Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Instruí-vos - O consolador

Instruí-vos


A instrução é clara: “Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo” (O Evangelho segundo o Espiritismo - 6, 5). Todavia, sua operacionalização não é de fácil execução. Primeiramente, como é difícil aprender a amar de verdade! Vestido num escafandro pesado e desajeitado de carne, é preciso aprender a se amar para aprender a imolar-se e a ter as rédeas do destino. Ora, medidas paradoxais para enfrentar as doces ilusões da vida. É o libertar-se de maya (ilusão). Já diziam os hindus que o corpo é uma carruagem que, se o piloteiro não for habilidoso, os cavalos dos sentidos físicos é que irão decidir para onde ir.

Ainda sobre o amor, vale a pena lembrar que, na Bíblia, há três palavras utilizadas para designar amor: eros (amor libidinoso), philia (amor de amizade) e agape (amor de afeição). Eros é o amor apaixonado na sua forma sexual. É a busca do prazer, da satisfação do apetite sexual e da valorização do hedonismo do corpo. Certamente a Bíblia não faz apologia a isso. Todavia, não se pode desprezar, nem subestimar eros devido a sua força, a ponto de Freud qualificá-lo como um dos dois instintos principais que determinam o comportamento do Homem. O outro instinto é o da morte.

Por sua vez, philia é o amor brindado no Evangelho de João: “Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei! Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida por seus amigos. Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu Senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai” (15, 12-15).

É importante lembrar que dos vários Espíritos citados nos Prolegômenos de O Livro dos Espíritos, São João Evangelista é o primeiro a encabeçar a lista. O segundo é Santo Agostinho que também tem uma relação toda especial com o amor. O amor como necessidade, como problema existencial, pois é o que dá plenitude. Se da transição das vidas inferiores para as superiores precisamos desaprender até então a estratégia dominante, o egoísmo, precisamos agora aprender a amar. É preciso esvaziar o nosso jarro cheio de egoísmo e preencher com amor, transmutando o vaso de barro em taça límpida de cristal. Todavia, é difícil esquecer aquilo que se sabe fazer bem e que foi vitorioso até então. O passado é o tempo do egoísmo. O presente e o futuro, o do amor. O amor como amizade é precioso néctar que exige abnegação, paciência e dedicação, sendo a amizade patrimônio eterno que guardam os corações amigos.

O terceiro tipo de amor é o agape e está ligado à questão da afeição e da caridade, sendo o tipo de amor mais presente nos textos bíblicos. Tenha afeição, respeito, simpatia, admiração por Deus, por teus inimigos, por teus amigos, por teus pais. O “Hino ao Amor-Caridade” de Paulo de Tarso (1Corintios, 13) é uma passagem de magistral beleza sobre agape. Segue pequeno trecho: “o amor é paciente, é benfazejo; não é invejoso, não é presunçoso nem se incha de orgulho; não faz nada de vergonhoso, não é interesseiro, não se encoleriza, não leva em conta o mal sofrido; não se alegra com a injustiça, mas fica alegre com a verdade. Ele desculpa tudo, crê tudo, espera tudo, suporta tudo”.

Esta é, sem dúvida, para doutrina que tem como lema “fora da caridade não há salvação”, uma instrução minuciosa, mas não exaustiva, do “‘Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro ensinamento”. Até porque “o forte deve trabalhar para o fraco. Não tendo este família, a sociedade deve fazer as vezes desta. É a lei de caridade.” (O Livro dos Espíritos, perg. 685).

Sobre o “instruí-vos”, cabe antes de tudo remetermo-nos novamente à famosa pergunta 685 de O Livro dos Espíritos, agora com os comentários de Kardec:

