Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sábado, 20 de agosto de 2016

Eletrochoque, Choque Anímico e Desobsessão

LEONARDO MARMO MOREIRA
leonardomarmo@gmail.com
São José dos Campos, SP (Brasil)


Eletrochoque, Choque Anímico e Desobsessão

Na extraordinária obra de Manoel Philomeno de Miranda, pela mediunidade de Divaldo Franco, “Loucura e Obsessão”, há um interessante estudo sobre a correlação entre Eletrochoque e Choque Anímico, o qual foi desenvolvido pelo Doutor Bezerra de Menezes. De fato, no Capítulo 11, intitulado “Técnicas de Libertação”, o admirável médico, juntamente com sua equipe espiritual, explica a Manoel P. Miranda que o chamado “Choque Anímico” seria semelhante ao “Choque Elétrico” (também conhecido como “Eletrochoque”), o qual foi amplamente utilizado como psicoterapia no passado e ainda hoje é empregado em alguns tipos de tratamento psiquiátrico.
O tratamento por Eletrochoques é também conhecido como eletroconvulsoterapia (ECT), electroconvulsivoterapia, eletroconvulsivoterapia, sendo uma terapia psiquiátrica extremamente controversa, na qual são provocadas modificações na atividade elétrica do cérebro do paciente (submetido a anestesia geral) por meio de passagem de corrente elétrica.
Segundo Doutor Bezerra de Menezes, o Eletrochoque desacoplaria o obsessor do obsidiado, ou seja, geraria uma desvinculação perispiritual entre o Espírito desencarnado, no caso o vampirizador, e o Espírito encarnado, o qual, nesta situação, trata-se do ser vampirizado. Portanto, haveria uma separação brusca dos respectivos corpos espirituais, interrompendo drástica, porém paliativamente, a simbiose perispírito-a-perispírito. Ressalta-se que tais casos constituem, de fato, processos obsessivos propriamente ditos, e não apenas leves influências espirituais negativas, sendo que a maioria destas situações de parasitose espiritual pode ser classificada como fascinação ou subjugação, em concordância com a Codificação Kardequiana. Do ponto de vista do corpo material, o Eletrochoque equilibraria quimicamente as sinapses nervosas, gerando um status mais saudável de distribuição de neurotransmissores, o que, juntamente com o afastamento do obsessor, responderia pela melhora temporária dos sintomas. Assim, por um determinado intervalo de tempo, o paciente adquiriria uma calma profunda ou até mesmo um quadro de prostração.
Vale lembrar que as barreiras magnéticas de locais mais elevados espiritualmente impedem a entrada de Espíritos perturbadores através de choques. É provável, portanto, que os mecanismos em questão sejam minimamente semelhantes.        
Divaldo Pereira Franco afirma que a terapia desobsessiva pela doutrinação do obsessor “incorporado” no médium psicofônico, independentemente da eficácia da doutrinação propriamente considerada, já traria em curto prazo uma melhoria de 30% a 40% no nível vibratório do obsessor. Tal fenômeno seria causado pela interação semimaterial com os fluidos vitais do duplo etérico e do perispírito de um médium moralizado, isto é, de um médium verdadeiramente evangelizado. Tal processo seria justamente o denominado “Choque Anímico”.
O afastamento do obsessor, no entanto, só se daria se o mesmo aproveitasse essa solução de continuidade nos seus clichês mentais. Em outras palavras, essa interrupção na fixação obsessiva (monoideia negativa) gera um alívio temporário por meio de uma melhoria vibratória, que fornece um tempo mínimo de clareza mental e relativa tranquilidade para o obsessor. Isto permitiria que tal Espírito pudesse proceder a uma mínima reforma de valores e ideais, fazendo o mesmo desistir do esforço obsessivo.
Por outro lado, o processo obsessivo pode ser eliminado ou minimizado pela mudança de atitude do obsidiado, se o mesmo modificar sua conduta moral, de maneira que a eventual ascendência do Espírito perturbador seja atenuada. Realmente, do ponto de vista do obsidiado, a ocorrência do “Choque Anímico” com o seu respectivo obsessor também seria uma oportunidade valiosa de autocura, uma vez que o obsessor poderia dar uma “trégua” em seu processo de simbiose espiritual durante certo tempo. Isto permitiria uma reforma moral por parte do Espírito encarnado, fomentando o início de um mecanismo preliminar de “imunização espiritual” do encarnado em relação ao desencarnado, em função da sua mudança de faixa vibratória para melhor do habitante da crosta terrestre.
Algo semelhante ao Eletrochoque provavelmente também ocorreria, pelo menos parcialmente, no tratamento de passes aplicados a encarnados obsidiados. A vibração dos passistas (encarnados e desencarnados) – juntamente com o esforço do recebedor dos passes – geraria uma espécie de “choque fluídico” no Espírito desencarnado, o qual, mesmo que em menor intensidade, pode ser altamente eficiente.
Todavia, é bom que se destaque que, por mais eficaz que o tratamento seja, a médio e longo prazos a cura definitiva somente ocorrerá a partir de uma melhoria comportamental geral por parte do obsidiado. Isso fica evidente, por exemplo, na obra “Missionários da Luz” (André Luiz/Chico Xavier). Nesta obra, no capítulo 19 intitulado “Passes”, o autor espiritual narra um “caso de décima vez”, que consiste em uma situação em que um mesmo indivíduo retorna ao centro espírita para o tratamento de passes, após receber e desperdiçar as intervenções fluídicas completas por dez (10) vezes consecutivas. O orientador espiritual do trabalho de passes recomenda então que o paciente receba uma limpeza psíquica mínima, pois, somente sofrendo as consequências de sua intemperança espiritual, poderia despertar para uma mudança espiritual mais efetiva.
Na obra “Dias Gloriosos” (Joanna de Ângelis/Divaldo Franco), a autora estabelece a necessidade de um “improviso” de reforma íntima para pacientes que acabaram de receber um órgão transplantado. Essa medida faria com que o paciente aproveitasse o intervalo de tempo de administração de imunossupressores para mudar vibratoriamente seu perispírito. Assim, o referido perispírito não provocaria rejeição por motivos espirituais/perispirituais quando o paciente não estiver mais submetido à imunossupressão.
A analogia entre Eletrochoque e Choque Anímico para uma compreensão do fenômeno da obsessão e de alguns procedimentos de tratamento desobsessivo, elaborada pelo Doutor Bezerra de Menezes (“Loucura e Obsessão”), são informações interessantes para o nosso estudo mais amplo abrangendo relevantes tópicos espíritas, tais como propriedades do Perispírito, as interações e comunicações espirituais e mediúnicas, o poder de cura e autocura, as interações fluídico-ectoplásmicas, a ação das chamadas “barreiras magnéticas”, a interação espírito-perispírito-corpo físico, entre outros.