Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

ESPÍRITO DE VERDADE HAVRE 1861 - Leda


Vamos estudar a última mensagem do Espírito de Verdade, das incluídas neste livro, que nos fala de duas grandes virtudes: devotamento e abnegação.

Devotamento é a ação de dedicar, tributar algo a alguém ou a alguma coisa." É dedicação, qualidade ou condição de quem se dedica a alguém ou algo, entrega, sacrifício; manifestação de amor, apreço, consideração" ( dicionário Houais ).

Abnegação: " ação caracterizada pelo desprendimento e altruísmo, em que a superação das tendências egoísticas da personalidade é conquistada em benefício de uma pessoa, causa, ou princípio; sacrifício voluntário dos próprios desejos, da própria vontade ou das tendências humanas naturais em nome de qualquer imperativo ético." (Idem)

O Espírito de Verdade assim inicia: " Deus consola os humildes e dá força aos aflitos que o suplicam. Seu poder cobre a Terra, e por toda a parte, ao lado de cada lágrima, põe o bálsamo que consola ", confirmando o valor da oração, nos momentos difíceis.

Mas esclarece: " O devotamento e a abnegação são uma prece contínua e encerram profundo ensinamento: a sabedoria humana reside nessas duas palavras. Possam todos os Espíritos sofredores compreender estas verdades, em vez de reclamarem contra as dores, os sofrimentos morais, que são aqui na Terra o vosso quinhão. Tomai , pois, por divisa, essas duas palavras: devotamento e abnegação, e sereis fortes, porque elas resumem todos os deveres que a caridade e a humildade vos impõem. "

O devotamento e a abnegação, de fato, são essenciais nas ações de trabalho, nas atividades até as mais corriqueiras. São até consagrados pelo povo, na expressão "vestir a camisa", quando alguém se entrega a determinada tarefa, com dedicação, devotando-se a ela.

Nos deveres morais, que o relacionamento inter-pessoal impõe, os que são cumpridos com devotamento e abnegação, ainda que sejam apenas direcionados a pessoas, as quais se amam, ainda assim, atestam a ação dos sentimentos da caridade e da humildade, visto que há aí a renúncia à satisfação de prazeres próprios para satisfazer as necessidades de outro/s.

Nesse caso, o exercício dessas ações, que exigem continuidade e perseverança, irá desenvolver outras qualificações nobres , em quem as pratica, que terminarão por levá-la a agir da mesma forma com qualquer pessoa, em qualquer situação, ou seja , ela se exercita para amar ao próximo como a si mesma, colocando a satisfação das necessidades do outro acima da sua.

Evidentemente que esse devotamento e essa abnegação devem ser realizadas, por dever ou por amor, mesmo que haja qualquer interesse material e pessoal, como no caso de relação no trabalho profissional, no qual existem os interesses do emprego e do salário, o que não impedem que esse trabalho seja feito com devotamento e abnegação.

Em qualquer caso, porém, existe, para quem assim age, o exercício da renúncia, da paciência, da tolerância, da humildade, da caridade, que levam ao devotamento e à abnegação, em benefício de quem recebe.

Parece-me que esta mensagem mostra que, mesmo nas aflições mais difíceis, ninguém deve acomodar-se às lamentações e queixas, continuando, enquanto tentam resolvê-las, no cumprimento dos deveres para consigo, para com o próximo e para com Deus.

É muito comum ver-se pessoas, que se dedicam à atividades voluntárias, em instituições religiosas e/ou beneficentes, quando se vêem com problemas físicos ou morais, afastarem-se das atividades, alegando não se sentir em condições para ...

Esquecem-se de que quanto mais se devotarem no bem, pelo bem e para o bem, no cumprimento dos deveres, mais depressa reagirão e mais facilmente encontrarão as soluções corretas, além de oferecerem aos Benfeitores Espirituais, melhores condições de ajuda, pois, a abnegação e o devotamento se constituem em uma prece contínua, ou seja a pessoa está ligada à planos espirituais mais elevados, no exercício dessas virtudes.

" Tornai a levantar as mãos cansadas e os joelhos desconjuntados ", escreveu Paulo ( Hebreus:12:12) . Comentando, Emmanuel, no livro Fonte Viva, lição 52, aconselha, no final: " Movimenta as mãos cansadas para o trabalho e ergue os joelhos desconjuntados, na certeza de que para a obtenção da melhor parte da vida é preciso servir e marchar, incessantemente."

Só assim, poderemos sentir o que nos diz o Espírito de Verdade: " O sentimento do dever cumprido vos dará a tranqüilidade de espírito e a resignação. O coração bate melhor, a alma se acalma, e o corpo já não sente desfalecimento, porque o corpo sofre tanto mais, quanto mais profundamente abalado estiver o Espírito."

Leda de Almeida Rezende Ebner
Setembro / 2006