Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

O SOFRIMENTO EM NOSSA VIDA DIÁRIA

O SOFRIMENTO EM NOSSA VIDA DIÁRIA



A vida no mundo material , desde a concepção até o último suspiro, é marcada pelo sofrimento. O espermatozoide sofre numa corrida competitiva pelas “ trompas de falópio” até chegar ao óvulo no útero, ter que penetrá-lo e fecundá-lo , submeter-se as mutações que gerarão o embrião , que sofrerá nove meses até sofrer a expulsão pelo parto normal ou cesariana.
Já respirando fora do ventre sofrerá de toda forma , passando por todo tipo de experiências e aprendizados que culminarão num treino de decisão e exercício do livre arbítrio. Desta decisão pode nascer luz ou sofrimento para si ou para os outros. O crescer, o conviver ,o amadurecer ,o envelhecer ,o adoecer e o morrer sempre andarão ladeados pelo sofrimento.
Todas as experiências que levarão ao aprendizado pelas quedas ou pelos levantares , desafiarão a fibra, perseverança e autoconfiança. Os erros, com certeza, serão grandes mestres...aprendemos mais pela dor do que pelo doce chamado do amor.
Mas o sofrimento não é um destino...é uma opção. O amadurecimento traz o discernimento ....e o discernimento traz a iluminação que elimina as trevas do sofrimento.
Todos os seres da criação desejam ser felizes...seja um átomo ou um arcanjo. Porém na raiz do sofrimento está a ignorância, isto é , o desconhecimento , o não reconhecimento, a não compreensão do que seja o bem ou o mal , assim como certo e o errado. Podemos aprender lendo, observando o exemplo dos outros ou experimentando na própria pele. Em geral ,por rebeldia preferimos aprender apanhando na escola da vida.
Mas embora estejamos sempre ladeados pelo sofrimento, este nem sempre terá poder sobre nós. Ficaremos livres de sua influência sempre que subirmos um degrau na escada da evolução, saindo do “porão do egoísmo” em direção ao “telhado do altruísmo” , contemplando a luz que vem do leste , do sol da sabedoria.
O ser humano, por possuir uma mente racional com capacidade para pensar, refletir, recordar ,planejar ,desejar é bombardeado por milhares de pensamentos todos os dias. Desde a hora que nasce ,recebe pensamentos dos seus pais, de seus familiares, de sua sociedade, de sua cultura, de sua religião e seus próprios pensamentos. Destes pensamentos nascem sensações, percepções, desejos ...desta salada resulta a confusão do existir.
Em nossa mente multiplicam-se, de momento a momento , desejos e repulsões. Desejamos o agradável e temos desejos em repelir o desagradável. E tanto uma coisa quanto a outra geram sofrimento, pois enquanto o desagradável nos oprime diretamente, o agradável é transitório e impermanente.
Um homem deseja um bom emprego, sonha com uma boa esposa e aspira por uma excelente qualidade de vida. Mas assim que atinge estas metas, percebe que uma insatisfação aponta para um vazio. Deseja um emprego melhor, tenta manter com o cônjuge o amor deslumbrante da época de namoro e anseia por novos prazeres...Esta insatisfação e impermanência são as raízes de todo o mal no planeta: guerras, tiranias, fome, egoísmo, traições, corrupções de todo tipo...
Não se pode matar a sede bebendo água do mar pois quanto mais água do mar se bebe, maior será a sede . Por isso ,o vazio não pode ser preenchido com vazio.Há algo para preenche-lo.
O desejo, o apego e a insatisfação , filhas da ignorância só podem ser anuladas pela sabedoria...e a sabedoria é fruto da renúncia à ignorância e busca incessante e infatigante pela verdade que liberta e preenche.
No centro desta verdade está o autoconhecimento e a autodesilusão , isto é , encararmos sem máscaras , fantasias, vitimismos e autopiedade realmente como somos.É por isso que a maioria de nós foge do autoconhecimento, pois este exige coragem ,boa-vontade de uma auto-análise.
