Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

PENAS E GOZOS FUTUROS

PENAS E GOZOS FUTUROS

O homem tem instintivamente horror ao nada, porque o nada não existe.

2.1. O nada, a vida futura

O homem tem instintivamente horror ao nada, porque o nada não existe.

O homem possui o sentimento instintivo da vida futura. Antes de encarnar o espírito conhecia todas essas coisas e a alma conserva vaga lembrança do que sabe e do que viu no estado espiritual.

É de todos os tempos a preocupação do homem com o seu futuro para lá do túmulo. Qualquer que seja a importância que o ligue à vida presente, não pode ele furtar-se a considerar quanto essa vida é curta e, sobretudo, precária. Que será dele após o instante fatal? Questão grave esta, porquanto não se trata de alguns anos apenas, mas da eternidade.

"A ideia do nada tem qualquer coisa que repugna à razão. O homem que mais despreocupado seja durante a vida, chegando o momento supremo pergunta a si mesmo o que vai ser dele e, sem o querer, espera."

"Crer em Deus, sem admitir a vida futura, seria um contra-senso. O sentimento de uma existência melhor reside no foro íntimo de todos os homens e não é possível que Deus aí o tenha colocado em vão."

"A vida futura implica a conservação da nossa individualidade, após a morte. Com efeito, que nos importaria sobreviver ao corpo, se a nossa essência moral houvesse de perder-se no oceano do infinito? As consequências, para nós, seriam as mesmas que se tivéssemos de desaparecer no nada."

2.2. Intuição das penas e gozos futuros

A crença com que deparamos entre todos os povos, na existência de penas e recompensas, origina-se do pressentimento da realidade, trazido ao homem pelo espírito nele encarnado.

Os sentimentos que dominam os homens no momento da morte são: a dúvida, nos cépticos empedernidos; o terror, nos culpados; a esperança, nos homens de bem.

Uma vez que a alma traz ao homem o sentimento das coisas espirituais, os cépticos "são em número menor do que se julga. Muitos se fazem espíritos fortes, durante a vida, somente por orgulho. No momento da morte, porém, deixam de ser tão fanfarrões."

"A responsabilidade dos nossos actos é a consequência da realidade da vida futura. Dizem-nos a razão e a justiça que, na partilha da felicidade a que todos aspiram, não podem estar confundidos os bons e os maus. Não é possível que Deus queira que uns gozem, sem trabalho, de bens que outros só alcançam com esforço e perseverança."

"A ideia de que, mediante a sabedoria das suas leis, Deus nos dá da sua justiça e da sua bondade não nos permite acreditar que o justo e o mau estejam na mesma categoria a seus olhos, nem duvidar de que recebam, algum dia, uma recompensa ou um castigo, pelo bem ou pelo mal que tenham feito. Por isso é que o sentimento inato que temos da justiça nos dá a intuição das penas e recompensas futuras."

2.3. Intervenção de Deus nas penas e recompensas

"Deus ocupa-se, pessoalmente, com cada homem? Não é ele muito grande e nós muito pequeninos para que cada indivíduo em particular tenha, aos seus olhos, alguma importância?"

"Deus ocupa-se com todos os seres que criou, por mais pequeninos que sejam. Nada, para a sua bondade, é destituído de valor."

"Mas será necessário que Deus atente em cada um dos nossos actos, para nos recompensar ou punir? Esses actos não são, na sua maioria, insignificantes para ele?"

"Deus tem as suas leis a regerem todas as vossas acções. Se as violais, vossa é a culpa. Indubitavelmente, quando um homem comete um excesso qualquer, Deus não profere contra ele um julgamento, dizendo-lhe, por exemplo: Foste guloso, vou punir-te. Ele traçou um limite; as enfermidades e muitas vezes a morte são a consequência dos excessos. Eis aí a punição; é o resultado da infracção da lei. Assim em tudo."

"Todas as nossas acções estão submetidas às leis de Deus. Nenhuma há, por mais insignificante que nos pareça, que não possa ser uma violação daquelas leis. Se sofremos as consequências dessa violação, só nos devemos queixar de nós mesmos, que desse modo nos fazemos os causadores da nossa felicidade, ou da nossa infelicidade futura."

