Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sábado, 20 de agosto de 2016

O magnetismo como recurso terapêutico nos processos obsessivos


O magnetismo como recurso terapêutico nos
processos obsessivos

MARCELO BORELA DE OLIVEIRA
De Londrina

Quem estuda as obras basilares do Espiritismo, algo que segundo Divaldo Franco tem sido grandemente negligenciado em nossos dias, sabe que existem algumas situações em que a eficácia do magnetismo, como terapia psicossomática, pode ficar prejudicada e mesmo tornar-se nula.
Dentre elas, podemos citar como causas limitadoras da ação magnética:

A falta de fé ou de receptividade do paciente (Evangelho de Marcos, 6:2 a 6:6; Obras Póstumas, Manifestações dos Espíritos, itens 52 e 53; Nos Domínios da Mediunidade, cap. 17)
O comportamento inadequado do enfermo (Revista Espírita de 1865, pp. 205 e 206; Missionários da Luz, pp. 326 e 333)
A imposição da lei de causa e efeito (Mateus, 26:52; Revista Espírita de 1867, pp. 190 a 193; Revista Espírita de 1868, p. 85; O Céu e o Inferno, 2a Parte, cap. VIII, Um sábio ambicioso)
A natureza do mal ou enfermidade (Entre a Terra e o Céu, cap. 34; O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. 28, item 81; Revista Espírita de 1864, pp. 11 a 17; Revista Espírita de 1865, pp. 4 a 18 e Revista Espírita de 1866, pp. 348 e 349).

A cura de Valentine Laurent – Fixemo-nos na última causa citada, em que o Codificador do Espiritismo inclui os casos de obsessão, o que pode ser facilmente aferido consultando-se as obras mencionadas.
Na Revista Espírita de 1865, pp. 4 a 18, o sr. Dombre, de Marmande, relata as crises convulsivas experimentadas por Valentine Laurent, uma jovem que contava então apenas 13 anos. Essas crises, além de se repetirem várias vezes por dia, eram de tal violência que cinco homens tinham dificuldade de mantê-la na cama. Tratava-se de um caso obsessivo dos mais graves, produzido pelo Espírito de Germaine, como depois acabou revelado.
Valentine era sensível ao tratamento recebido do sr. Dombre por meio da imposição de mãos, mas, tão logo ele se afastava, voltavam as crises. O grupo dirigido pelo sr. Dombre evocou então a entidade perturbadora e iniciou uma série de sessões de doutrinação, com o que, depois de várias reuniões e de hábeis instruções transmitidas a Germaine, o processo obsessivo chegou ao fim e tudo se explicou.
Germaine, arrependida, pediu perdão à menina e disse que agora se sentia outra pessoa, porquanto a prece que derramaram sobre seu Espírito tornara sua alma mais limpa e extinguira sua sede de vingança. No dia seguinte, a conselho dos guias espirituais, o sr. Dombre fez com que Valentine adormecesse todos os dias pelo sono magnético, de modo a livrar-se completamente da ação dos maus fluidos que a tinham envolvido e, ao mesmo tempo, fortificar o seu organismo. É que, desde a libertação, a jovem experimentava mal-estar, incômodos do estômago, pequenos abalos nervosos, conseqüências do processo obsessivo.
Relatado o caso, Kardec indagou: “Para que teria servido o magnetismo se a causa tivesse subsistido?”
Era preciso primeiro – observou o Codificador - destruir a causa, antes de atacar os efeitos, ou, pelo menos, agir sobre ambos simultaneamente, sinalizando que o magnetismo, por si só, é incapaz de curar as obsessões graves.

O caso de possessão da srta. Júlia – Na Revista Espírita de 1864, pp. 11 a 17, após examinar o caso de possessão da srta. Júlia, Kardec reiterou o entendimento, hoje consagrado na Doutrina Espírita, de que naquele episódio e em todos os casos análogos o magnetismo simples, por mais enérgico que fosse, seria insuficiente. Segundo Erasto, em tais circunstâncias, é necessária uma ação material e moral e, ainda, uma ação puramente espiritual. Asseverou Erasto: “Isto vos demonstra o que deveis fazer d’agora em diante, nos casos de possessão manifesta. É indispensável chamar em vossa ajuda o concurso de um Espírito elevado, gozando ao mesmo tempo de força moral e fluídica, como o excelente cura d’Ars”.
O ponto essencial no tratamento da obsessão, observou Kardec, é levar o Espírito obsessor a emendar-se, o que necessariamente facilita a cura. E foi o que se fez, tanto no caso de Valentine como no caso de Júlia, com a indispensável doutrinação das entidades perturbadoras.
A participação do obsidiado,  fundamental para o êxito do tratamento, é também destacada por Kardec no cap. 28, item 81, de “O Evangelho segundo o Espiritismo” e por vários estudiosos do assunto, como podemos ver nas obras de Yvonne A. Pereira e Manoel Philomeno de Miranda.

*

À vista do exposto, preocupa-nos a introdução na prática espírita de mais um modismo – a chamada desobsessão por corrente magnética -, assunto que o confrade Cauci de Sá Roriz examina no artigo ao lado.


