Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

ESPÍRITO DE VERDADE PARIS 1860


Essa mensagem, assinada por Espírito de Verdade, com data de 1960, foi publicada antes em O Livro dos Médiuns, no capítulo XXXI : Dissertações Espíritas, com quatro frases a mais, no item IX, com uma nota explicativa de Kardec, na qual diz que ela veio por um dos melhores médiuns da Sociedade Espírita de Paris, " assinada com um nome que o respeito nos não permite reproduzir, senão sob todas as reservas, tão grande seria o insigne favor da sua autenticidade e porque dele se há muitas vezes abusado demais, em comunicações evidentemente apócrifas. Esse nome é o de Jesus de Nazaré."

Após mais considerações, Kardec termina assim: " Na comunicação acima apenas uma coisa reconhecemos: é a superioridade incontestável da linguagem e das idéias, deixando que cada um julgue por si mesmo se aquele de quem ela traz o nome não a renegaria."

Na Revista Espírita, de Allan Kardec, julho de 1866, ed. Edicel, em 1966, na página 221, no artigo Qualificação de Santo Aplicada a Certos Espíritos, Kardec escreve ao encerrar suas observações: " A
qualificação de Espírito de Verdade não pertence senão a um só, e pode ser considerada como um nome próprio. Está especificado no Evangelho. Aliás, esse Espírito se comunica raramente e apenas em circunstâncias especiais."

Nesta primeira mensagem, das quatro assinadas pelo Espírito de Verdade, inseridas por Kardec neste capítulo, o autor a inicia, escrevendo que vem, como outrora, " trazer a verdade e dissipar as trevas". Diz que o espiritismo, como outrora suas palavras, deve lembrar aos incrédulos que acima de tudo e de todos reina a verdade imutável, que é Deus. " Eu revelei a doutrina divina; e como um segador, liguei, em feixes o bem esparso pela humanidade, e disse: ' Vinde a mim, todos vós que sofreis!' "

"Mas os homens ingratos se desviaram da estrada larga e reta que conduz ao Reino do Pai, perdendo-se nas ásperas veredas da impiedade. Meu Pai não quer aniquilar a raça humana. Ele quer que, ajudando-vos uns aos outros, mortos e vivos, ou seja, mortos segundo a carne, porque a morte não existe, sejais socorridos, e que, não mais a voz dos profetas e dos apóstolos, mas a voz dos que se foram, faça-se ouvir para vos gritar: Crede e orai! Porque a morte é a ressurreição, e a vida é a prova escolhida, durante a qual vossas virtudes cultivadas devem crescer e desenvolver-se como o cedro."

Conclama aos homens, que se limitam " às trevas da vossa inteligência" a não afastar " a tocha que a clemência divina vos coloca nas mãos para iluminar vossa rota e vos reconduzir, crianças perdidas, ao regaço de vosso Pai."

Essa tocha é o espiritismo, que veio quase dois mil anos depois de Jesus, para ensinar todas as coisas, e lembrar de tudo o que ele disse, conforme está em João, XIV : 26, interpretando as leis divinas, tornando assim, os ensinos de Jesus, mais claros e mais fáceis de serem compreendidos pela razão e vivenciados desde já.

Quando diz : " Homens fracos, que vos limiteis às trevas de vossa inteligência" não está desprezando a do homem, apenas esclarecendo que a inteligência, somente, não é suficiente para levar o homem ao seu sublime destino: ser perfeito e feliz, e nem para tornar essa caminhada, menos sofrida, mais tranqüila.

Essa constatação é bem evidente ao homem do início do século XXI. Necessário também o desenvolvimento da sensibilidade aos valores espirituais, que levem o homem a ser moral, em relação a Deus, a si próprio e aos outros.

Aliás, hoje, apesar do avanço espantoso da Ciência e da tecnologia, frutos da inteligência humana, o homem continua com seus problemas existenciais, dominados pelo orgulho, pelo egoísmo, pela vaidade, pelo poder, pelo dinheiro, que o levam à ações impiedosas contra seus irmãos, numa comprovação de que falta algo, além da inteligência, que lhe dê o respeito e o amor aos seus semelhantes.

Esse algo é a moralidade, que vem de dentro, desenvolvida pela sensibilidade ao bom, ao belo, ao útil, ao verdadeiro. É a moral ensinada por Jesus, que o espiritismo veio tornar mais clara e mais racional, a fim de poder ser entendida e seguida por todos.

A inteligência e a moralidade, caminhando juntas permitem ao homem. seguir a exortação: " Crede, amai, meditai todas as coisas que vos são reveladas; não mistureis o joio ao bom grão, as utopias com as verdades. ESPÍRITAS, AMAI-VOS, EIS O PRIMEIRO MANDAMENTO; INSTRUÍ-VOS, EIS O SEGUNDO". TODAS AS VERDADES SE ENCONTRAM NO CRISTIANISMO; OS ERROS QUE NELE SE ENRAIZARAM SÃO DE ORIGEM HUMANA; E EIS QUE, DE ALÉM-TÚMULO, QUE ACREDITÁVEIS VAZIO, VOZES VOS CLAMAM: IRMÃOS! NADA PERECE. JESUS CRISTO É O VENCEDOR DO MAL; SEDE OS VENCEDORES DA IMPIEDADE." ( o destaque é meu)

Nesse último parágrafo do texto, temos a finalidade do espiritismo: auxiliar o homem a ser bom, além de inteligente. Somente a inteligência e o amor juntos podem levar o homem a querer o Bem, porque se a inteligência o leva a progredir sempre, descobrindo e criando coisas novas, o amor lhe indica o bom uso desses resultados, de forma a não causar outros males, visando sempre o bem de todos.
Somente a inteligência e o amor juntos, podem levar o homem e a humanidade a alcançar determinismo divino : " Sede vós perfeitos, como também vosso Pai celestial é perfeito." ( Mateus, V: 48)

Leda de Almeida Rezende Ebner
Junho / 2006