Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Auto estima

Auto estima


Hoje eu quero falar sobre uma questão que está presente na maioria dos distúrbios psicológicos: auto-estima. A depressão e a auto-estima rebaixada estão diretamente relacionadas, a pessoa se sente incapaz, se sente sem forças para vencer as barreiras que a vida impõe quando sua auto-estima não é boa.

Na síndrome do pânico também acontece a mesma coisa, o sentimento básico de quem tem pânico é o desamparo, é a sensação de que vai precisar de ajuda mas essa ajuda não estará disponível. Isso dá pânico, dá desamparo, é claro que uma pessoa que se sente assim tem sua auto-estima abalada. Ela se sente menos do que os outros. Menos capaz menos saudável.

O que é Auto-estima?

É a idéia, a opinião que cada um tem de si mesmo. É o sentimento que você tem por você mesmo. É o quanto você se gosta, é o quanto de valor você “considera” que você tem. Perceberam que eu falei que é o valor que você “considera” e o valor que você realmente tem? Sabe por que isso? Porque não adianta ser uma pessoa de muito valor se você mesmo não se reconhece assim, cada um avalia a si mesmo, conforme o seu “óculos” pessoal, a sua ótica pessoal. Por exemplo: eu já atendi uma moça, médica, bonita, porém deficiente física. Com um belo sucesso na profissão, muito reconhecida, casa própria, um carro maravilhoso, casa de campo etc. Enfim um monte de conquistas. Tudo o que fazia qualquer um se sentir um vencedor, mas para ela não era assim. Ainda sofria de baixa auto-estima por suas “limitações” físicas, que na prática nunca a limitaram a nada. Era muito mais uma limitação simbólica, do que real. Perceberam porque a auto-estima tem que ser entendida como o valor que a pessoa atribui a si mesma, e não a um valor “real”. E é esse valor que influência a vida de pessoas, o simbólico. É o quanto você acredita em si mesmo.

E a tão falada baixa auto-estima, ou como eu prefiro dizer para dar melhor entendimento = auto-estima rebaixada?

É quando a pessoa tem uma idéia de ter pouco valor, é quando ela tem opiniões muito negativas a seu próprio respeito. Ela se sente insegura, tem medo de fazer as coisas. Se sente inadequada, acha que não faz nada direito. Morre de dúvidas por tudo. Tem uma dificuldade sem tamanho de decidir, tomar decisões, nunca sabe o que fazer. Se vai no mercado e compra iogurte de morango, chega em casa surpreendida... “Porque eu não comprei abacaxi”. E um abacaxi é que a vida dela vira.

Medo de errar

Auto-estima rebaixada é também o medo de errar, achar que tem que fazer tudo com perfeição. Todo perfeccionista no fundo não se gosta. É muito crítico com ele mesmo, e nunca se considera suficientemente bom. Ser perfeccionista é ter a sensação de não ser capaz de fazer nada direito. É a necessidade de agradar os outros. É ficar pensando que fulano ou ciclano não gosta dela. E a crítica do outro é algo marcante. Tudo isso é uma parte do perfil da pessoa sem auto-estima. Sem amor próprio, o interessante é que ninguém nasce assim. A pessoa vai ficando sem auto-estima. Como? Vou contar...


O que  acaba  com a auto-estima de qualquer um é ficar ouvindo críticas que não tem fundamento nenhum, ou você mesmo se criticar por tudo. Sentir culpa por tudo e por todos. Outra coisa que acaba com a auto-estima é se isolar. Quanto mais você fica só, menos chance você tem de perceber o referencial do outro a seu respeito. Menos chance você se dá de ver que você tem mais valor do que você mesmo pensa.
Rejeição

Quem tem a auto-estima rebaixada é muito sensível à rejeição. Qualquer mínima demonstração que alguém deu que não está aprovando, ou querendo a sua companhia, você fica supersensível e magoado com a pessoa. Se o namorado falou que não quer sair porque está cansado... Pronto! A sua auto-estima rebaixada já vai pensar que ele tem outra mulher na vida dele. Vergonha também é sinal de auto-estima rebaixada. Se você tem vergonha de colocar suas idéias ou de começar uma conversa com uma pessoa nova, é porque você pensa que você não vai ser bem recebida. Você vai incomodar o outro. Já viram aquela pessoa que tem a atitude de quem está sempre se desculpando por existir... esse também não tem lá uma auto-estima muito boa.