Esse elemento é a educação, não a educação intelectual, mas a educação moral. Não nos referimos, porém, à educação moral pelos livros e sim à que consiste na arte de formar os caracteres, à que incute hábitos, porquanto a educação é o conjunto dos hábitos adquiridos. Considerando-se a aluvião de indivíduos que todos os dias são lançados na torrente da população, sem princípios, sem freio e entregues a seus próprios instintos, serão de espantar as consequências desastrosas que daí decorrem? Quando essa arte for conhecida, compreendida e praticada, o homem terá no mundo hábitos de ordem e de previdência para consigo mesmo e para com os seus, de respeito a tudo o que é respeitável, hábitos que lhe permitirão atravessar menos penosamente os maus dias inevitáveis. A desordem e a imprevidência são duas chagas que só uma educação bem entendida pode curar.
Primeiramente é importante perceber que a educação, pelo menos se restrita a esta pergunta, não é a instrução baseada em livros, mas na formação de pessoas que saibam cuidar, administrar sua própria vida. É o famoso “vai e não peques mais” de Jesus. Ou ainda: vai, não peques mais e sê útil ao teu semelhante. Uma vida com ordem e previdência, utilidade e criação de valor. Uma vida produtiva é uma vida bem vivida. Aliás, “todo administrador sincero é cioso dos serviços que lhe competem; todo pai consciente está cheio de amor desvelado. Deus também, meu filho, é Administrador vigilante e Pai devotadíssimo” - nos ensina a Mãe de André Luiz (Nosso Lar, p. 219).

Cabe lembrar que a palavra “administrador” vem do latim ad minister e significa “tendência para subordinação, obediência”. Outra palavra comumente usada como sinônimo é manager e está ligada à “ménagère” que significa “dona de casa”. Administrador é o que cuida da casa, da vida.

Assim, a instrução é adquirir conhecimentos, hábitos, recursos que possibilitem ao indivíduo administrar sua vida e os bens do Senhor de forma sábia e produtiva. Se realmente os comentários de Kardec sobre a pergunta 685 são a crème de la crème de O Livro dos Espíritos, então é necessário perceber que a ligação com a lei do trabalho e a Economia não é por acaso. Desde Adam Smith sabe-se que o trabalho é a fonte de criação de valor e riqueza da Economia. Todavia, numa visão mundana, é o enriquecimento ilícito do burguês que se sobressai ao invés do seu trabalho, prudência e previdência. Por exemplo, o publicano Zaqueu era malvisto até mesmo pelos apóstolos como nos referencia Humberto de Campos em seu magistral “Boa Nova”. Todavia, foi esse mesmo homem abastado que deu pouso e alegria para Jesus, sendo chamado por ele de servo bom. Ainda neste livro, na passagem da última ceia, percebe-se o critério de valor para ser o maior: “porque no Reino do Bem e da Verdade o maior será sempre aquele que se fez sinceramente o menor de todos” (p. 211).  

Assim, a maior de todas as riquezas é conseguida por meio do trabalho, da dedicação, do sacrifício ao próximo. Ou como diria outro lema do Espiritismo: “Trabalho, Solidariedade, Tolerância”.

Mas, será que todo tipo de trabalho é importante?

Pesquisando a questão da criação de valor e consequentemente da condição competitiva das empresas, Bowman e Ambrosini (2000) sugerem que há três tipos de trabalho: genéricos, diferenciados e improdutivos.

Trabalhos genéricos são aqueles comuns, não diferenciados, que são facilmente entendidos, codificados e rotinizados e que muitas outras empresas possuem. Apesar das organizações necessitarem de trabalhos genéricos, não são eles que trazem vantagem competitiva ou rendimentos superiores.  

Trabalho Diferenciado é mais exclusivo. Não é encontrado de forma equânime entre as empresas e por isso pode ser fonte de retornos superiores. Os exemplos podem ser desde um talento especial de um engenheiro, um designer, ou a maneira idiossincrática de um vendedor. Trabalhos diferenciados fazem a diferença. Um subtipo do trabalho diferenciado é o trabalho empreendedor. Antes de tudo é preciso definir empreendedor como sendo o visionário, o sonhador prático, aquele que vislumbra oportunidades e consegue articular recursos, pessoas no alcance de tais objetivos. Assim, Bowman e Ambrosini (2000) definem trabalho empreendedor como sendo as habilidades e conhecimentos específicos que possibilitam inovações, melhorias, articulações de ideias e recursos para aproveitamento de oportunidades e aumento de receitas para o alcance de uma situação melhor da empresa. No campo espiritual, o trabalho empreendedor guarda proximidades com os homens de gênios de Kardec. (A Gênese, cap.1.)

