Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

LAÇOS DE FAMÍLIA E PARENTESCO

LAÇOS DE FAMÍLIA E PARENTESCO - 81

familiares
Os laços de família constituem uma lei da Natureza.
Todas as formas de relacionamento social são necessárias para propiciar a evolução humana, mas os laços familiares são os mais significativos por aproximarem mais fortemente uns aos outros de seus membros.
De todas as associações existentes na Terra nenhuma talvez seja importante como a família devido à sua função natural de educar e de regenerar espíritos reencarnados.
Na família os laços que unem as pessoas são de duas espécies: os laços consanguíneos e os laços espirituais.
Os laços consanguíneos resultam apenas da união biológica do casal e são frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, mesmo na existência atual.
Os laços espirituais são duráveis e se perpetuam no mundo dos Espíritos.
A família terrestre é formada de Espíritos encarnados de diversas índoles espirituais, porquanto nela se encontram, comumente, afetos e desafetos, amigos e inimigos, para os ajustes e reajustes indispensáveis ao progresso e evolução moral.
Por outro lado os Espíritos se aglutinam mediante planejamento, quando não impositivamente, por igualdade dos gostos e por afeição.
Atendendo aos impositivos do progresso, os espíritos se revezam no mundo, ora desempenhando o papel de pais, ora de filhos ou outros graus de parentesco, aprendendo assim, gradativamente, as lições de amor.
Uma vez esclarecido o importante e providencial papel da família para a evolução individual e da Humanidade, evidencia-se a responsabilidade dos pais e dos mais compreensivos familiares e parentes, quanto ao compromisso espiritual de promover, vivenciar, e preservar, os valores morais através da educação e do bom relacionamento.
Para viver bem em família é necessário: aproximação, mesmo que virtual, de seus membros; convivência fraternal e prestativa; apreço e consideração de uns para com os outros; precaução quanto às possíveis divergências e desentendimentos.
  • Luiz Gonzaga Seraphim Ferreira – 24/09/2011
  • Consulta: “Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita” (FEB)