Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

OS TORMENTOS VOLUNTÁRIOS

OS TORMENTOS VOLUNTÁRIOS E. S. E. (Cap. V, item 23) Fénelon. (Lião, 1860.) Roteiro de Aula


       I.            A felicidade
a)      Vive o homem incessantemente em busca dela
b)      Incessantemente lhe foge (ao homem)
c)      Ela sem mescla não se encontra na Terra
    II.            Poderia ele, pelo menos, gozar de relativa felicidade:
a)      Se não a procurasse nas coisas perecíveis e sujeitas às mesmas vicissitudes (gozos materiais)
b)      Se a procurasse nos gozos da alma (imperecíveis)
c)      Se  procurasse a paz do coração (única felicidade real neste mundo)
 III.            Entretanto, em vez disto:
a)      Ele se mostra ávido de tudo o que o agitará e turbará
b)      Como que de intento, cria para si tormentos que está nas suas mãos evitar
 IV.            Os que derivam da inveja e do ciúme (p.ex.)
a)      Para o invejoso e o ciumento (pobres insensatos) não há repouso; estão perpetuamente febricitantes.
b)      O que não têm e os outros possuem lhes causa insônias
c)      Dão-lhes vertigem os êxitos de seus rivais
d)     Toda a emulação, para eles, se resume em eclipsar os que lhes estão próximos
e)      Toda a alegria em excitar, nos que se lhes assemelham pela insensatez, a raiva do ciúme que os devora
f)       Não imaginam que, amanhã talvez, terão de largar todas essas frioleiras cuja cobiça lhes envenena a vida
    V.            Que de tormentos, ao contrário, se poupa aquele que:
a)      Sabe contentar-se com o que tem
b)      Que nota sem inveja o que não possui
c)      Que não procura parecer mais do que é
 VI.            Esse é sempre rico, porquanto, se olha para baixo de si, e não para cima, vê sempre criaturas que têm menos do que ele
VII.            E calmo, porque não cria para si necessidades quiméricas
VIII.            E não será uma felicidade a calma, em meio das tempestades da vida?