Porém , é desafiando e enfrentando o sofrimento através do reconhecimento de seus disfarces, do desapego , da desilusão , da busca pelo bem e pela ética que encontraremos uma fonte inesgotável de amor, plenitude e luz dentro de nós. Como dizia o Cristo Jesus “Brilhe a vossa Luz”.
Em nossa insatisfação e vida vazia , vamos “de vida em vida” , numa roda de renascimentos em busca do aprendizado. Mas por orgulho e vaidade, recusamos o remédio da disciplina , retardando o encontro com a liberdade e o prazer de uma vida livre de falsidades e confusões. É por isso que o amado Mestre Jesus insistia que “ ninguém pode ver e entrar no Reino dos céus enquanto não for perfeito como o vosso Pai que está nos Céus”. A reencarnação está ai para nós ,os rebeldes .
-Precisamos observar nossas reais necessidades daquilo que nos faria felizes. O mundo material é como um palco onde estamos atuando, aprendendo a viver, conviver e cooperar. Se nossa casa é simples ou um palácio, se moramos na floresta ou num condomínio de luxo , se nos alimentamos com dificuldades ou regados a salmão e vinho francês...estas circunstâncias promovem dor ou prazer , mas a nossa felicidade independe do mundo externo;
-Precisamos observar que estar perto daqueles que amamos ou desgostamos , que estar longe dos entes queridos, sermos obrigados a conviver e nos relacionar com quem pensa igual ou diferente de nós...são circunstâncias que desafiam nosso amor próprio e a tolerância aos outros...estas circunstâncias promovem dor ou prazer , mas a nossa felicidade independe do mundo externo;
-Precisamos observar que o nosso corpo ou o corpo dos outros seres , se assemelha à casca de uma árvore ou uma veste que envelhece , se desgasta e se rasga. O conteúdo , por baixo da carne, o ser imortal e seus valores é que conta...estas circunstâncias promovem dor ou prazer , mas a nossa felicidade independe do mundo externo;
-Precisamos observar que a Natureza já existia antes de nascermos neste planeta e que ela continuará com seus terremotos, tsunamis, furacões e desastres naturais , nos cabendo apenas tentar aprender a viver e conviver com ela através de tecnologias sustentáveis, o que desafiará nossa capacidade de cooperação ...estas circunstâncias promovem dor ou prazer , mas a nossa felicidade independe do mundo externo;
-Precisamos observar que nossa mente é cheia de desejos, que mudam constante e abundantemente, ao sabor do vento e do momento. Nossa mente nunca fica quieta, semelhante a um macaco selvagem picado por um escorpião , pulando de galho em galho. Mas com paciência, observação e treinamento , poderemos acalmar nossa mente e dar-lhe sentido e direção corretos ,levando-a para longe de devaneios, tristezas, depressões ,corrupções e megalomanias...estas circunstâncias promovem dor ou prazer , mas a nossa felicidade independe do mundo externo;
-Precisamos compreender nossos desejos, que quase sempre nos metem em enrascadas , pois nem sempre sabemos o que desejar ou o que desejar e aprender a não se apegar a estes desejos nem se frustrar pelo insucesso .Pela falta da auto-observação e autoconhecimento e por não vermos a natureza deles, deixamos que nossos desejos governem nossas vidas ,criando cadeias e prisões de onde só sairemos até pagarmos o último centavo...estas circunstâncias promovem dor ou prazer , mas a nossa felicidade independe do mundo externo;
Para que brilhe nossa luz se faz necessário uma estratégia mínima e segura , que funcione como uma tocha a nos esclarecer o caminho para fora da caverna... das ilusões para a clara realidade!
Em nosso próximo encontro veremos que medidas práticas poderemos fazer para sair deste labirinto em direção à plenitude e paz...
Paz Profunda!