Desobsessão por corrente magnética. É possível

CAUCI DE SÁ RORIZ
De Goiás

Lemos atentamente o livro “Desobsessão por Corrente Magnética”, volume 1, de autoria do Maurício Neiva Crispim, Editora Auta de Souza, sobre o qual tecemos alguns comentários.
Preliminarmente, para se restabelecer a verdade, torna-se imperiosa uma retificação. Ao contrário do que o livro afirma, Eurípedes Barsanulfo jamais realizou reuniões de corrente magnética. O saudoso Gilson de Mendonça Henriques, implantador do método em Brasília, quando esteve em Sacramento, na década de 80, foi informado disso pelos parentes diretos de Eurípedes Barsanulfo, dentre eles o sobrinho, Saulo Wilson, ativo trabalhador da Doutrina. Eurípedes, quando muito, ao orar, permitia que os presentes dessem-se as mãos e nessas ocasiões não havia comunicação de Espíritos nem superiores, nem inferiores, nem tratamento, nem nada que sequer lembre a corrente magnética. Apenas uma doce e singela prece ao Senhor!

1) A proposta da corrente magnética parte de uma base falsa, qual seja, a de que o Espiritismo exista para “atender, na prática desobsessiva, a um grande número de pessoas” (pág. 19), sendo necessário “desenvolver e aplicar métodos voltados para as multidões” (pág. 88).
Ora, o trabalho mediúnico, conquanto a sua importância, é apenas uma atividade-meio da Doutrina. Privilegiá-lo dessa forma seria desatender a atividade-fim, a essência da Doutrina, que é conscientizar o homem da necessidade de promover a sua renovação íntima, incentivando-o a tomar a condução de seu destino, sabendo-se responsável por seus atos e pensamentos, como espírito imortal. Daí o imenso esforço empreendido pela Federação Espírita Brasileira no sentido de dotar as Casas Espíritas de bons grupos de evangelização da criança e do jovem e de cursos direcionados aos adultos. O estudo que leva ao progresso intelectual, aliado à prática da caridade ou evangelhoterapia, que conduz à evolução moral, é o ponto central da Doutrina. A reunião mediúnica é um mero adjutório desse objetivo maior e não a peça principal.

2) Na página 53 consta a informação que “corrente magnética desobsessiva nada mais é que a corrente magnética dos magnetizadores”. Não é! A corrente magnética dos magnetizadores visava exclusivamente a cura de males físicos. Não havia manifestação mediúnica. A corrente magnética apregoada no livro pretende a desobsessão, com a recepção, ainda que rapidamente, da entidade obsessora. A diferença de métodos e objetivos é absoluta.

3) O livro informa que Allan Kardec abordou a questão da corrente magnética, mas deixa de esclarecer que o significado do termo dado pelo codificador é completamente diverso do sentido dado pelo livro. Kardec, ao falar de corrente magnética, alude tão-somente à ligação fluídica existente entre os componentes, encarnados e desencarnados, de um grupo mediúnico e não a um método para desobsediar multidões.

4) Afinal de contas, o que é a corrente magnética versada no livro sob análise?
Sinteticamente, é um método de trabalho no qual um grupo de 2 a 50 médiuns (pág. 146), às vezes de mãos dadas, às vezes não (pág. 148), colocados próximos uns dos outros 30 a 45 cm (pág 154), atraem mentalmente os Espíritos imperfeitos que passam pelos médiuns em comunicações rápidas ao tempo em que o coordenador dos trabalhos, pausadamente, diz: “passe, passe, passe...” (pág. 169), determinando, depois, a retirada das entidades com as expressões “siga, siga, siga...” (pág. 170). Consta ainda a informação que “as expressões Passe e Siga, ditas pelo dirigente, funcionam como verdadeiros interruptores do circuito mediúnico” (pág. 175).

5) O autor informa: “Não queremos tirar a respeitabilidade dos métodos conhecidos. Queremos é avançar” (pág. 67) e que no decurso de mais de 20 anos já foram beneficiadas 500 mil pessoas (pág. 19). 500 mil O número é espantoso, mas não o colocaremos em dúvida. Uma coisa, porém, é certa, até mesmo para os idealizadores desse método, a sua eficácia consistiria apenas no afastamento temporário do obsessor. Idêntica eficácia têm os métodos geralmente utilizados pela umbanda e pela ultrapassada técnica médica do eletrochoque. Vamos adotá-los Na página 201 do livro está transcrita a recomendação de Manoel P. de Miranda: “somente a radical mudança de comportamento do obsidiado resolve, em definitivo, o problema da obsessão”.
Pergunta-se: Vale a pena envolver tanta gente, tanto esforço e tanto tempo na esperança de se obter apenas um afastamento temporário do obsessor Isso é avançar Não existiria algo mais efetivo e duradouro que possamos fazer em prol dos irmãos necessitados