Inveja

Essa é outra. Não a inveja boa que demonstra admiração e te faz estabelecer novas metas para sua vida. Porque tem a inveja boa, é a que te motiva a ser tão bacana quanto aquela pessoa que você reconheceu o valor. Mas falo agora da inveja ruim, que parece que não “autoriza” que o outro seja legal, bom, bonito, capaz ou o que for. Inveja é quando você não admite que aquilo que está provocando tanta raiva em você é na verdade algo positivo que o outro tem. E porque você fica com raiva? Porque não acredita ser capaz de também ter aquilo. Aí você tenta desmerecer o outro, porque no fundo você queria ser como ele. Essa atitude, invejosa, só demonstra que sua auto-estima está lá em baixo.

Timidez

Timidez... é outra demonstração de baixa auto-estima. É a demonstração de que você não se sente com liberdade de ser você mesma, tem medo de que possam lhe julgar avaliar... Tem gente que é tímido por ser tímido. Ex: Tem gente que eu pergunto “Qual a pior parte em você falar na sala de aula?, por exemplo”, a pessoa responde “Há...eu posso ficar vermelho”, eu pergunto “E daí, o que pode acontecer ficando vermelho?”, “As pessoas vão ver que eu sou tímido”. Perceberam, o tímido sofre duplamente. Ele sofre com a timidez e com o fato de os outros saberem que ele é tímido. Porque? Auto-estima rebaixada.

Tudo o que falei agora são os sentimentos e pensamentos negativos que fazem a auto-estima diminuir, mas também tem fatos concretos que tem esse efeito. Por exemplo... Perdas financeiras e materiais. Você perdeu o emprego, ou a empresa não está faturando tanto... Pronto! Seu pensamento já se volta contra você mesmo “Eu não sou nada”. Isso como se você fosse as coisas que você tem, aí que você se engana pois você não é as coisas que você tem ou deixa de ter, você é algo muito maior do que coisas, objetos.

Perder pessoas

A perda de pessoas queridas, por morte ou por viajem, quando surge o pensamento “ Nunca mais vou ter alguém que goste de mim de novo”. Por quê? Porque você não se gosta e acha que sua última chance ser amado se foi com aquela pessoa.

Humilhação

Outra coisa que diminui a auto-estima é ser humilhado. Mas preste atenção neste item. Humilhação também é subjetiva, você pode se sentir humilhado em uma situação onde outra pessoa nem se incomodaria. Ex: Você tem uma visita, e ela faz um comentário quanto à limpeza da sua casa, ela dá a entender que a sua casa não está limpa quanto à dela. Oras você tem filhos, trabalha fora, não dá para ficar dando brilho na casa. Mas se você se sentir humilhada pelo comentário é porque você aceitou o que ela disse como verdade, você deu crédito a essa pessoa. Aí sua auto-estima vai lá para baixo mesmo se você aceitar como verdade essa idéia quando é do outro, não sua, você mesmo se derruba.
Numa terapia você tem a oportunidade de analisar situações como essas e aprender a não se magoar mais com esse tipo de coisa. Porque não vale a pena, não é mesmo? Aprende a não se deixar contaminar pelo que os outros dizem. Para melhorar a auto-estima não precisa ganhar na loto nem fazer cirurgia plástica. A auto-estima está na cabeça. Funciona a plástica quando você tiver consciente do beneficio real que você vai ter  ou senão você cai se frustrar. Vai perceber que seu bem-estar interno só pode ser conseguido se você trabalhar a sua cabeça internamente.

