Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Arrependimento, Culpa e Reparação


Um caminho de Esperança


O caminho saudável de uma pessoa que cometeu um erro e que já consegue classificá-lo como inadequado, é, sem dúvida, o arrependimento. Este seria o primeiro grito da consciência para anunciar que aquilo que nós fizemos, não deveríamos ter feito. A consciência moral adverte-nos quanto à qualidade ou valor de nossa ação.

Do ponto de vista ético e vivencial pode-se afirmar que o arrependimento é uma insatisfação causada pela violação de um princípio moral aceito pela pessoa como valor necessário. Isto resulta na livre aceitação da punição ou castigo , além do que a pessoa se dispõe a evitar futuras transgressões.

No plano da evolução do Espírito o arrependimento em si mesmo já é uma conquista, porquanto significa que houve algum progresso. Somente se arrependem sinceramente as criaturas que conseguiram desenvolver uma certa sensibilidade ( feeling na língua inglesa), o que Kardec chamou apropriadamente de maturidade do senso moral . E é esta maturidade que nos permite compreender a essência da Doutrina, consoante a análise particular que Kardec faz acerca dos bons espíritas:

“(...) a parte por assim dizer material da ciência somente requer olhos que observem, enquanto a parte essencial exige um certo grau de sensibilidade, a que se pode chamar maturidade do senso moral (grifei), maturidade que independe da idade e do grau de instrução, porque é peculiar ao desenvolvimento, em sentido especial, do Espírito encarnado”.1

O pensamento espírita estabelece uma nítida relação entre senso moral e sensibilidade .

Propondo uma reflexão de natureza psicossociológica que confirma nosso raciocínio, Kardec considera que os laços de família são mais fortes no seio de uma civilização moral mais avançada (como parece ser a nossa), e que “esses laços, mais fracos nos povos primitivos, fortalecem-se com o desenvolvimento da sensibilidade e do senso moral”. 2

Kardec afirmou que “com a inteligência e o senso moral nascem as noções do bem e do mal, do justo e do injusto” 3. E nascem também os fenômenos emocionais do arrependimento, do remorso e da culpa, que abrem caminhos para a futura reparação.

Como vemos, há uma estreita relação entre sensibilidade , desenvolvimento do senso moral e arrependimento . Este representa uma expressão de sensibilidade do ser que já alcançou um certo grau de sua consciência moral. Já não se encontra numa condição de embotamento da sua capacidade avaliativa e nem enceguecido pelo egoísmo que o impele a atender exclusivamente seus interesses, não raras vezes em prejuízo de muitos.

O arrependimento, deste modo, pode ser entendido como uma experiência de alguém que já consegue se sensibilizar diante de suas ações infelizes e percorre, em seguida, o rumo que a maturidade psicológica já alcançada lhe permitir.

É evidente que existem graus diferenciados de arrependimento, variando desde formas mais pálidas e fugazes até a posição de profunda sinceridade, fruto da maturidade psicológica. Neste último caso, há uma disposição do ser para o reajustamento através da reparação.

Os Espíritos esclarecem que o arrependimento no estado corporal tem como conseqüência “fazer que, já na vida atual , o Espírito progrida, se tiver tempo de reparar suas faltas. Quando a consciência o exprobra e lhe mostra uma imperfeição, o homem pode sempre melhorar-se”4.

É comum que nos sintamos culpados em decorrência do ato psicológico e moral do arrependimento. Neste sentido, há que se estabelecer uma distinção entre a culpa terapêutica e a culpa patológica . A primeira é saudável, ao passo que a segunda provoca transtornos variados.

A culpa pode se desdobrar em remorso como pode levar o indivíduo a condutas e experiências de maior equilíbrio.

Quando alguém se equivoca por algum motivo e se arrepende, é compreensível que surja a culpa nos painéis da consciência.

Não sendo a culpa um sentimento negativo em si, cumpre o papel de nos despertar a consciência para a renovação de atitudes, recompondo-nos moralmente. É claro que não estou a me referir à culpa enquanto experiência emocional que se baste a si própria. Apenas vivenciar a culpa não enseja nenhuma transformação. É precisamente nesta etapa que a responsabilidade estabelecerá o ponto de corte entre a culpa saudável e a não saudável.

Ao lidar com o sentimento de culpa, se o indivíduo assumir a responsabilidade sobre seus próprios atos e agir verdadeiramente como um adulto, saberá enfrentar de modo maduro as conseqüências de seus atos. E neste caso não se inquietará com os tormentos conscienciais do remorso, o qual representa um grau mais profundo de culpa. A culpa é como uma constante insatisfação e recusa na consciência, enquanto que o remorso traduz um estado de inquietação na alma pelo erro cometido. É uma questão de grau.

