Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

QUEM TEM MEDO DA MORTE?


"Olhemos para os mortos como para os ausentes;
pensando assim não nos enganaremos." Sêneca

"A morte não é mais do que o regresso à Verdadeira Vida." Scipião

"Nada parece e nada morre, a não ser o revestimento, a forma, o invólucro carnal,
em que o Espírito encarcerado, se debate, luta, sofre, aperfeiçoa-se. Morre a forma
- essa carcaça - mas rebrilha a alma - esse gnomo de luz; e o que é essa existência
do corpo - um sopro - perante a existência da alma - a eternidade? Mortos andamos
nós, os vivos; mortos na vida, para ressurgir vivos na morte." Alberto Veiga

REUNIÃO CONCORRIDA

"Para libertar-se do temor da morte é mister poder encará-la sob o seu verdadeiro aspecto. Isto é, ter penetrado pelo pensamento no mundo espiritual, fazendo dele uma idéia tão exata quanto possível. " (Allan Kardec)

Numa palestra, há alguns anos, no Centro Espírita "Amor e Caridade", de Bauru, falei sobre a morte.

O trabalho estava dividido em duas partes.

Inicialmente o tema foi exposto na forma de uma história ilustrada com "slides" preparados por Mizael Garbin, dedicado companheiro espírita da cidade de Mairinque. Na segunda parte respondi perguntas.

Surpreendeu-me o interesse dos presentes. Dezenas de indagações foram formuladas. O mais incrível é que a palestra tem sido reprisada, anualmente, no mesmo local, com afluência crescente de público. Perto de 750 pessoas compareceram à última apresentação.

O mesmo fenômeno em outras cidades. Muita gente, muitas perguntas. Algumas repetem-se, independente do tamanho da localidade, estado ou região, relacionadas com suicídio, acídentes fatais, desligamento, desencarne de crianças, doação de órgãos, cremação, cemitério, eutanásia, aborto, assassinato, imprudência, vício, premonição ...

Então surgiu a idéia de escrever este livro, onde as questões mais frequentes fossem abordadas. Uma espécie de cartilha de iniciação ao conhecimento da morte, algo que interessasse a toda gente, independente de crença, já que ninguém se eximirá de um contato direto ou indireto com ela, envolvendo seu próprio falecimento ou de um familiar.

Em face de limitações pessoais, mas também para torná-lo acessível a qualquer leitor, evitamos a conceituação eminentemente técnica, bem como a abordagem erudita.

No essencial, entretanto, guardamos fidelidade aos princípios da Doutrina Espírita, a abençoada fonte, onde colhemos a orientação precisa para enfrentar as dificuldades da vida e os enigmas da morte.

Quanto ao mais, ficarei muito feliz se esta cartilha ajudar alguém a "matar" a morte, superando temores e dúvidas com a compreensão de que ela apenas transfere nossa residência para o plano espiritual.

Richard Simonetti