Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

domingo, 11 de maio de 2014

"HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DE MEU PAI"

"HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DE MEU PAI"

PRINCIPAIS LIÇÕES CONTIDAS EM “O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO”, CAPÍTULO III: HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DE MEU PAI.



Geziel Andrade

“Crede em Deus, crede em mim também. Há muitas moradas na casa de meu Pai. Se assim não fosse, eu vos teria dito, pois vou para preparar-vos um lugar, e depois que me for, e que vos tiver preparado um lugar, eu retornarei, e vos levarei comigo, a fim de que, onde eu estiver, vós aí também estejais.” (João, Cap. XIV, Vers. 1 a 3.)

DIFERENTES ESTADOS DA ALMA NA VIDA ESPIRITUAL

O Universo é a casa do Pai.

As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito. Elas oferecem aos Espíritos encarnados estadas adequadas ao seu avanço intelectual e moral.

Na vida espiritual, conforme o Espírito seja mais ou menos depurado e desprendido dos laços materiais, se situa num estado feliz ou infeliz, com o aspecto das coisas, as sensações experimentadas e as percepções variando ao infinito.

Enquanto uns Espíritos não podem se distanciar da esfera de vida em que viveram como encarnados, outros se elevam e percorrem o espaço e os mundos.

Enquanto certos Espíritos culpados erram nas trevas, os Espíritos justos gozam de uma claridade resplandecente e do sublime espetáculo do infinito.

Enquanto o Espírito mau vive atormentado por remorsos e lamentos, freqüentemente só, sem consolação, separado dos objetos de sua afeição, gemendo sob a opressão dos sofrimentos morais, o Espírito justo, junto dos que ama, saboreia as doçuras de uma felicidade indizível.

Essas são as várias moradas da alma na vida espiritual.

DIVERSAS CATEGORIAS DE MUNDOS HABITADOS

Os diversos mundos habitados estão, uns em relação aos outros, em condições muito diferentes. Essas condições variam em função do grau de adiantamento ou de inferioridade intelectual e moral de seus habitantes, que são Espíritos encarnados.

Entre os mundos materiais, há aqueles cujos habitantes são ainda mais inferiores, em termos físico, intelectual e moral, do que os da Terra.

Existem outros mundos que os Espíritos encarnados estão no mesmo grau de adiantamento que os da Terra. E outros ainda lhe são mais ou menos superiores, em todos os sentidos.

Enquanto nos mundos inferiores à Terra a existência é totalmente material, com as paixões reinando soberanas e a vida moral quase nula; nos mundos mais adiantados a influência da matéria diminui, a ponto de, nos mais avançados, a vida se tornar predominantemente espiritual.

Nos mundos materiais considerados intermediários, há uma mistura entre a prática do bem e do mal, com a predominância de um ou de outro, segundo o grau de adiantamento dos habitantes de cada um deles.

Dessa forma, os mundos habitados podem ser classificados em:
• Mundos primitivos, destinados às primeiras encarnações da alma humana.
• Mundos de expiações e provas, nos quais o mal ainda predomina. A Terra ainda pertence a esta categoria de mundos, de modo que o homem está exposto às misérias ainda existentes decorrentes da prática do mal.
• Mundos regeneradores, nos quais as almas, ainda sujeitas a expiações dos erros cometidos, buscam novas forças e descansam das fadigas de suas lutas evolutivas.
• Mundos felizes, nos quais o bem supera o mal.
• Mundos celestes ou divinos, nos quais o bem reina exclusivo.

Os Espíritos encarnados não cumprem num determinado mundo todas as fases do progresso intelectual e moral, que devem conquistar para chegar à perfeição.

Quando eles atingem o grau de adiantamento que um mundo comporta, passam para outro mundo mais avançado. Assim, vão sucessivamente evoluindo até que tenham chegado ao estado de Espíritos puros.

Dessa forma, os Espíritos que se esforçam para progredir são promovidos a um mundo de ordem mais elevada, como recompensa merecida.

Já o Espírito relapso tem que prolongar a sua estada no mundo infeliz, como castigo. Algumas vezes, o Espírito obstinado no mal se vê forçado, como punição, a habitar um mundo ainda mais infeliz do que aquele que teve de deixar.

