Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

A Renovação Moral do Homem: Possibilidades e Certezas

 A Renovação Moral do Homem: Possibilidades e Certezas


Por Marcus Alberto de Mario

Passando o olhar pelos acontecimentos sociais que envolvem a humanidade, sejam eles nacionais ou internacionais, tem-se a impressão que no tempo atual tudo está muito pior do que década atrás, que o homem está mais violento, egoísta, materialista. Essa impressão é tão forte que uma amiga, externando seu pensamento sobre os últimos acontecimentos - atentados suicidas, miséria, guerras, crimes, corrupção - disse-nos que a única solução possível para a humanidade é a explosão de uma gigantesca bomba atômica, de tal maneira que todos morressem e o planeta ficasse livre do próprio homem.

É um exagero, sem dúvida, mas fruto do despreparo do próprio homem em saber enfrentar os males sociais com visão de futuro, mostrando o quanto ele próprio está longe de sua espiritualidade. Engana-se minha amiga, pois é fato patente a evolução intelectual e também moral do ser humano, apesar das distorções ainda existentes no campo moral. As leis mudaram, a ética ecológica está atuante, a procura pelas doutrinas espiritualistas é fluxo incessante. Barbarismos de ontem não são mais aceitos hoje.

Estamos em progresso porque é da lei divina a evolução, entretanto, progredindo em estado de crise. Crise de valores, de sentimentos contraditórios, que ainda arrojam parte da humanidade em conflitos que eclodem em manchetes da mídia de comunicação, levando muitos a se enganarem quanto aos prognósticos relativos ao homem e seu estado social. Se crermos em Deus, e o espírita é senhor dessa crença, positivada pela razão, não podemos discursar esse "tudo vai muito mal", "do jeito que a coisa anda, não tem solução", porque tudo tem solução, sim, tudo há de se resolver, mas não do jeito que eu ou qualquer um de nós quer, e sim do jeito certo e sem desvios da sabedoria de Deus, que sabe exatamente o que cada um de seus filhos necessita, qual o mérito de cada um e quais as provas e expiações ainda necessárias ao nosso progresso.

Lembrando o apóstolo João ao declarar que "Deus é amor", temos a plena convicção que nada acontece fora desse verdadeiro manto divino, que tudo cobre, mas nada acoberta. E por nada acobertar, nem jogar para baixo do tapete, compreende que os homens, utilizando o livre arbítrio, ainda errem em seus julgamentos, troquem valores, pois o amor divino espera com paciência ilimitada que todos nós, aproveitando as oportunidades vivenciais, compreendamos, de nossa parte, o que devemos fazer para tudo melhorar na vida.

Deus não desampara seus filhos, por isso recebemos sempre o auxílio direto de espíritos missionários, nas artes, na filosofia, na literatura, na religião e em todos os setores da cultura humana, presentes para mostrar à sociedade o melhor caminho para a renovação, para a construção de novas estruturas, levando o homem a trocar o "TER" pelo "SER". Essa troca é um ponto essencial do pensamento espírita. Se ainda contamos com muitos males, sem dúvida isso devemos à condição individual do homem, teimosamente materialista e egoísta. Seus valores, portanto muitos dos nossos valores, são imediatistas, terra a terra, fugindo da questão "morte" e agarrando-se profundamente na questão "vida", mas vida enquanto nascer, viver e morrer.

Com pouco sentido de espiritualidade, apesar de sermos espíritos imortais, satisfazendo apenas o corpo e ao status social, o homem, enquanto individualidade, é ele mesmo responsável pelo caos social, pois a sociedade é o reflexo dos indivíduos que se juntam em grupo de convívio. Entretanto, muitos alegam: se o governo fizesse sua parte, tudo estaria melhor; se o vizinho respeitasse os outros, tudo estaria melhor; se o patrão cumprisse com suas obrigações, tudo estaria melhor.

Sem dúvida, se cada um deles cumprisse com suas obrigações, claro que tudo estaria melhor, mas você já parou para pensar que, assim como você está reclamando dos outros, com os outros podem estar reclamando de você? Será que eu e você não temos defeitos? Será que eu e você cumprimos com todas as obrigações? Quem nos pede essa reflexão é a Doutrina Espírita, pois a existência é oportunidade de aprendizagens, reeducação, troca de experiências, auxílio mútuo, construção de um viver cada vez mais pautado na solidariedade, na fraternidade e na tolerância.

A possibilidade de progresso do homem e a renovação das estruturas sociais é ilimitada, não somente do ponto de vista intelectual, tecnológico, caminho trilhado com vigor até os dias atuais; mas igualmente do ponto de vista moral, desde que utilizemos a educação para propiciar a formação moral e o desenvolvimento da espiritualidade do homem. A certeza dessa renovação está no tempo, ferramenta divina que o homem está fertilizando, nem sempre com correção, mas sempre utilizando, pois o tempo é o maior tesouro que podemos possuir; tempo para conhecer, para refletir, para pensar, para criar, para corrigir, para construir, para mudar de rumo, para perdoar, para amar.

Cabe perguntar sobre uma possibilidade: podemos acelerar a caminhada rumo à perfeição? Nisso temos uma certeza: se tudo fizermos com amor e por amor, estaremos com Deus assim como Ele sempre está conosco. E estar conjugado conscientemente com o divino não é o tão sonhado estado de felicidade? Procuremos esse caminho, o melhor para trabalhar possibilidades e certezas futuras.

As perspectivas futuras são muito boas. Acreditar ou não na renovação social pela renovação moral dos indivíduos, depende do ponto de vista filosófico em que nos situamos para fazer essa análise. Estudando o Espiritismo, temos essa certeza, que não é mística, pois uma ciência conjugada com uma filosofia, qual a Doutrina Espírita, leva-nos a pensar, raciocinar, estudar, comparar e verificar os fatos. Só por isso já basta aceitarmos o convite para conhecer o Espiritismo e acreditar positivamente no futuro.

"DEVEMOS ACREDITAR E LUTAR NA RENOVAÇÃO SOCIAL PELA RENOVAÇÃO MORAL DOS INDIVÍDUOS".

Fonte: Jornal Espírita, fevereiro/04