Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

domingo, 11 de maio de 2014

Destinação da Terra. Causas das misérias humanas

Destinação da Terra. Causas das misérias humanas

Muitos se admiram de que na Terra haja tanta maldade e tantas paixões grosseiras, tantas misérias e enfermidades de toda natureza, e daí concluem que a espécie humana bem triste coisa é. Provém esse juízo do acanhado ponto de vista com que se colocam os que o emitem e que lhes dá uma falsa ideia do conjunto.

Deve-se considerar que na Terra   não está a Humanidade toda, mas apenas uma pequena fração da Humanidade.

Com efeito, a espécie humana abrange todos os seres dotados de razão que povoam os inúmeros orbes do Universo. Ora, que é a população da Terra, em face da população total desses mundos? Muito menos que a de uma aldeia, em confronto com a de um grande império. A situação material e moral da Humanidade terrena nada tem que espante, desde que se leve em conta: a destinação da Terra e a natureza dos que a habitam.

Jesus disse: "Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Há muitas moradas na casa de meu Pai; se assim não fosse, já eu vo-lo teria dito " (João, 14:1 a 3), o Mestre estava nos ensinando o princípio da pluralidade dos mundos habitados.

Espanta-se em encontrar na Terra, tanta maldade e más paixões, tantas misérias e enfermidades.
Pensa-se: Toda a humanidade é uma triste coisa.
Porém esse julgamento é limitado e falso: a Terra não representa toda a humanidade, mas sim uma pequena porção dela.
Tomando-se a Terra como planeta ainda de provas e de expiação, compreende-se por que ainda as aflições sobrepujam as alegrias.
Não se envia a um hospital pessoas sadias, nem às casas de correção aqueles que não fizeram o mal.
Da mesma forma que numa cidade, toda a população não está nos hospitais ou nas prisões, toda a humanidade não está sobre a Terra.

LEI DE CAUSA E EFEITO

André Luiz [Ação e Reação] nos diz:

"É a conta do destino criada por nós mesmo, englobando os créditos e os débitos que em particular nos digam respeito. É o sistema de contabilidade do Governo da Vida."

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA LEI DE CAUSA E EFEITO:

Allan Kardec examina [CI-cap VII] com profundidade a Lei de Causa e Efeito. Através de 33 itens, ele tece inúmeros comentários importantes a respeito.

Apresentamos uma síntese:

a) "O estado feliz ou desgraçado de um Espírito é inerente ao seu grau de pureza ou impureza. A completa felicidade prende-se à perfeição. Toda imperfeição é causa de sofrimento e toda virtude é fonte de prazer."
O homem sofre em função dos defeitos que tem: a inveja, o ciúme, a ambição, egoísmo, maldade, os vícios sociais são as causas fundamentais dos sofrimentos.
Portanto, o único caminho que nos levará à felicidade completa é o do esforço constante no combate às más inclinações, através da reforma íntima;

b) "O bem como o mal são voluntários e facultativos: livre o homem não será fatalmente impelido para um nem para outro."
Em [LE-qst 645] os benfeitores espirituais afirmam que não há arrastamento irresistível. O homem tem sempre liberdade de escolher entre o bem e o mal e seguir o caminho da Correção ou do vício. Por esse motivo, por ter escolhido livremente a opção a tomar, ele torna-se responsável pelos seus atos.

Emmanuel diz:
"A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória."