Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Os Inimigos Desencarnados

Os Inimigos Desencarnados

"O Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo XII, itens 5 e 6"

Estudo Espírita
Promovido pelo IRC-Espiritismo
http://www.irc-espiritismo.org.br
Centro Espírita Léon Denis
http://www.celd.org.br

Expositor: Rosângela Pertille
Rio de Janeiro
20/11/2002

Dirigente do Estudo:

Adriana

Mensagem Introdutória:

AJUDEMOS O INIMIGO

Tão necessário se faz o auxílio espontâneo aos inimigos, na preservação de nossa paz, quão imprescindível se torna a remoção apressada de um foco infeccioso, à nossa porta, a benefício da nossa própria saúde, isto que, alimentar o adversário é manter um núcleo de raios destruidores contra nós.

Todos somos distribuidores de cargas eletromagnéticas, geradas em nosso próprio ser.

A simpatia é corrente de auxílio que estendemos em nosso favor.

A antipatia é força asfixiante que lançamos em prejuízo próprio.

Toda energia projetada de nossa alma nos responde invariavelmente na reação de quem nos partilha as experiências.

Quem arremessa espinhos, improvisa chagas, cujas emanações lhe procuram a atmosfera pessoal. Quem semeia flores, recolhe o perfume da cooperação e da boa vontade...

Instalemos, dentro de nós, o legítimo discernimento que reconhece cada criatura em seu lugar e cada acontecimento no minuto que lhe é próprio. Protegidos por semelhante entendimento, não aguardaremos uvas do espinheiro, nem pediremos as graças da colheita ao campo que apenas exibe promessas de sementeira.

Quando a treva se desdobra em torno de nossos passos, não vale vociferar contra as sombras ou persegui-las inutilmente. Bastará acender uma luz para que a estrada se descortine novamente à visão.

Assim, pois, evitemos o cultivo do espinheiral magnético na infeliz manutenção de adversários que podemos relegar ao esquecimento, quando, de imediato não lhes possamos confiar o cântaro delicado do nosso amor.

Usemos o silêncio, a desculpa e a compreensão, como exemplo vivo do nosso próprio esforço na edificação do bem e o tempo se incumbirá de tudo transformar, em auxílio de nossa felicidade, dentro dos imperativos inevitáveis da constante renovação.

Emmanuel
Do Livro: Escrínio de Luz
Psicografia: Francisco Cândido Xavier
Editora: O CLARIM

Oração Inicial:

<Wania> Boa noite, amigos! Agradecendo ao Mestre, a oportunidade, de estudarmos Suas mensagens neste meio de comunicação, buscando a paz e o equilíbrio tão necessários aos nossos espíritos, rogamos ao Teu coração generoso, que nos auxilie a realização da tarefa da noite. Inspire, Senhor a amiga Rosângela, que conduzirá o tema da noite, amparando-a , envolvendo-a com o Teu amor infinito. Que a espiritualidade amiga, que coordena esta tarefa, fortaleça este ambiente, tornando-o mais um ponto de apoio, de esclareciemnto, para todos os amigos que aqui chegarem. Que seja em Teu nome, em nome de Cairbar Schutel, Gabriel Delane, mas sobretudo em nome de Deus, que possamos considerar iniciada mais uma noite de estudos do Evangelho.

Que assim seja!

Exposição:

<Rosangela_Pertile> Boa noite a todos! Que a doce e meiga paz do Senhor Jesus possa nos amparar as mentes e corações, para conhecermos mais e um pouco melhor, a sua Boa Nova.

O primeiro ponto a ser levantado no estudo da noite, é a Lei Divina ou Natural. Na pergunta 614 de O Livro dos Espíritos, Kardec pergunta aos Espíritos:

- Que se deve entender por Lei Natural?