Quando convertemos a culpa em responsabilidade, crescemos psicologicamente. Disto resultará a disposição para o heteroperdão (perdoar o outro) bem como para o autoperdão (perdoar-se), passos fundamentais para a reparação.

Por outro lado, a fixação nos quadros de remorso se nos tornará mais difícil a revisão dos atos, a reflexão madura e a conseqüente atitude de responsabilidade já referida. Será contingencialmente necessário, neste sentido, vivenciar os resultados do remorso, suas conseqüências, para podermos mais tarde nos liberar de tais cobranças internas e despertar nosso senso de responsabilidade. Quando a culpa é internalizada, estamos diante do remorso, o qual se converte em algoz interno, verdugo de nós mesmos, a produzir quadros mentais e emoções descontroladas que representam a base para inúmeros outros problemas e transtornos psicológicos.

A responsabilidade marca, de fato, uma diferença na conduta do ser. Ser responsável é reconhecer humildemente suas falhas e desejar sinceramente reparar o mal feito. Assumir as nossas responsabilidades é ter a coragem de ser, é demonstrar capacidade de agir com elevação e dignidade, sem escamoteações ou desculpismos insustentáveis. Em muitas situações entendemos (quando a culpa é consciente) ou sentimos (quando a culpa é inconsciente) que as condutas autopunitivas geradas e sustentadas pelo sentimento de culpa estariam a serviço de algum “pagamento” da dívida moral. Pessoas que cometeram erros e que se arrependem, podem terminar por se punir, acreditando que no fundo não merecem uma vida melhor, uma vida feliz. Punem-se pela consciência de culpa que lhes visita a alma. Não se permitem recomeçar ou reparar a falta cometida. A culpa deita o indivíduo no berço esplêndido da inação, dando-lhe ao mesmo tempo a falsa idéia de resgate ou reajustamento. Não nos reerguemos pela dor escolhida e vivida em clima de insatisfação, queixumes e revolta, como aliás propõe o amigo espiritual Lacordaire em “Bem sofrer e mal sofrer”.5

Numa linguagem da filosofia existencialista, ter responsabilidade significaria sair de uma vida banal, inautêntica e vulgar para uma vida autêntica e filosófica, através da consciência dos problemas existenciais e da sua condição de ser existente no mundo, sendo ele responsável por todos os seus atos. Esta autenticidade se traduz pela coragem de ser, de romper com a banalidade nas relações humanas e ser o que se escolhe ser.

O pensamento espírita está todo ele baseado na noção de responsabilidade pessoal pelos próprios atos.

Vejamos o que afirmaram os Espíritos a esse respeito:

“Deste ao bruto o instinto, que lhe traça o limite do necessário, e ele maquinalmente se conforma; ao homem, no entanto, além desse instinto, deste a inteligência e a razão; também lhe deste a liberdade de cumprir ou infringir aquelas das tuas leis que pessoalmente lhe concernem, isto é, a liberdade de escolher entre o bem e o mal, a fim de que tenha o mérito e a responsabilidade das suas ações (grifei)”.6

É preciso considerar que estas noções de responsabilidade e consciência dos resultados morais das ações vão se desenvolvendo no ser imortal lentamente, ao longo de seu processo de evolução espiritual, o que se reflete no processo de desenvolvimento psicológico e emocional do ser encarnado.

Assumida a responsabilidade, já estamos avançando em direção à reparação.

Kardec considera três passos fundamentais nestes casos: o arrependimento, a expiação e a reparação. Este modelo rompe com a visão culturalmente transmitida até os dias de hoje segundo a qual devemos temer o mal e buscar a todo custo o bem.

Quantos conflitos neuróticos dominaram nosso campo consciencial e emocional pelo remorso patológico a que nos entregamos por conta de um sistema de valores (pessoal e socialmente compartilhado muitas vezes) construído sobre as bases do medo e da culpa! Até hoje ressumam de nosso inconsciente os resíduos de tais conflitos.

O modelo proposto no pensamento espírita revela-se-nos acolhedor, humanista e moralmente elevado em sua fundamentação.

Analisando o assunto em “O Céu e o Inferno”, Kardec afirma que

“o arrependimento, conquanto seja o primeiro passo para a regeneração, não basta por si só; são precisas a expiação e a reparação. (...) Arrependimento, expiação e reparação constituem, portanto, as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas conseqüências” (1 a parte, cap. VII, item 16).