Como é que se forma a auto-estima de cada um?

Ela começa a se formar lá na infância. A infância é a base. A partir daí os conceitos que você adquiriu vão se sedimentando, se solidificando com o tempo. A sua auto-estima vai se formando conforme você lá na infância, na 1ª infância principalmente, conforme você foi percebendo como era tratado pelos outros. Isso fez você formar a sua idéia a seu respeito. Se você recebeu elogios pelas suas conquistas, você teve oportunidade de trazer uma auto-imagem como uma pessoa independente, produtiva, você constrói uma auto-imagem muito boa. Mas se você foi muito criticado você forma uma percepção a seu respeito muito ruim, você pode ter se visto como defeituosa, mau, indesejado, ou inferior.
Por exemplo: se você foi comparado com outras crianças, você pode ter se sentido humilhado e cresceu com aquela sensação de vergonha que hoje você não sabe de onde veio. Em geral quem desenvolve essa baixa auto-estima fica tímido, irritado, isolado , e vive metendo os pés pelas mãos.

E porque a 1ª infância é tão determinante assim para a formação da auto-estima?

Porque quanto mais nova menos a criança consegue saber o que é real e o que é fantasia. Você quando criança com certeza levou ao pé da letra tudo o que ouvia e acreditava em tudo. É por isso que criança acredita em Papai-Noel e Coelhinho da Páscoa. Até aí tudo bem, Papai-Noel é uma coisa até legal, mas e aquelas outras coisinhas que foram acontecendo... por exemplo: Pais super-protetores, que não ensinaram a criança a ter suas responsabilidades. Isso pode estar produzindo uma criança que quando adulta se envolve emocionalmente demais com outras pessoas porque ela “aprendeu” na infância que não poderia viver separada sem o apoio de outra pessoa. Cria o que em psicologia a gente chama de self-subdesenvolvido.
Viram como as coisas que a gente vive na infância são determinantes para a sua vida hoje e você nem percebia isso. Essa é uma das partes mais bacanas da terapia, identificar o que colaborou para você hoje ter: depressão, ter medos, não ter confiança em você mesmo, se sentir um fracasso, tudo tem uma origem. Você não nasceu assim. Com certeza. E da mesma forma que você foi construindo isso tudo a gente também pode desconstruir e te reconstruir novamente. Sempre dá tempo. Sempre vale a pena. Não ta conseguindo se reconstruir sozinho? Procure um psicólogo, este profissional é o especialista nesta área.

As crianças que são maltratadas na infância são as que crescem e desenvolvem uma auto-estima muito rebaixada. Aí você pode estar pensando “ Há minha auto-estima é horrorosa, mas eu não fui maltratada na infância”. Isso é mesmo interessante. Eu encontro muitas pessoas que mesmo tendo tido famílias muito punitivas, que castigavam e batiam mesmo. Hoje essa pessoa não sente que aquilo foi “maltrato”, ela acha que era “educação”. Mas ela carrega uma sensação como se só pudesse esperar que coisas ruins acontecessem na sua vida. Sabe aquela sensação ansiosa. Telefone toca e a pessoa dá um pulo, parece que não pode vir nada de bom do telefone. Essa sensação de sobressalto pode ter o início na sua formação lá na infância. Se você é repreendido por tudo, isso te passa uma mensagem de que você só erra, fica com a sensação que não dá para esperar nada de bom de você, e em conseqüência você não espera nada de bom da vida. Mesmo que hoje você não consiga relacionar as broncas da infância com sua ansiedade de hoje, as coisas podem sim estar relacionadas.
Isso porque um adulto sabe, mas uma criança não sabe que ela forma idéias, que sua cabeça vai acumulando padrões, ela não sabe que essas idéias geram emoções, nem que essas emoções geram reações, que são os comportamentos. E o pior de tudo, só um adulto é capaz de compreender que muitas dessas idéias podem ser verdadeiras mentiras, exemplo: a criança pode ter aprendido que as pessoas só gostarão dela se elas se submeterem aos outros. Ela pode ter aprendido que se ela manifestar seus desejos, seus sentimentos, os outros vão ficar muito zangados e vão rejeitá-la. Isso acontece quando os pais exageram em exigir a obediência dos filhos. O filho pode interpretar que a vontade dos outros é sempre mais importante do que a sua. O que não é verdade. Quando criança você não questiona isso, mas quando adulto se torna aquela pessoa que nunca tem vez, não dá sua opinião porque acha que o outro é sempre mais importante do que você. Não se coloca, não se impõe.