6) Na página 105 informa-se que o método é o único auxiliar na terapia dos ovóides, porque eles não conseguem escutar a doutrinação verbal. Se é assim, então, não é método para desobsediar as multidões, mas apenas para atender especificamente aos ovóides. Ora, se os ovóides não ouvem a doutrinação verbal, para que as misteriosas palavras passe, passe e siga, siga Ou será que a ordem do coordenador encarnado é para os dirigentes espirituais

7) A partir da página 136 e repetidamente em outras páginas são relacionados os passos a serem seguidos pelos adeptos dessa corrente magnética, quais sejam:
1o passo: Expulsão de remanescentes diários; 2o passo: absorção de energias do plano superior; 3o passo: a união dos pensamentos dos médiuns e dos espíritos coordenadores e, 4o passo: os médiuns, em transes rápidos e seqüencialmente, recepcionam os espíritos e os bombardeiam com forças fluídicas e idéias renovadoras (pág. 437), podendo ocorrer vertigens, tremores, resmungos, gemidos etc. (pág. 455).
Para apresentar exemplos e informações quanto aos três primeiros passos não houve qualquer dificuldade. Transcreveram os preciosos esclarecimentos contidos nos livros da Codificação e das obras auxiliares referentes às respeitáveis e conhecidíssimas reuniões mediúnicas de doutrinação, nas quais, ressalte-se, um Espírito se comunica por intermédio de apenas um médium, sob intensa vibração de amor de todos os participantes. Não são novidade para ninguém.
Na página 450 o autor afirma ser o quarto passo “o que predomina nas ações da corrente magnética”. Então, para bem divulgar essa corrente, obrigatoriamente o livro deveria apresentar dados e explicações convincentes e conclusivas sobre essa fase. Nada disso é feito! As quase 600 páginas do livro limitam-se a repetir exaustivamente os três primeiros passos, já sobejamente conhecidos por todos, deixando de detalhar quanto ao quarto passo, que é, afinal, conforme diz o autor, a essência dessa corrente magnética. Não se penetra o âmago da questão.

8) Todos sabemos que a ligação do Espírito ao médium freqüentemente é realizada com dias de antecedência da reunião, objetivando vencer algumas dificuldades fluídicas entre os dois.
Seria possível a ocorrência de transes mediúnicos rápidos e seqüenciais em intervalo de 10 segundos, ou menos Como fica a lei da Afinidade e da Sintonia A obrigatoriedade de receber o Espírito não forçaria o médium a simular o transe, passando a gemer como os outros A Doutrina Espírita se baseia no ensino universal dos Espíritos. Não há dúvida quanto a isso. Por que o livro não menciona quais obras e quais Espíritos se pronunciaram de maneira clara e inequívoca sobre o quarto passo, ensinando-nos como ele se processa

Concluindo: Em respeito ao trabalho de Kardec e dos Espíritos da Codificação, seria bom que evitássemos trazer para as nossas Casas Espíritas toda e qualquer novidade que surja. É evidente que ninguém nos tira o direito, e talvez até o dever, de estudá-las em grupos fechados, reduzidos e específicos para esse fim, pesquisando-as em todas as nuances, ainda que leve mais de 20 anos, a fim de bem assentar as bases do trabalho. “Melhor é rejeitar dez verdades do que admitir uma única falsidade” (Erasto, em O Livro dos Médiuns, cap. XX, item 230, 6o parágrafo). Há uma montanha de questionamentos não esclarecidos sobre essa corrente. Os Espíritos ainda não enviaram orientação a respeito. Sejamos prudentes! Antes de implantarmos as novidades em nossa Casa, primeiro estudemo-las incansavelmente. Restando uma única dúvida é preferível aguardar o tempo. Melhor assim, do que comprometermos a Doutrina e a nós próprios.

Nota da Redação – O artigo ora transcrito foi publicado inicialmente na revista O ESPÍRITA, de Brasília-DF, e é aqui reproduzido com expressa autorização do seu Editor.


Participação do obsidiado na reunião de desobsessão

No artigo publicado neste mesmo espaço em outubro último, intitulado “O magnetismo como recurso terapêutico nos processos obsessivos”, escrevemos que a participação do obsidiado, fundamental para o êxito do tratamento, é também destacada por Kardec no cap. 28, item 81, de “O Evangelho segundo o Espiritismo” e por vários estudiosos do assunto.
Alguns leitores entenderam que no trecho mencionado estaríamos abonando a presença do obsidiado nas sessões de desobsessão, o que constitui grave equívoco. Não foi isso o que escrevemos. O vocábulo participação, ali colocado, não quer dizer presença do obsidiado nas reuniões mediúnicas, mas, sim, os seus esforços, a sua vontade, a sua luta em prol do êxito do tratamento, como Kardec observa no item 81 do cap. 28 de “O Evangelho segundo o Espiritismo”, por nós citado.
Como explica Divaldo P. Franco na questão no 97 do livro “Diretrizes de Segurança”, o ideal será que o obsidiado não participe dos trabalhos mediúnicos, porque em certas situações o trabalho mediúnico pode mesmo ser-lhe seriamente pernicioso. (Marcelo Borela de Oliveira)