Deus é previdente e "nos adverte, a cada instante, de que estamos fazendo bem ou mal. Envia-nos os espíritos para nos inspirarem, porém não os escutamos." E, além disso, "faculta sempre ao homem, concedendo-lhe novas existências, recursos para reparar os seus erros passados."

2.4. Natureza das penas e gozos futuros

As penas e gozos da alma após a morte não podem ser materiais, pois a alma não é matéria. Nada têm de carnal as penas e gozos; entretanto, são mil vezes mais vivos do que os que experimentamos na Terra, porque o espírito, uma vez liberto, é mais impressionável, pois a matéria já não lhe reduz as sensações.

O homem faz uma ideia grosseira e absurda das penas e gozos da vida futura. Falta-lhe suficiente desenvolvimento da inteligência. A criança não compreende as coisas como o adulto. Isso depende também do que se lhe ensinou e aí há necessidade de uma reforma.

A felicidade dos bons espíritos consiste "em conhecerem todas as coisas; em não sentirem ódio, nem ciúme, nem inveja, nem ambição, nem qualquer das paixões que ocasionam a desgraça dos homens. O amor que os une é-lhes fonte de suprema felicidade. Não experimentam as necessidades, nem os sofrimentos, nem as angústias da vida material. São felizes pelo bem que fazem. Contudo, a felicidade dos espíritos é proporcional à elevação de cada um. Somente os puros espíritos gozam, é exacto, da felicidade suprema, mas nem todos os outros são infelizes. Entre os maus e os perfeitos há uma infinidade de graus em que os gozos são relativos ao estado moral...".

Os sofrimentos dos espíritos inferiores "são tão variados como as causas que os determinam e proporcionais ao grau de inferioridade, como os gozos o são ao de superioridade. Podem resumir-se assim: invejarem o que lhes falta para ser felizes e não o obterem; verem a felicidade e não a poderem alcançar; pesar, ciúme, raiva, desespero, motivados pelo que os impede de ser ditosos; remorsos, ansiedade moral indefinível. Desejam todos os gozos e não os podem satisfazer; eis o que os tortura."

A influência que os espíritos exercem uns sobre os outros depende das suas qualidades. Os bons exercem-na boa; os perversos procuram desviar da senda do bem os que lhe são influenciáveis. Assim, a morte não nos livra da tentação, porém, a acção dos maus espíritos é sempre menor sobre os outros espíritos do que sobre os homens, porque lhes falta o auxílio das paixões materiais.

"As paixões não existem materialmente, mas existem no pensamento dos espíritos atrasados. Os maus dão pasto a esses pensamentos, conduzindo as suas vítimas aos lugares onde se lhes ofereça o espectáculo daquelas paixões e de tudo o que as possa excitar."

E nisso precisamente é que lhes está o suplício, pois essas paixões já não têm objecto real. Assim, "o avarento vê o ouro que lhe não é dado possuir; o devasso, orgias em que não pode tomar parte; o orgulhoso, honras que lhe causam inveja e de que não pode gozar."

Quanto aos sofrimentos maiores a que os espíritos maus se vêem sujeitos, não há descrição possível da dor moral que constitui a punição de certos crimes. Mesmo o que as sofre tem dificuldade em dar delas uma ideia. Indubitavelmente, porém, a mais horrível consiste em pensarem que estão condenadas sem remissão.

Os espíritos inferiores compreendem a felicidade do justo, "e isso lhes é um suplício porque compreendem que estão dela privados por sua culpa. Daí resulta que o espírito, liberto da matéria, aspira à nova vida corporal, pois cada existência, se for bem empregada, abrevia um tanto a duração desse suplício. É então que procede à recolha das provas por meio das quais possa expiar suas faltas. Porque o espírito sofre por todo o mal que praticou, ou de que foi causa voluntária, por todo o bem que houvera podido fazer e não fez e por todo o mal que decorra de não haver feito o bem."