DESTINAÇÃO DA TERRA. CAUSA DAS MISÉRIAS HUMANAS

Na Terra ainda são encontradas a maldade, as más paixões, as misérias e as enfermidades. Mas é preciso considerar que na Terra não se encontra toda a Humanidade; mas apenas uma pequena fração dela.

A espécie humana abrange todos os seres dotados de razão, que povoam os inumeráveis mundos do Universo.

Assim, a população da Terra, em seu grau de adiantamento material, intelectual e moral, é muito pequena, se comparada com a população total do Universo.

Mas, os Espíritos encarnados que habitam a Terra, à medida de seu progresso e adiantamento intelectual e moral vão passando a habitar mundos mais felizes.

PRINCIPAIS LIÇÕES CONTIDAS NAS INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS

PRINCIPAIS LIÇÕES CONTIDAS NO RESUMO DO ENSINAMENTO DOS ESPÍRITOS SUPERIORES A RESPEITO DOS MUNDOS SUPERIORES E DOS MUNDOS INFERIORES

Um determinado mundo é inferior ou superior em relação aos que estão acima ou abaixo dele na escala progressiva.

Tomando-se a Terra como ponto de comparação, nos mundos mais atrasados, os Espíritos encarnados que os habitam são de certo modo rudimentares. Eles têm a forma humana, pouco desenvolvimento da inteligência, beleza escassa, predomínio dos instintos materiais, preocupação centrada nos alimentos, ausência de sentimento de benevolência e falta de noções do justo e do injusto.

Mas Deus não abandona nenhuma de suas criaturas. Aqueles que se tornam superiores aos outros, trabalham na eclosão de uma vida mais plena. Assim, não são seres degradados, mas crianças em fase de crescimento.

Entre os mundos que se encontram nos graus inferiores e os mundos considerados elevados, existem inumeráveis escalões.

Os Espíritos que evoluíram com as encarnações nesses mundos habitados e se tornaram Espíritos puros, desmaterializados e resplandecentes de glória, ficaram irreconhecíveis em relação à época em que animaram seres primitivos.

Nos mundos que já atingiram um grau superior ao da Terra, as condições de vida moral e material são muito diferentes. A forma do corpo é a humana, mas embelezada, aperfeiçoada e, sobretudo, purificada. A pouca resistência da matéria à exteriorização das faculdades dos Espíritos já bem evoluídos torna rápido o desenvolvimento dos corpos.

Nesses mundos felizes, as relações entre os povos são sempre amigáveis. Só a superioridade moral e intelectual estabelece a diferença das condições e dá a supremacia. O homem não procura elevar-se acima do homem, mas acima de si mesmo, aperfeiçoando-se, para chegar à condição de Espírito puro. Todos os sentimentos elevados da natureza humana já se encontram ali engrandecidos e purificados. Um laço de amor e de fraternidade une todos os homens.

Esses mundos afortunados não são privilegiados. Deus dá a todos os seus filhos os mesmos direitos e as mesmas condições para chegarem lá. Faz que todos partam do mesmo ponto, dotados com os mesmos recursos, e conquistem posições cada vez mais elevadas, o mais cedo possível, através de seu trabalho.

PRINCIPAIS LIÇÕES CONTIDAS NAS INSTRUÇÕES DO ESPÍRITO SANTO AGOSTINHO, DADAS EM PARIS, EM 1862, SOBRE OS MUNDOS DE EXPIAÇÕES E DE PROVAS

A Terra deve ser considerada um mundo de expiações e provas para os Espíritos que nela estão encarnados.

O grau de inteligência já alcançado por muitos de seus habitantes indica que ela não é mais um mundo primitivo, destinado à encarnação dos Espíritos que acabaram de sair das mãos do Criador.

Os Espíritos que habitam a Terra já adquiriram certas qualidades e realizaram certos progressos com as provas que já suportaram; mas ainda são inclinados aos vícios e à imperfeição moral. Assim, precisam expiar suas faltas através de trabalhos penosos e das misérias da vida, até que mereçam ir encarnar para um mundo mais feliz.

Nem todos os Espíritos encarnados na Terra estão em expiação. Aqueles apenas saídos da infância espiritual estão se educando e se desenvolvendo ao contato com Espíritos mais evoluídos. Outros em progresso estão se desenvolvendo pouco a pouco, ao longo dos períodos seculares, em busca da perfeição intelectual e moral.

