Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

ARREPENDIMENTO E CULPA - PALESTRA

ARREPENDIMENTO E CULPA - PALESTRA
Fonte: “Considerando o Arrependimento” do livro Leis Morais da Vida – Item 11 – Divaldo Pereira Franco/Espírito Joanna de Ângelis

Antes mesmo de adentrarmos no âmbito espírita da questão arrependimento cabe a nós lembrar que nem todos têm em mente o pensamento sólido que Cristo veio pregar de Perdão, Amor e Caridade. Justamente por estarmos ainda em um planeta de Provas e Expiações que ainda vemos muitos arraigados a sentimentos de vingança.

Quantos ainda não dizem:
Arrependo-me de não ter me vingado!
Devia ter pago na mesma moeda, arrependo-me disto ou daquilo...
Esquecendo-se completamente da lei da Ação e Reação e na Divina Providência.
Se alguém nos feriu devemos perdoar, se ainda não conseguimos que eu alce vôo à prece e peça ao menos para esquecer o mal feito. Mas não vale dizer: “Deus tarda mais não falha... !!!” como alguns dizem também “Perdôo mas sei que a Justiça  vem a cavalo”

O que significa o Arrependimento para o Espírito
Allan Kardec no livro dos Espíritos ao questionar os espíritos sobre a necessidade do arrependimento tem a sábia resposta de que o arrependimento já é uma característica de evolução do espírito.
Quando o homem já tem consciência de que cometeu algum equívoco é porque já está crescendo moralmente.
Segundo instruções recebidas de nossos amigos evoluídos, Allan Kardec caracteriza o arrependimento em três traços: desejo de melhora, sentimento de culpa e esforço de superação.

Mas o que é arrependimento?
Se buscarmos na psicologia profunda de Freud o arrependimento estará paralelamente agregado ao sentimento de culpa por alguma coisa errada que o homem pratica e adquire ciência.
Muitos são os que se encarceram neste sentimento de culpa e arrependimento, mas nada fazem para corrigir/superar e passam uma vida inteira sofrendo seu equívoco sem saírem do lugar como que estacionados.

EX.: “Depressão, causas, conseqüências e tratamento” – Izaias Claro no cap. Intitulado “Sentimento de culpa” narra que certa ocasião, após terminar uma de suas preleções uma senhora o procura e conta que ela sofria com um sentimento de culpa que carregava sozinha há 50 anos... Quando tinha 22 anos, na década de 40 ela havia ficado noiva de um rapaz e antes do casamento tiveram relações íntimas e ela ficará grávida, mas quando contou ao rapaz este he devolveu a aliança dizendo que não confiava que o filho fosse dele. Com medo da repressão da época optou por tirar o menino que levava no ventre e desde então nunca mais tivera paz. Nunca mais tivera outro relacionamento e morria de remorso pelo mal feito!

Vejam que exemplo típico de um espírito endividado, mas que ele próprio já se auto-punira!!! Quando que o Espiritismo nos auxilia muito nestes casos dizendo que precisamos também nos auto-perdoar e corrigir o mal feito... Tal senhora poderia ter se dedicado a trabalhar em um orfanato ou em qualquer outra atividade no bem e no amor a fim de ressarcir o débito do passado. Todos nós sabemos que Deus é um pai misericordioso e que neste caso a moça errou por desconhecer a lei maior, na época.

Voltando ás características que giram em torno do arrependimento, DESEJO DE MELHORA:
Não é tão simples assim porque o desejo de melhorar implica em reconhecer a própria dificuldade moral, “reconhecer a própria sombra” como fala Ermance Dufaux no livro “Reforma Íntima sem martírios”
E é fato que não há outro caminho para nosso aprimoramento moral senão reconhecermo-nos imperfeitos ainda. Precisamos, a cada dia, nos encorajarmo-nos a nossa auto-melhora.

Gosto muito do episódio do E.S.E. quando Santo Agostinho ensina que todos os dias, antes de dormirmos, devemos refletir sobre tudo o que fizemos de bom e de ruim e repetir o bem feito, mas tratar de corrigir o mal logo que nos for possível.
Lembrando a parábola de nosso Mestre Jesus que, antes de deitarmos qualquer oferenda ao Pai, que nos reconciliemos com nossos irmãos. Somente assim seremos dignos de dádivas e perdão.
E o espiritismo é uma Doutrina bastante lógica que nos leva sempre à razão mostrando-nos, todos os dias, com inúmeros exemplos de como a lei da ação e reação é perfeita como Deus o é.

O segundo ponto importante, que os Espíritos nos apontam é justamente o SENTIMENTO DE CULPA:
E os espíritos colocam claramente que no estágio em que nos encontrarmos não fosse à culpa não sairíamos do lugar. É justamente o sentimento de culpa que impulsiona o homem a sua evolução e progresso.
Lado ruim da culpa: é o caso da senhora que narramos do livro de Izaias Claro, sentiu-se culpada, mas nada fez para ressarcir o erro, por ignorância do espírito. Deveria ter procurado ajuda, buscado orientação... Nossos erros nos devem servir de apoio para o nosso futuro e não de cárcere mental ou espiritual.