"Os espíritos entre os quais há recíproca simpatia para o bem encontram na sua união um dos maiores gozos, uma fonte de felicidade, visto que não receiam vê-la turvada pelo egoísmo. Formam, no mundo inteiramente espiritual, famílias pela identidade de sentimentos. Na afeição pura e sincera a que se votam reciprocamente, têm um manancial de felicidade, porquanto lá não há falsos amigos, nem hipócritas."

"A crença no espiritismo ajuda o homem a melhorar-se, firmando-lhe as ideias sobre certos pontos do futuro. Apressa o adiantamento dos indivíduos e das massas, porque faculta informação sobre o que seremos um dia. É um ponto de apoio, uma luz que nos guia. O espiritismo ensina o homem a suportar as provas com paciência e resignação, afasta-o dos actos que possam retardar-lhe a felicidade, mas ninguém diz que, sem ele, não possa ela ser conseguida."

"Só o bem assegura a sorte futura. O bem é sempre o bem, qualquer que seja o caminho que a ele conduza."

2.5. Penas temporais

"Não experimenta sofrimentos materiais o espírito que expia as suas faltas em nova existência? Será então exacto dizer-se que, depois da morte, só há para a alma sofrimentos morais?"

"É bem verdade que quando a alma está reencarnada, as tribulações da vida são um sofrimento, mas só o corpo sofre materialmente."

"Falando de alguém que morreu, costumais dizer que deixou de sofrer. Nem sempre isto exprime a realidade. Como espírito, está isento de dores físicas; porém, tais sejam as faltas que tenha cometido, pode estar sujeito a dores morais mais agudas e pode vir a ser ainda mais desgraçado em nova existência. O mau rico terá que pedir esmola e se verá a braços com todas as privações oriundas da miséria; o orgulhoso, com todas as humilhações; o que abusa de sua autoridade e trata com desprezo e dureza os seus subordinados se verá forçado a obedecer a um superior mais ríspido do que o foi. Todas as penas e tribulações da vida são expiação das faltas de outra existência, quando não a consequência das da vida actual."

A reencarnação da alma num mundo menos grosseiro "é a consequência de sua depuração, porquanto, à medida que se vão depurando, os espíritos passam a encarnar em mundos cada vez mais perfeitos, até que se tenham despojado totalmente da matéria e lavado de todas as impurezas."

"Nos mundos onde a existência é menos material do que neste, menos grosseiras são as necessidades e menos agudos os sofrimentos físicos. Lá, os homens desconhecem as paixões más, que, nos mundos inferiores, os fazem inimigos uns dos outros." Desconhecem os aborrecimentos que nascem da inveja, do orgulho e do egoísmo, causas do tormento da nossa existência terrestre.

2.6. Expiação e arrependimento

O arrependimento dá-se no estado espiritual, mas também pode ocorrer no estado corporal, quando a pessoa bem compreende a diferença entre o bem e o mal.

Como consequência do arrependimento no estado espiritual, o arrependido deseja uma nova encarnação para se purificar. "O espírito compreende as imperfeições que o privam de ser feliz e, por isso, aspira a uma nova existência em que possa expiar as suas faltas."

O arrependimento no estado corporal faz com que, "já na vida actual, o espírito progrida, se tiver tempo de reparar as suas faltas. Quando a consciência o exprobra e lhe mostra uma imperfeição, o homem pode sempre melhorar-se."

Há homens que só têm o instinto do mal e são inacessíveis ao arrependimento. Porém, "todo o espírito tem que progredir incessantemente. Aquele que, nesta vida, só tem o instinto do mal, terá noutra o do bem e é para isso que renasce muitas vezes, pois preciso é que todos progridam e atinjam a meta. A diferença está somente em que uns gastam mais tempo do que outros, porque assim o querem. Aquele que só tem o instinto do bem já se purificou visto que talvez tenha tido o do mal em anterior existência."

"O homem perverso que não reconheceu as suas faltas durante a vida sempre as reconhece depois da morte e, então, mais sofre, porque sente em si todo o mal que praticou, ou de que foi voluntariamente a causa. Contudo, nem sempre o arrependimento é imediato. Há espíritos que se obstinam em permanecer no mau caminho, não obstante os sofrimentos por que passam. Porém, cedo ou tarde, reconhecerão errada a senda que tomaram e o arrependimento virá. Para esclarecê-los trabalham os bons espíritos. Também os encarnados poderão ajudá-los através dos trabalhos de desobsessão, da prece e do esclarecimento espiritual.

