Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

O Esquecimento do Passado

O Esquecimento do Passado
Grupo Espírita Bezerra de Menezes
Autor: José Queid Tufaile Huaixan
Textos a serem apresentados ao público através de cartaz ou lousa da casa espírita:

Segmento A
Por que o Espírito encarnado perde a lembrança do passado?

"O homem nem pode, nem deve saber tudo. Deus assim o quer, na sua sabedoria. Sem o véu que lhe encobre certas coisas, o homem ficaria ofuscado, como aquele que passa do escuro para a luz. Pelo esquecimento do passado, ele é mais ele mesmo".
(O Livro dos Espíritos, questão 392)

"Se Deus considerou conveniente lançar um véu sobre o passado, é que isto deve ser útil".
(O Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo X, item 11)

Segmento B
A lembrança do passado é prejudicial:

- Em certos casos, ela poderia humilhar-nos estranhamente, ou então exaltar o nosso orgulho.

- Poderia dificultar o exercício no nosso livre-arbítrio.

- Traria perturbações inevitáveis às relações sociais.

ESTRUTURAÇÃO DA PALESTRA
Composição: 2 segmentos.

Finalidade: Explicar às pessoas os motivos pelos quais elas não se lembram das outras encarnações que tiveram.

EXEMPLO DE COMENTÁRIOS
Segmento A:
"Allan Kardec, quando preparava O Livro dos Espíritos, questionou as entidades desencarnadas sobre os motivos pelos quais as pessoas que estão encarnadas, vivendo na matéria, não se recordam de outras vidas. Responderam que o homem nem pode, nem deve saber de tudo.
Nossa capacidade de suportar fatos desagradáveis é muito pequena. Não queremos com isso dizer que as nossas vidas passadas foram só de coisas ruins, mas há fatos nessas existências que poderiam nos trazer transtornos psicológicos profundos. Por que saber deles?
Alguns espíritas curiosos querem saber o que foram nas existências passadas. Mas não devemos nos preocupar com isso. Há coisas mais importantes com que se ocupar. Se, em algum momento, Deus quiser que nos lembremos de algum fato ligado a outras encarnações, essa lembrança nos virá naturalmente.
Esquecendo-nos do que fomos, podemos agir mais livremente. Se nos recordássemos de outras vidas, certamente isso influenciaria nosso comportamento e atitudes. Por este motivo, a sabedoria divina nos faz esquecer as lembranças".

Segmento B:
"Suponhamos que o passado fosse revelado a uma mulher. Que ela soubesse que numa encarnação ela tivesse sido uma pessoa de má índole, que houvesse prejudicado muito os outros por vontade própria. Como é que ela agiria hoje perante seus pais, seu marido ou filhos, se todas essas pessoas fossem ligadas a seu passado delituoso? É claro que ficaria humilhada.
Tudo o que fosse fazer, seria influenciado por causa desse conhecimento. Assim, o esquecimento do passado é para ela um benefício e facilita o seu livre-arbítrio, fazendo com que a nova oportunidade de vida possa ter todas as chances de êxito. Não se quer afirmar que suas más tendências vão ser esquecidas. Mas, desconhecendo o passado, elas poderão ser mais facilmente dominadas.
Imaginemos agora, um favelado que lembrasse que fôra um soberano importante no passado. Como é que ele iria aceitar estar encarnado numa favela? Não se encheria de revolta? Tudo indica que sim!
O passado certamente nos será revelado quando do nosso regresso à Espiritualidade. No entanto, isso só será feito na medida em que tivermos condições psicológicas para suportarmos esse passado.
Preocupemo-nos, pois, em conhecermos nossas más inclinações e a trabalharmos por dominá-las. Esta é um das principais funções da vida na Terra. Se analisarmos com sinceridade nossas tendências ruins certamente teremos uma idéia do que fomos em vidas passadas. Isso basta. Resta trabalhar para extirpá-las".