Ex.: No livro “Nosso Lar” – André Luiz no cap. 40 narra o episódio comovente do encontro de André com Elisa, uma antiga empregada de sua casa quando ainda era jovem... A moça fora trabalhar em sua residência quando ele era muito jovem e ele a envolveu e a moça entregou-se aos seus encantos. Na época seu pai havia percebido o mal feito e despediu a moça. A.Luiz nunca mais soube dela.
Mas como sabemos da lei da Ação e Reação André Luiz encontrou esta moça nas câmaras de retificação cega e muito judiada pelas dores que deve ter passado. André pede a Narcisa auxilio e é instruído a ajudar a moça. Com sentimento grande de culpa, compaixão e vontade de ressarcir o seu erro do pretérito André aproxima-se de moça e descobre que depois que saiu de sua residência passou a vender o corpo e adquiriu sífilis chegando à pobreza, cegueira e óbito... A dor que André sentira ao ouvir a narrativa fora profunda e com ajuda de Narcisa pode ajudar a moça a sua recuperação oferecendo-lhe seu amor e amparo.
Vemos neste capitulo de Nosso Lar a grande lição de que sempre teremos oportunidade de ressarcimento deste ou daquele erro... Senão nesta vida, nas próximas e porque não no próprio plano espiritual como narra o Livro Nosso Lar. Mostrando que a providencia Divina não desampara ninguém.

O terceiro aspecto para promover o equilíbrio no processo do arrependimento seria O ESFORÇO, aliado a vontade e desejo de reparar todo e qualquer equívoco.
Isto nos faz lembrar Paulo de Tarso que disse “ A mim, que fui antes recrimino, perseguidor e injuriador, mas alcancei a misericórdia de Deus porque o fiz por ignorância e por ser incrédulo”.
Todos nós sabemos que Paulo era antes Saulo o Soldado que perseguia Jesus e passou a segui-lo após cair em si e enxergar o que antes seus olhos não viam.
Mas diante de nós há ainda muitos cegos de sua real condição, arraigados ao personalismo, confundindo a luz à treva... Quantos de nós não observamos que todos os dias este ou aquele se faz orgulhoso e vaidoso deste ou daquele cargo ou função? Sábio de nós se mantivermo-nos apenas atentos ao aprendizado...

Ex.: Dia destes a Internet mostrou um Juiz que demitiu um estudante de direito porque este estava muito próximo ao caixa automático enquanto ele tirava dinheiro... O Juiz irritou-se com a distância em que o rapaz se colocou (...) Abuso total de autoridade!

É comum vermos pessoas que não cumprimentam funcionários mais humildes como porteiro, faxineiros etc. Principalmente quando se encontram junto de pessoas que julgam mais importantes!
Nas casas religiosas, espíritas ou não também não fugimos à regra ao observarmos vaidosos de seus conhecimentos rígidos aos livros religiosos deste ou daquele seguimento. Pessoas afiadíssimas em lançar críticas destrutivas neste ou naquele trabalhador menos conhecedor.
Cabe-nos tirarmos os véus que nos encobrem não somente nossos olhos, mas nossa alma ou seremos como IRMÃO JACCOB no livro Voltei que embora trabalhador espírita dedicado demorasse muito tempo para enxergar-se na luz.

No livro “O Céu e o Inferno” Kardec afirma que somente ocorrerá a regeneração do Espírito quando este atingir as Três condições necessárias para apagar os traços de seu erro. Ou seja, arrependimento, expiação e reparação.
Lembrando que nem sempre precisamos sofrer a dor e nos auto punirmos com o não perdão... Façamos o que os Espíritos nos instruíram, alcemos vôo à prática da Caridade e Amor ao próximo.
Lembrando que a cada qual sabe da necessidade deste ou daquele remédio.

Ex.: No livro “Reforma ìntima sem martírios¨ - Ermance Dufaux no cap. 5 narra um fato onde um excelente trabalhador de uma casa espírita se via perturbado com os freqüentes pensamentos equivocados voltados a sexualidade... Sr.Agenor Pereira era casado e estava sempre á frente de situações que para outro homem que não conhecedor da Doutrina já teria levado seu casamento à ruína. Sr.Agenor, entretanto passou a fazer vibrações constantes para que não caísse nas sendas da tentação e um dia fora levado ao Plano Maior e fora mostrado que durante muitas encarnações estivera envolto as arremetidas do mal cometendo adultério, destruindo famílias e agora estaria diante de situações para que fosse provado... Quando Sr.Agenor acordo do sono que fora acometido entendera, entretanto a razão das constantes dificuldades neste âmbito da sexualidade.
Outro detalhe que a autora espiritual Joanna de Ângelis nos quisera chamar atenção fora justamente o concurso da Prece em todo e qualquer problema que estejamos envoltos. Vejam no caso do Sr.Agenor que o concurso da prece o salvará de recalcitrar nos erros do passado.

Quando a Dor insiste em bater nossa Porta
Não percamos nunca a esperança de estarmos mais felizes logo mais, não importa o erro que cometi, a dor que estou sentindo...

Amanhã o Sol brilhará certamente,
Haverão mais estrelas no céu do que hoje,
E certamente menos lágrimas do que ontem porque Deus é maior do que tudo e eu como seu filho não poderei desistir jamais!

Muito obrigada por sua atenção. Paz e Luz a todos!