Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

TODO AQUELE QUE SE ELEVA...

TODO AQUELE QUE SE ELEVA...

AQUELE QUE SE ELEVA SERÁ REBAIXADO.
Foi-me confiada a responsabilidade de falar sobre esse tema em palestra pública no Grupo Espírita Centelha de Luz, devido a profundidade das reflexões em torno desse  assunto, achei  difícil, mas como a graça da providência divina é sempre abundante em minha vida, tive o prazer de poder dividir a fala com meu filho Talles, tornando as coisas mais fáceis.
Veja que JESUS nos orienta de acordo com o que está escrito no evangelho de Lucas CAP (14; 8-10) “Quando fores convidado a uma boda (festa), não te assentes no primeiro lugar, porque pode ser que esteja ali outra pessoa, mais autorizada que tu, convidada pelo dono da festa, e que, vindo este, que te convidou a ti e a ele, te diga: da o teu lugar a este; e tu, envergonhado, vás buscar o último lugar. Mas , quando fores convidado, vai tomar o último lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: amigo, senta-te mais para cima. Servir-te-á isto então de glória.”
Embora muitos seguidores ou não de JESUS, o respeitem, poucos procuram entende-lo e segui-lo.  Quem quer ir a uma festa e procurar o pior lugar?  Sempre queremos o melhor, de mais destaque, de fácil acesso. Mas quando o rabi da Galiléia falou em festa, ao povo de seu tempo parecia norma de etiqueta em um encontro social festivo, porém as parábolas do mestre em profundidade e significado vão além de seu tempo e nos serve hoje de luz a guiar nossa caminhada, portanto não podemos tomar as instruções do evangelho ao pé da letra e, para trazer aos nossos dias essas orientações, precisamos usar da nossa capacidade de raciocínio.
Se aplicarmos as regras do evangelho a todos, muitos nesse contexto, poderão dizer que nem se preocupam, pois nunca são convidados a uma festa. Mas na grande festa que é a vida, todos somos convidados. E o anfitrião, sendo DEUS, nos deixa livres a escolher que lugar queremos ocupar e assim vamos processando nossas escolhas boas ou más e colhendo as conseqüências dessas escolhas. Quantos são insatisfeitos com o emprego que tem, com o casamento, com companheiro(a),  com os filhos(as), com a família., com a cidade onde mora. Enfim, tem uma vida marcada pela insatisfação e desgosto. Cabe interrogar, quem fez as escolhas? Estou ocupando determinado lugar por quê?
Às vezes nas nossas buscas para satisfazer nossos desejos procuramos escolher posições de destaque para que possamos ser bem vistos pela sociedade, seja no trabalho, no grupo familiar, no templo religioso ou em qualquer outro local que atuamos. Em todos, geralmente, queremos ser destaques, para tanto, deixamos de observar as regras básicas da boa convivência: respeitar direitos, cumprir deveres, e em muitas oportunidades atropelando o nosso próximo.
Quando todos nossos projetos são coroados de êxito, nos sentimos grandes, vencedores, cheios de vaidade. Pois nossas conquistas são  resultado natural de nosso trabalho. Isso é lógico. Mas devo lembrar a fala de JESUS: Todo aquele que se eleva será rebaixado, se quiser ser o maior seja o menor.   Como assim ser rebaixado se fui um vencedor? É bom que fique claro que JESUS quando falava queria atingir a essência espiritual de cada um de nós, ou seja, a parte que permanece para a eternidade.
Com isso podemos concluir que enquanto não compreendermos que não somos só matéria , que a vida não acaba no túmulo, fica difícil entender as falas do mestre rabi. Logo, devemos perceber que sendo o maior em recursos materiais, possivelmente, seremos o menor em recursos espirituais, pois enquanto ficamos escolhendo lugares que nos proporcionam destaques no meio material, esquecemos de escolher lugar nos planos posterior à vida física, necessário é que busquemos vivenciar a humildade em toda sua plenitude possibilitando assim um passaporte de bem aventuranças no pós vida terrena.

“o verdadeiro cristão procura domar cada dia uma parcela de seu orgulho, egoísmo e vaidade.”