Psicoterapia

É por isso que a terapia é importante. Para acabar com essas mentiras que contaram para você, e você acreditou. Acreditar em mentiras que rebaixam sua auto-estima, acreditar que sua opinião vale menos que a opinião do outro, acreditar que você é mais feio, mais gordo, e por isso mesmo merece menos consideração, tudo isso leva a pessoa a fazer coisas da sua vida, que só a levam para baixo mesmo. Auto-estima rebaixada limita a vida de um.
Por exemplo: Qual é o comportamento da pessoa com auto-estima rebaixada?
Ela não se gosta, não se trata bem. Ela é a 1ª a apontar seus próprios defeitos, de se culpar. É a pessoa que se relaciona com homem ou mulher casada. É a pessoa que pula de relacionamento em relacionamento, e até de emprego em emprego, não consegue se firmar. Ou até a pessoa que está sozinha, se sente sozinha e incapaz de ter um relacionamento sequer. Ou seja, todo comportamento de autoboicote, tudo aquilo de ruim que acontece, e depois percebe que você foi o maior colaborador para o resultado ter sido esse desastre, tudo isso é autoboicote, é a clara demonstração de auto-estima lá no chão. Quem não tem boa auto-estima fica inseguro, é aquele que está sempre se sentindo inadequado nos lugares, inadequado com o que falar para as pessoas, está sempre morrendo de dúvidas, acha que não pode errar nunca, é perfeccionista, ou se acha incapaz de poder fazer alguma coisa.
E a busca de aprovação. Aquela necessidade doida de ser reconhecida, necessidade de se adaptar aos outros, mesmo que ele tenha que sufocar seu verdadeiro “eu”. A auto-estima, de quem é assim, depende das reações dos outros, e não do que ele mesmo sabe que fez de bom. Ele só está satisfeito quando o outro o elogia, porque não tem um referencial interno forte, seguro. Dá para desconfiar de problemas com a auto-estima também daqueles que dão uma importância enorme à status, à dinheiro, porque para alguns parece que a única forma de se sentir bem é tendo a admiração dos outros pelo status ou pelo dinheiro que tem.

Como elevar a auto-estima

Falei tanto da auto-estima, como ela se forma, lá na infância, que conseqüências pode ter na vida da pessoa que tem baixa auto-estima. Mas o que fazer para elevar a auto-estima quando ela estiver lá em baixo? Aí é que fica interessante essa nossa conversa.
É preciso autoconhecimento, você só consegue gostar do que conhece, aprender a gostar do que você vê no seu espelho. E também aprender a aceitação e respeito pelo. Só assim você pode se aceitar. Saber identificar todas suas qualidades, e não só os defeitos. Aprender sobre você mesmo ajuda muito na auto-estima, porque você percebe que não é preciso que tudo continue sempre igual. Pra tudo tem 2ª chance. Se tratar com amor e carinho. Se dar o direito de se tratar. Se dar o direito de procurar um especialista quando as coisas não estão boas. Procurar um psicólogo para isso, porque ele vai te ajudar a melhorar seu diálogo interno, te ajudar você a se conhecer.
Perceber que você é especial. Todo mundo é. E uma dica: Faça uma coisa boa por você mesmo todo dia, coisa que te deixe feliz, mesmo todo dia, coisa que te deixe feliz, mesmo que seja uma coisa muito simples, dance, leia, caminhe, admire uma flor.