"Não se deve perder de vista que o espírito não se transforma subitamente, após a morte do corpo. Se viveu vida condenável, é porque era imperfeito. Ora, a morte não o torna imediatamente perfeito. Pode, pois, persistir com os seus erros, nas suas falsas opiniões, nos seus preconceitos, até que se tenha esclarecido pelo estudo, pela reflexão e pelo sofrimento."

"A expiação cumpre-se durante a existência corporal, mediante as provas a que o espírito se acha submetido e, na vida espiritual, pelos sofrimentos morais, inerentes ao estado de inferioridade do espírito."

O arrependimento durante a vida concorre para a melhoria do espírito, mas isto não é suficiente para anular as suas faltas; ele tem que expiar o seu passado.

Podemos já desde esta vida ir resgatando as nossas faltas, reparando-as. Porém, não creiamos que basta para isto algumas privações pueris ou a simples distribuição em esmolas do que possuímos, depois da morte, quando de nada mais precisaremos. "Deus não dá valor a um arrependimento estéril, sempre fácil, e que apenas custa o esforço de bater o peito. A perda de um dedo mínimo, quando se esteja prestando um serviço, apaga mais faltas do que o suplício da carne suportado durante anos, com objectivo exclusivamente pessoal."

"Só por meio do bem se repara o mal e a reparação nenhum mérito apresenta se não atinge o homem nem no seu orgulho nem nos seus interesses materiais."

"De que serve, para sua justificação, que restitua, depois de morrer, os bens mal adquiridos, quando se lhe tornaram inúteis e deles tirou todo o proveito?"

"De que lhe serve privar-se de alguns gozos fúteis, de algumas coisas supérfluas, se permanece integral o dano que causou a outrem?"

"De que lhe serve, finalmente, humilhar-se diante de Deus, se, perante os homens, conserva o seu orgulho?".

2.7. Duração das penas futuras

A duração dos sofrimentos do culpado, na vida futura, não é arbitrária, pois "Deus nunca obra caprichosamente e tudo, no universo, se rege por leis, em que a sua sabedoria e a sua bondade se revelam."

"Assim, a duração dos sofrimentos do culpado baseia-se no tempo necessário para que se melhore. Sendo o estado de sofrimento ou de felicidade proporcional ao grau de purificação do espírito, a duração e a natureza de seus sofrimentos dependem do tempo que ele gaste em melhorar-se. À medida que progride e que os sentimentos se lhe depuram, os seus sofrimentos diminuem e mudam de natureza."

Para o espírito sofredor o tempo se afigura mais longo do que quando estava encarnado. Só para os espíritos que já chegaram a certo grau de purificação, o tempo, por assim dizer, se apaga diante do infinito.

Os sofrimentos do espírito não poderão ser eternos, pois ele não poderá ser eternamente mau e jamais se arrepender. "Deus não criou seres tendo por destino permanecerem votados perpetuamente ao mal. Apenas os criou a todos simples e ignorantes, tendo todos, no entanto, que progredir em tempo mais ou menos longo, conforme decorrer da vontade de cada um."

"Mais ou menos tardia pode ser a vontade, porém, cedo ou tarde, ela aparece, por efeito da irresistível necessidade que o espírito sente de sair da inferioridade e de se tornar feliz. Eminentemente sábia e magnânima é, pois, a lei que rege a duração das penas, porquanto subordina essa duração aos esforços do espírito. Jamais o priva do seu livre-arbítrio: se deste faz ele mau uso, sofre as consequências."

Desse modo, as penas jamais poderão ser eternas, coisa que o bom senso e a razão repelem, pois uma condenação perpétua, motivada por alguns momentos de erro, seria a negação da bondade de Deus.