E os Espíritos respondem:

- A Lei Natural é a Lei de Deus. É a única verdadeira para a felicidade do homem. Indica-lhe que deve fazer ou deixar de fazer E ELE SÓ É INFELIZ QUANDO DELA SE AFASTA"

O segundo ponto a ser levantado (após a lei Natural) é a imortalidade da alma. Ou seja, Deus, Pai de infinita bondade nos cria simples e ignorantes e IMORTAIS ou seja, todos aqueles que passam por nosso caminho têm sua parcela de contribuição para nosso aprendizado.

E por último, lembraremos o que diz A Gênese sobre o Bem e o Mal:

O MAL É CIRCUNSTANCIAL, ou seja, ele apenas é a ausência do bem.

Pegando nossos três ingredientes - Lei de Deus, imortalidade e ausência de Bem, vamos começar a conversar sobre nossos inimigos (encarnados ou desencarnados)

Muitas vezes, nas nossas variadas reencarnações, passamos por espíritos a caminho da perfeição (assim como nós) que por um motivo ou outro discordamos sobre um determinado ponto. Nosso orgulho e nossa vaidade não permite que esta contenda termine no diálogo aberto. Sucedendo a esta fase de discordância, surge a inimizade.

Já perceberam que muitas vezes temos inimigos que nem sabemos mais o porquê brigamos, ou que hoje em dia achamos boba a discussão?

Vamos reencarnando, formando um exército de inimigos e "colocando-os" no canto da consciência, sem lembrar das palavras de Cristo " reconcilia-te com seu inimigo enquanto estás a caminho" e depois da Lei da reencarnação ter seguido seu curso por milênios, lembramos da Lei de Ação e Reação e aí temos o cenário formado:

Nossos obsessores à nossa volta. Todos aqueles espíritos imortais e imperfeitos como nós, que no perder dos milênios, fomos alimentando ódios e rancores, aparecem em nossa jornada como nosso inimigo desencarnado.

Brigas, que muitas vezes começam pelo motivo mais fútil possível, é capaz de vir se arrastando por milênios. Muitas vezes nos sentimos injustiçados pela obsessão, mas esquecemos de que temos nossa parcela de culpa.

E o que devemos fazer?

Sabemos que a obsessão é um sistema complexo de sintonia e afinidade .Vamos à Casa Espirita tentar resolver esta questão. E quando saímos dela todos os sintomas voltam. Por que?

Simplesmente porque quando estamos dentro da Casa Espirita, somos envolvidos pela atmosfera de paz e harmonia, mas quando saímos, voltamos a pensar e a sintonizar com tudo aquilo que nos dá prazer, e ao obsessor também.

Quando "voltamos" à nossa vibração normal, ele nos identifica e volta a nos acompanhar. E como mudar isso?

O primeiro passo é a mudança de sintonia, ou seja, tentar melhorar nossos pensamentos e atitudes. Se são nos nossos vícios que eles se identificam conosco, tentemos mudar aos poucos esta identificação. Não podemos jamais esquecer que TODOS somos filhos do Mesmo Pai, que Ele está no comando deste Universo, e que suas leis são perfeitas.

Se lembram da Lei Natural? Só somos infelizes quando delas nos afastamos, e se sofremos a obsessão é que em algum momento da caminhada saímos do caminho do bem.

Devemos resgatar este passado que nos bate à porta, mas ao mesmo tempo, construir o futuro, sabendo que temos o apoio total e irrestrito do nosso Senhor Jesus, que sempre ouve nossos pedidos e que sabe quando queremos realmente mudar.

Oração Final:

<_Adriana__> Bons amigos espirituais que nos acompanham os trabalhos virtuais, agradecemos a inspiração constante e pedimos que nos ajudem a manter o estudo de hoje em alerta em nossas mentes, pois ele nos é um grande alerta mostrando a importância da vigilância e da boa sintonia. Agradecemos a Deus a vida que nos concedeu e a liberdade de crescermos cada um ao seu tempo, de forma única e individual. Que possamos ter nossos lares protegidos e nossos desafetos encobertos pelo manto do aprendizado regenerador!

Que assim seja!