Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

terça-feira, 21 de junho de 2016

ALIANÇA DA CIÊNCIA COM A RELIGIÃO - Leda



Neste item, Kardec apresenta" o conhecimento das leis que regem o mundo espiritual e suas relações com o mundo corporal, leis tão imutáveis como as que regulam o movimento dos astros e a existência dos seres" como o traço de união entre a Ciência e a Religião.
           
Considera ele a Ciência e a Religião como sendo as duas alavancas da inteligência humana, ou seja instrumentos de seu desenvolvimento, reconhecendo que a primeira revela as leis do mundo material e a segunda as leis do mundo moral.
           
Como ambas têm o mesmo princípio, que é Deus, elas não deveriam se contradizer. Ambas deveriam andar juntas, facilitando o desenvolvimento do homem." A incompatibilidade que se acredita existir entre ambas está em uma falha de observação e do excesso de exclusivismo de uma e de outra parte." A Ciência definiu seu campo de ação em sendo apenas os fatos materiais. A Religião se manteve firme nos seus dogmas, ignorando as descobertas da Ciência.
           
Lembremo-nos que no século XIX, o desenvolvimento intelectual e científico teve um avanço muito expressivo, contrariando dogmas das religiões dominantes, gerando um desenvolvimento muito grande do materialismo, alargando o fosso existente entre religião e ciência.
           
Assim, compreendeu Kardec a importância dos ensinos espíritas na revelação do mundo espiritual, das suas leis, dos seus habitantes, da sua influência sobre o mundo material e os seres. Percebeu ele que com os estudos novos do espiritismo, a Ciência deixará um dia de ser exclusivamente material, levando em conta também o elemento espiritual do homem ; a Religião por sua vez, acompanhará as comprovações científicas, conhecendo-as, aceitando-as, porque a Ciência também tem origem divina. E escreve Kardec : " Então a Religião não mais desmentida pela Ciência, adquirirá uma potência indestrutível, porque estará com a razão e não se lhe poderá opor a lógica irresistível dos fatos".
           
Escreveu Kardec que o espiritismo, sendo uma doutrina também em evolução como tudo que existe, jamais será ultrapassado, visto que se a Ciência provar algo diferente do que diz, ele se modificará nesse ponto e acompanhará a Ciência.( A Gênese, cap. I item55)
           
Até hoje todavia, Kardec não foi desmentido em um único ponto. O contrário acontece : a Ciência caminha na direção da descoberta do Espírito imortal e seus princípios, como os da reencarnação, da influência do mundo espiritual sobre os encarnados, cada vez são mais aceitos por pessoas não espíritas.
           
Em O Livro dos Espíritos, questão 917, Fénelon prevê: " O espiritismo, bem compreendido, quando estiver identificado com os costumes e as crenças, transformará os hábitos, as usanças e as relações sociais."
           
Carlos Toledo Rizzini, no seu livro Fronteiras do Espiritismo e da Ciência, escreve que" Kardec sintetizou todos os conhecimentos numa só moldura, ao declarar que as leis da natureza fazem parte da lei de Deus e que as duas ciências se completam...", sendo uma indispensável à compreensão e ao progresso da outra.
           
Diz também que o conhecimento que a Ciência propicia gera condições favoráveis ao desenvolvimento da fé, que precisa de conteúdo intelectual: para crer é preciso compreender e que o método científico da experimentação e da observação, se ajusta bem à finalidades religiosas, tendo provado a existência do espírito. Sendo a Ciência a maneira moderna de obter conhecimentos, e Religião um sentimento," uma e outra se completam no processo de evolução de todas as almas para o Criador e para a perfeição de Sua obra." ( Emmanuel ).
           
Afirma Kardec que com o conhecimento do mundo espiritual, das suas leis e suas relações com o mundo material, que o espiritismo constatou pela experiência," uma nova luz se fez : a fé se dirigiu à razão; esta nada encontrou de ilógico na fé e o materialismo foi vencido."
           
Toda idéia nova encontra barreiras na sua compreensão e na sua aceitação. Mas os princípios espíritas, sendo esclarecimentos de leis naturais, caminha , cada vez melhor compreendido, pois a Ciência, somente, não é capaz de satisfazer os anseios espirituais do homem, que precisam ser satisfeitos, juntamente, com a satisfação das necessidades físicas e biológicas, para ser feliz e viver em paz consigo e com os outros.
           
Com o conhecimento científico e com os ensinos espíritas tem o homem as duas alavancas que o auxiliarão na tarefa de seu próprio desenvolvimento.
           
Fica claro também que o espiritismo não veio como uma religião constituída como as demais, para competir no entendimento da verdade. É religião no sentido de levar seus adeptos a terem sentimento religioso de ligação a Deus, de elevarem-se acima das coisas materiais no desenvolvimento de sua espiritualidade, pelo uso da razão na aceitação das leis divinas, no esforço de melhorar-se a si próprio e de melhorar o mundo em que vive.
           
"A fé preconizada pelo espiritismo é a fé raciocinada, ou seja, dotada de conteúdo intelectual e submetida à luz da razão; os princípios aceitos são aqueles que são demonstrados com evidência ou os que ressaltam logicamente da observação."
         
A Ciência pois, tem muito a ganhar com suas revelações, que lhe ampliam seu campo de ação no entendimento maior do mundo em que vivemos e dos seus habitantes.

Leda de Almeida Rezende Ebner
Fevereiro / 2002