Os antigos, na ignorância em que se achavam, consideravam o Senhor do Universo um Deus terrível, cioso e vingativo; atribuíam-lhe as paixões dos homens. Todavia, esse não é o Deus dos cristãos que considera o amor, a caridade, a misericórdia e o perdão, como virtudes principais. Poderia, pois, Deus carecer dessas qualidades, cuja posse prescreve, como dever, às suas criaturas? Não haverá contradição em lhe atribuir a bondade infinita e a vingança também infinita? Dizemos que, acima de tudo, ele é justo e que o homem não lhe compreende a justiça. Porém, a justiça não exclui a bondade e ele não seria bom se condenasse a eternas e horríveis penas a maioria das suas criaturas. "Aliás, em fazer com que a duração das penas dependa dos esforços do culpado está toda a sublimidade da justiça unida à bondade. Aí é que se encontra a verdade desta sentença: "A cada um segundo as suas obras."

A ideia da eternidade das penas deve, pois, ser combatida, por ser blasfémia sobre a justiça e a bondade de Deus, germe fecundo da incredulidade, do materialismo e da indiferença que invadiram as massas, desde que as inteligências começaram a desenvolver-se.

2.8. Paraíso, inferno e purgatório

"As penas e gozos são inerentes ao grau de perfeição dos espíritos. Cada um tira de si mesmo o princípio da sua felicidade ou da sua desgraça. E como eles estão por toda parte, nenhum lugar circunscrito ou fechado existe especialmente destinado a uma ou outra coisa. Quanto aos encarnados, esses são mais ou menos felizes ou desgraçados conforme é mais ou menos adiantado o mundo em que habitam."

O inferno e o paraíso, assim, nada mais são do que simples alegorias. Por toda a parte há espíritos ditosos e desditosos. Entretanto, os espíritos de uma mesma ordem reúnem-se por simpatia; mas podem reunir-se onde queiram, quando são perfeitos.

"A localização absoluta das regiões das penas e das recompensas só na imaginação do homem existe. Provém da sua tendência a materializar e circunscrever as coisas, cuja essência infinita não lhe é possível compreender."

Por purgatório deve-se entender as dores físicas e morais: o tempo de expiação. "O que o homem chama purgatório é igualmente uma alegoria, devendo-se entender como tal não um lugar determinado, porém o estado dos espíritos imperfeitos, que se acham em expiação até alcançarem a purificação completa, que os levará à categoria dos espíritos bem-aventurados. Operando-se essa purificação por meio das diversas encarnações; o purgatório consiste nas provas da vida corporal."

A palavra céu deve ser entendida no sentido de espaço universal; são os planetas, as estrelas e todos os mundos superiores, onde os espíritos usam plenamente das suas faculdades, sem as tribulações da vida material, nem as angústias peculiares à inferioridade.

"De acordo com a ideia restrita que se fazia outrora dos lugares das penas e das recompensas e, sobretudo, de acordo com a opinião de que a Terra era o centro do universo, de que o firmamento formava uma abóbada e que havia uma região das estrelas, o céu era situado no alto e o inferno em baixo. Daí as expressões: subir ao céu, estar no mais alto dos céus, ser precipitado no inferno. Hoje, que a ciência demonstrou ser a Terra apenas, entre tantos milhões de outros, um dos menores mundos, sem importância especial; que provou ser infinito o espaço, não haver alto nem baixo no universo, teve-se que renunciar a situar o céu acima das nuvens e o inferno nos lugares inferiores. Quanto ao purgatório, nenhum lugar lhe fora designado. Estava reservado ao espiritismo dar de tudo isso a explicação mais racional, mais grandiosa e, ao mesmo tempo, mais consoladora para a humanidade. Pode-se assim dizer que trazemos em nós mesmos o nosso inferno e o nosso paraíso. O purgatório, achamo-lo na encarnação, nas vidas corporais ou físicas."

A última questão de "O Livro dos Espíritos", de cuja resposta extraímos apenas as partes que nos interessam de momento, é a seguinte: "Poderá, um dia, implantar-se na Terra o reinado do bem?

