor: Samuel (Espírito), médium: Neusa Aguiló de Souza – Centro Espírita Oriental “Antonio de Pádua”, Recife, PE – 1982, p. 46-49)
 

Julio Flávio Rosolen, é espírita, membro da diretoria e da casa Sociedade Espírita Casa do Caminho de Piracicaba, é Coronel da Reserva do Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo e colabora com nosso BLOG ESPIRITA.