O que você vai ganhar melhorando sua auto-estima?

O que é que se ganha quando se melhora a auto-estima? Você vai ficar mais à vontade quando estiver com outras pessoas, você passa a ter presença de espírito e talvez até consiga idéia bacana que teu chefe precisava, e quem sabe você ganha até uma promoção no trabalho, Porque não? Com a cabeça fluindo mais leve, com as idéias mais tranqüilas você consegue flexibilizar muito mais seus pensamentos, e a conseqüência disso é você colocar em prática todo seu potencial que ficava aí atolado pela sua insegurança. Você vai tomar decisões mais acertadas para sua vida. Vai ter mais motivação. Mais vontade para coisas produtivas.
Trabalhando a auto-estima a autoconfiança vai jun to. Seu amor próprio aumenta. E quando você se torna uma boa companhia para você mesmo, isso se reflete para todos os lados, quem está do seu lado se contagia, seus relacionamentos melhoram, em casa, com amigos, no trabalho, em todo lugar. Essa paz interior vem porque você não tem mais tanta necessidade de ser aprovado, sendo assim a aprovação vem automática. Viram que coisa!
Já viram essa novela? Quanto mais você se esforça e fica ansioso para conseguir uma coisa, é aí que sua preocupação atrapalha e te impede de conseguir a tal coisa. Estando livre sem se preocupar a coisa flui naturalmente e acontece exatamente o que você queria.

Psicólogo

E porque conversar com um psicólogo é diferente de falar com seus amigos? Por mais boa vontade que eles tenham?
O psicólogo em 1º lugar é treinado para ouvir. Ouvir não é só ficar na frente da pessoa balançando a cabeça, é conseguir ver as coisas como quem fala vê e sentir as coisas como quem fala sente. Isso se chama empatia. É conseguir se colocar no lugar do outro.
Vocês já devem ter percebido que a parte difícil de ouvir o outro é que o nosso pensamento não para. A gente tem a capacidade de pensar 4 x mais rápido do que fala. Então as pessoas tem a tendência de misturar o que o outro fala com o que elas  tem na cabeça. Esse é um dos motivos que faz o trabalho do psicólogo ser importante. Além de ser treinado para te ouvir, ele caminha junto com você na sua compreensão a seu próprio respeito, aí sim, você se modifica comportamental e emocionalmente. Aí sim a gente descobre a chave para você finalmente adquirir a auto-estima que tanto te faz falta.



Pergunta recebida envolvendo auto estima:
Acho que estou com depressão. Fico triste porque sou gordo e imagino que estou sozinho por isso. Hoje em dia todos são julgados pela aparência, hoje tem preconceito por gente bonita, feia, gorda, magra, com cabelos, liso enrolado, ondulado, em fim por tudo. Eu queria que você me ajudasse aumentar minha auto-estima, não consigo viver mais com essa solidão no meu coração preciso de ajuda por favor.

Resposta do psicólogo:
O grande problema não é o que a vida faz contigo, mas o que você faz com essas coisas que a vida faz contigo. Ok, a frase não é minha, mas é genial.
Existem pessoas preconceituosas, sim, dez em cada esquina. Se formos atrás de agradas as pessoas jamais chegaríamos a um consenso sobre o que esperam de nós, mas também  existe a possibilidade de você  ser feliz com você  mesmo independente do que pensem a seu respeito, sabe como? Tendo uma opinião muito bem formada sobre si mesmo, quando isto estiver muito bem consolidado em sua mente a opinião dos outros valerá muito, mas muito pouco mesmo.
Pegue uma folha de papel, olhe para sua vida, observe tudo o que você  tem de bom, você pode se orgulhar de si mesmo? Por quê? Você se propõe a realizar, aprender, e ser uma pessoa do qual vale a pena compartilhar a existência? Agora escreva, coloque tudo neste papel e leia muitas vezes, e a cada vez que ler complete mais um pouco.