"O bem reinará na Terra quando, entre os espíritos que a vêm habitar, os bons predominarem, porque, então, farão com que aí reinem o amor e a justiça, fonte do bem e da felicidade. Por meio do progresso moral e praticando as leis de Deus é que o homem atrairá para a Terra os bons espíritos e dela afastará os maus. Estes, porém, não a deixarão, senão quando daí estejam banidos o orgulho e o egoísmo."

"Predita foi a transformação da humanidade e vos avizinhais do momento em que se dará, momento cuja chegada apressam todos os homens que auxiliam o progresso. Essa transformação se verificará por meio da encarnação de espíritos maus, que a morte vai ceifando dia a dia, e todos os que tentem deter a marcha das coisas serão daí excluídos, pois que viriam a estar deslocados entre os homens de bem, cuja felicidade perturbariam. Irão para mundos novos, menos adiantados, desempenhar missões penosas, trabalhando pelo seu próprio adiantamento, ao mesmo tempo que trabalharão pelo dos seus irmãos ainda mais atrasados." Neste dado, poderemos perceber as alegorias do paraíso perdido, quando o homem veio para a Terra em condições análogas, e do pecado original, ao trazer em si o germe das suas paixões e os vestígios da sua inferioridade. Essa figura do "pecado original" prende-se, assim, à natureza ainda imperfeita do homem, que é responsável por si mesmo, pelas suas próprias faltas e não pelas de seus pais.


análise das questões 965 a 982 do Livro dos Espíritos

Após a morte a vida prossegue para o espírito com a mesma intensidade e vamos deparar com as consequências de nossos atos e pensamentos. O homem pela falta de conhecimento julga os sofrimentos e recompensas como algo material; não podem ser materiais, desde que a alma não é de matéria. Essas penas e esses gozos nada têm de carnal e por isso mesmo são mil vezes mais vivos do que os da Terra.

A Felicidade dos bons espíritos consiste em conhecer todas as coisas: não conhecem o ódio, o ciúme, a inveja, nem angustia e sofrimentos da vida material. Entre os perfeitos e os maus há uma infinidade de graus.

Os espíritos puros compreendem Deus e o auxilia na construção dos mundos e a supervisioná-los. Quanto aos espíritos inferiores o sofrimento é interno; aí também existem graus, mais e menos penosos. Comprazem-se em tirar do caminho do bem àqueles que tentam melhorar, principalmente os encarnados. O maior sofrimento para eles é o de imaginar que esse sofrimento é eterno.

A idéia do inferno, do fogo eterno é muito antiga e o inferno cristão é cópia do inferno pagão. Geeno era o inferno dos antigos hebreus, sete séculos a.C. Homero, poeta e historiador grego 600 anos a.C. já citava o fogo eterno. Virgílio, poeta latino, guia de Dante Alighieri, autor de A Divina Comédia, também falava do fogo eterno. As visões de Dante sobre o Inferno - Céu e Purgatório, segundo Kardec traduzem o que acreditamos ver e a influência muito grande da época (A Divina Comédia, foi escrita em 1314 a 1321).

Esse tipo de orientação jamais conseguiu refrear os instintos inferiores, somente a fé raciocinada é que consegue. Na concepção da Doutrina Espírita esses sofrimentos são temporários. Podemos verificar na última parte do livro O Céu e o Inferno de Allan Kardec, inúmeros depoimentos de espíritos que falam sobre seus sofrimentos após a morte e a grande esperança em futuras reencarnações. André Luiz no livro Os Mensageiros, cap. 22 , " Os que dormem".

Diz André Luiz que num grande salão vê 2.000 espíritos em sono profundo, com fisionomia desagradável, são aqueles que nunca fizeram o bem, outros por indiferença e comodismo não acreditavam na vida após a morte, estão magnetizados pelas próprias concepções negativistas. Só que cada um traz dentro de si os momentos dolorosos e graves que haviam provocado.

Crimes, indiferenças, irresponsabilidade no lar com os filhos e familiares. Irão despertar um dia e regressarão a reajustes necessários. Evidentemente todos serão felizes um dia, pois para isso fomos criados. O sofrimento age como um tratamento e um despertamento aos espíritos mais endurecidos.

Centro Espírita Nosso Lar – Casas André Luis