Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

domingo, 12 de junho de 2016

Pecado por Pensamento - Adultério - cvdee

Pecado por Pensamento - Adultério
-------------------------------------------------------------------

A - Texto de Apoio:

Aprendestes que foi dito aos antigos: "Não cometereis adultério. Eu, porém, vos digo que aquele que houver olhado uma mulher, com mau desejo para com ela, já em seu coração cometeu adultério com ela." (S. Mateus, cap. V, vv.27 e 28.)
A palavra adultério não deve absolutamente ser entendida aqui no sentido exclusivo da acepção que lhe é própria, porém, num sentido mais geral. Muitas vezes Jesus a empregou por extensão, para designar o mal, o pecado, todo e qualquer pensamento mau, como, por exemplo, nesta passagem: "Porquanto se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, dentre esta raça adúltera e pecadora, o Filho do Homem também se envergonhará dele, quando vier acompanhado dos santos anjos, na glória de seu Pai." (S. MARCOS, cap. VIII, v. 38.)

A verdadeira pureza não está somente nos atos; está também no pensamento, porquanto aquele que tem puro o coração, nem sequer pensa no mal. Foi o que Jesus quis dizer: ele condena o pecado, mesmo em pensamento, porque é sinal de impureza.

Esse principio suscita naturalmente a seguinte questão: Sofrem-se as conseqüências de um pensamento mau, embora nenhum efeito produza? Cumpre se faça aqui uma importante distinção. À medida que avança na vida espiritual, a alma que enveredou pelo mau caminho se esclarece e despoja pouco a pouco de suas imperfeições, conforme a maior ou menor boa-vontade que demonstre, em virtude do seu livre-arbítrio. Todo pensamento mau resulta, pois, da imperfeição da alma; mas, de acordo com o desejo que alimenta de depurar-se, mesmo esse mau pensamento se lhe torna uma ocasião de adiantar-se, porque ela o repele com energia. É indício de esforço por apagar uma mancha. Não cederá, se se apresentar oportunidade de satisfazer a um mau desejo. Depois que haja resistido, sentir-se-á mais forte e contente com a sua vitória.

Aquela que, ao contrário, não tomou boas resoluções, procura ocasião de praticar o mau ato e, se não o leva a efeito, não é por virtude da sua vontade, mas por falta de ensejo. E, pois, tão culpada quanto o seria se o cometesse.

Em resumo, naquele que nem sequer concebe a idéia do mal, já há progresso realizado; naquele a quem essa idéia acode, mas que a repele, há progresso em vias de realizar-se; naquele, finalmente, que pensa no mal e nesse pensamento se compraz, o mal ainda existe na plenitude da sua força. Num, o trabalho está feito; no outro, está por fazer-se. Deus, que é justo, leva em conta todas essas gradações na responsabilidade dos atos e dos pensamentos do homem.

B - Questões para estudo e diálogo virtual:

1 - Qual o sentido dados por Jesus à palavra "adultério"?

2 - Constitui infração à lei de deus desejar mal a outrem, mesmo que não se chegue a praticá-lo?

3 - Que efeito exerce sobre nós, praticar ou desejar o mal a outem?

Pecado por Pensamento - Adultério - Conclusão Voltar ao estudo

Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo
Sala Virtual Evangelho

-------------------------------------------------------------------
EESE040b - Cap. VIII - Itens 5 a 7
Tema: Pecado por Pensamento - Adultério
-------------------------------------------------------------------

A - Conclusão do Estudo:

Não basta ao homem somente abster-se de praticar o mal; é necessário destruir em si tudo o que o leve a praticá-lo, seja por atos, palavras ou pensamentos. A oração e a vigilância são poderosos auxiliares para se manter o coração livre das influências do mal.

B - Questões para estudo e diálogo virtual:

1 - Qual o sentido dados por Jesus à palavra "adultério"?

Jesus costumava empregá-la para designar não só toda ação má, mas todo e qualquer pensamento mau.

"...aquele que houver olhado uma mulher, com mau desejo para com ela, já em seu coração cometeu dultério com ela."

Para Jesus, adúltero não é só quem trai o cônjuge, mas todos os que infringem a lei divina.

2 - Constitui infração à lei de deus desejar mal a outrem, mesmo que não se chegue a praticá-lo?

Certamente que sim, pois houve propósito de praticar o mal, também houve a falta.

Aquele que pensa em cometer um mau ato e só não o consuma por falta de ocasião, é tão culpado como se o cometesse. "Naquele que pensa no mau e nesse pensamento se compraz, o mal ainda existe na plenitude da sua força."

3 - Que efeito exerce sobre nós, praticar ou desejar o mal a outem?

Tudo que fazemos ou desejamos aos outros, seja de bom, seja de mau, provoca reação sobre nós, em bênçãos ou sofrimentos.

O mau pensamento provoca intranqüilidade e amargura. Os bons pensamentos, ao contrário, nos enchem o coração de paz e contentamento.