Apagar os traços de uma falta e suas consequencias é tarefa para os seres que já despertaram a consciencia para outros valores e adotam, por isto mesmo, uma postura mais realista e produtiva na vida.

Em algumas tradições religiosas basta o indivíduo se arrepender, que ele estará isento das responsabilidades sobre os atos cometidos anteriormente. Entende-se que nestes casos o perdão seja uma dádiva, uma graça, e não uma consquista, algo que resulta do trabalho e do esforço.

Kardec esclarece:

“O arrependimento suaviza os travos da expiação, abrindo pela esperança o caminho da reabilitação; só a reparação, contudo, pode anular o efeito destruindo-lhe a causa. Do contrário, o perdão seria uma graça, não uma anulação.

Vemos no trecho acima que é a esperança o que resulta do arrendimento. Sendo este o primeiro passo, é compreensível que haja, pela expiação, sofrimentos físicos e morais, todavia isto será precedido pela esperança.

É a esperança que nos dá a força necessária para os resgates que se fazem necessários, a fim de que nossa consciencia se tranquilize após a reparação. Deste modo, a visão defendida pelo Espiritismo há que ser sempre otimista e esperançosa, porquanto não se deseja “a morte do ímpio, senão que ele se converta, que deixe o mau caminho e que viva”, conforme asseverou o profeta Ezequiel (33:11) e cujo ensinamento encontra-se na página de rosto da obra “O Céu e o Inferno”.

É o próprio Codificador quem nô-lo evidencia, quando considera que “desde que se manifestam os primeiros vislumbres de arrependimento, Deus lhe faz entrever a esperança”.

Observe-se que a esperança poderá resultar desde os primeiros vislumbres de arrependimento. Isto significa que a expiação e a reparação poderão ser frutos da esperança, ao mesmo tempo em que ela própria sustenta as ações do ser na realização do que lhe compete para assumir as consequencias de suas condutas.

Este modo de pensar inverte a lógica do pensamento judaico-cristão. Antes se admitia a necessidade de sofrer para evoluir. Aqui se entende que o sofrimetno é acidente de percurso, e não uma condição sine qua non para o desenvolvimento das potencialidades do ser. Sofremos por conta de nossas açoes equivocadas e não devido a um impositivo da Lei de Deus. O único impositivo desta é nosso crescimetno moral e intelctual para conquistarmos, nós mesmos, a felicidade plena pela perfeição relativa.

A noção de expiação é tratada com o mesmo tom de esperança e otimismo. Há pessoas que mesmo tendo bebido altas doses de conhecimento nas fontes seguras do conhecimento doutrnário espírita entendem que a expiação é punição, quase castigo. Afirmou o codificador que

“até que os últimos vestígios da falta desapareçam, a expiação consiste nos sofrimentos físicos e morais que lhe são conseqüentes, seja na vida atual, seja na vida espiritual após a morte, ou ainda em nova existência corporal. (item 17 – CI)

Não sendo nosso planeta um “vale de lágrimas”, a expiação cionsiste, na realiade, de experiencias que terminam por desenvolver nossa sensibilidade mais profunda. É como o processo de lapidação de uma predra preciosa. Para mostrar nossa essencia precisamos viver experiencoias de amor, mas qando delinquimos no amor, no coonhecinmento, o sofrimetno é caminho que se nos abre para o desenvomvneto da nossa sensisbilidade e amadutrecimento de nosso senso moral diante da vida. Afirmou Kardec que “a reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se havia feito o mal”7.

Como estamos considerando nossa jornada evolutiva como uma caminho de esperança, recordemo-nos nos momentos difíceis de arrendimento e culpa, quando “nosso coração nos condena”, de que “Deus é maior que o nosso coração, e conhece todas as coisas”8.

Henrique Fernandes

Membro Expositor da Associação Médico-Espírita do Rio de Janeiro.
Membro Conselheiro da Rádio Rio de Janeiro. Mestre em Psicologia, Psicólogo e Psicoterapeuta. www.henriquefernandes.com.br

_______________________________________________________________
1 KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo , capítulo 17, item 4.
2 KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo , capítulo XXIII, item 6.
3 KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno , primeira parte, capítulo VII.
4 KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos , questão 992.
5 KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo e Espiritismo, cap. V, item
6 KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo , capítulo XXVIII, item 3.
7 KARDC, Allan. O Céu e o Inferno , ...........
8 O Novo Testamento. João, 3:20.