Alguns Espíritos em expiação já viveram em outros mundos, mas foram excluídos deles em conseqüência de sua obstinação no mal e por serem motivo de perturbações para os bons. Têm que conviver entre Espíritos mais atrasados para os fazer avançar, com sua inteligência já desenvolvida e os conhecimentos adquiridos, experimentando as misérias e as amarguras ao terem de agir entre Espíritos que têm o senso moral pouco desenvolvido. Com esse trabalho penoso, Deus reverte o castigo em progresso, ao lhes permitir desenvolver ao mesmo tempo as qualidades do coração e as da inteligência.

PRINCIPAIS LIÇÕES CONTIDAS NAS INSTRUÇÕES DO ESPÍRITO SANTO AGOSTINHO, DADAS EM PARIS, EM 1862, SOBRE OS MUNDOS REGENERADORES

Os mundos regeneradores servem de transição entre os mundos de expiações e provas e os mundos felizes. Nesses mundos, a alma consciente do bem e do mal encontra a calma e o descanso para terminar a sua depuração; mas o homem ainda está sujeito às leis que regem a matéria.

A humanidade já está liberta das más paixões, do orgulho, da inveja e do ódio. A palavra amor já está escrita em todas as frontes, permitindo a equidade nas relações sociais. Todos reconhecem Deus e tentam chegar até Ele seguindo as Suas Leis.

Embora isso, a felicidade perfeita ainda não existe nos mundos regeneradores, pois ela é para os Espíritos completamente perfeitos.

Comparativamente à Terra, seus habitantes são bem felizes, por estarem menos absorvidos pelas coisas materiais e entreverem melhor o seu futuro.

Alguns Espíritos podem falir e praticar o mal ante as provas que ainda precisam sofrer, quando não estão firmes no caminho do bem. Então, podem tornar a cair nos mundos de expiação, nos quais têm novas e terríveis provas a cumprir.

PRINCIPAIS LIÇÕES CONTIDAS NAS INSTRUÇÕES DO ESPÍRITO SANTO AGOSTINHO, DADAS EM PARIS, EM 1862, SOBRE A PROGRESSÃO DOS MUNDOS

O progresso é uma das leis da natureza. Todos os seres da criação, animados e inanimados, estão sujeitos a ele pela bondade de Deus, que quer que tudo cresça e prospere.

Ao mesmo tempo em que os seres vivos progridem moralmente, os mundos que eles habitam progridem materialmente, oferecendo a seus habitantes uma morada mais agradável. O progresso dos mundos acompanha o avanço dos seres no caminho do progresso.

Assim caminha, paralelamente, o progresso do homem, dos animais, dos vegetais e da habitação. Essa evolução é grande e digna da majestade do Criador.

A Terra, seguindo essa lei, esteve material e moralmente num estado inferior ao que se encontra hoje. E atingirá, sob esse duplo aspecto, um degrau mais avançado. Ela passa por um de seus períodos de transformação, em que, de mundo expiatório, vai tornar-se mundo regenerador. Então, os homens serão felizes, porque a lei de Deus vai reinar entre eles.
- - - - - - - - - -
REFLEXÕES DO AUTOR DESTE ARTIGO SOBRE AS LIÇÕES CONTIDAS NESSE CAPÍTULO III DE “O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO”

As revelações de Jesus acerca da existência de muitas moradas na casa de Deus encontraram, com o Espiritismo, uma complementação maravilhosa.

Com a Doutrina Espírita, conseguimos entender a grandiosidade da Obra da Criação e o contexto amplo em que estamos inseridos no Universo, na condição de Espíritos imortais, Filhos de Deus em permanente progresso intelectual e moral, até que conquistemos a perfeição espiritual.

Além disso, com o Espiritismo, conscientizamo-nos a respeito:
1. Da posição atual da Terra no contexto dos mundos habitados;
2. Das condições de vida vigentes na Terra em função do grau de evolução intelectual e moral dos Espíritos nela encarnados;
3. Das provas, expiações e missões que temos que cumprir nas jornadas terrenas como oportunidades para galgarmos posições melhores na hierarquia espiritual e nas moradas existentes na casa do Pai;
4. E das promoções que podemos conquistar com os esforços para o desenvolvimento e o bom uso das faculdades, o bom aproveitamento do tempo nesta jornada terrena e a conquista e prática das virtudes e dos valores imperecíveis que foram ensinados e exemplificados por Jesus.