Já trabalhos improdutivos são aqueles que nada acrescentam, perdendo tempo e valor para as empresas e funcionários.

Desta forma, o lema “Trabalho, Solidariedade, Tolerância” não pode ser encarado de forma simplista. É necessário perceber que todo trabalho tem um propósito e que o trabalho diferenciado/empreendedor é ímpar para a evolução. Ou ainda, para a coevolução, haja vista que o homem é um ser social e a malha, a rede social onde ele está inserido pode influenciar, positiva ou negativamente, na questão.

De acordo com Von Zuben (s/d, p. 1), “Na biologia, coevolução é associada à influência evolucionária mútua entre duas espécies que apresentam dependências entre si, de forma que uma espécie exerce pressão seletiva sobre a outra”. Ademais, há autores que defendem que toda evolução é coevolutiva, não havendo evolução isolada. Assim, a coevolução está ligada ao conceito de múltiplas adaptações por meio de competição e/ou cooperação. A coevolução competitiva vem da ligação presa-predador ou de jogos com soma “zero”, para um ganhar o outro tem que perder. Já a coevolução cooperativa aparece na simbiose, no mutualismo etc.

Em outra área que aparece o termo coevolução com certa frequência é na computação, principalmente com trabalhos de algoritmos evolucionários (AE) que auxiliam na solução de problemas dinâmicos e complexos, principalmente aqueles que se intensificam ao longo do tempo.

Em 2003 a IBM realizou simpósio sobre o assunto. De acordo com Spohrer (2003), coordenador desse evento, a coevolução acontece quando dois ou mais sistemas evoluem de maneira conjunta e progressiva, dependente e recorrente. Conjunta porque não representa mudanças isoladas, mas dependentes e progressivas visando a um fim. Recorrente porque busca haver uma continuidade na linha do tempo.

Outro caso interessante é registrado no artigo de Husbands e Mill (1991). Os autores tratam sobre a coevolução e o processo de planejamento e simulação computacional. Para eles, quando se compartilha de um mesmo mundo, a adaptação de qualquer indivíduo em qualquer população sofre influências de coevolução, haja vista as interações e limitações de recursos.

Além disso, a coevolução é ativa. Não é simples adaptação de mudança que acontece e se reage a ela. A coevolução é participar ativamente na mudança de si e indiretamente na do outro, principalmente pelo aumento de ágape para que se possa alcançar uma condição descrita como “ganhe mais, ganhe mais”, por Ramaswamy (2009), ao invés da colaboração do tipo “ganha x perde”. Todavia, para adentrarmos numa coevolução positiva é necessário criar condições para um círculo virtuoso de respeito, trabalho, progresso, admiração, trabalho, progresso etc.

Mas, como fazer isso?

É fundamental o trabalho diferenciado e os homens de gênios, bem como fornecer condições para que se possam existir rotinas e processos organizacionais que dão sustentação e estabilidade a esse círculo virtuoso.

Na área organizacional a questão é abordada por meio do diálogo e da comunicação clara e transparente, do planejamento estratégico, da busca pela cooperação, da motivação e do exemplo.

O relacionamento humano é permeado de desentendimentos e interpretações equivocadas. Um gesto malfeito, uma palavra mal colocada, uma expressão menos dócil, e o relacionamento é posto em xeque. Desta forma, o diálogo é forma de entendimento entre as interpretações das interpretações. Assim, é necessário que haja o devido respeito, a humildade de quem manda e ativismo de quem é subordinado para a existência da conversa, do diálogo, da superação de mal-entendidos e pontos de divergência. Além do mais, é necessária a comunicação clara e transparente das ações e processos da gerência, uma vez que sem comunicação plena e aberta não há confiança e nem cooperação a longo prazo. Assim, a informação é fonte para o conhecimento, prova de confiança e de bom senso. Sua falta prejudica, assim como também o uso desregrado. Não se pode ensinar tudo para todos. Os Espíritos nos dão o exemplo.

Já o planejamento estratégico é maneira de assegurar o progresso por meio do uso racional dos recursos e do tempo. Quem não planeja, nem fixa indicadores de desempenho, não sabe para onde vai, nem a qual velocidade. É necessário planejar para realizar avaliações, monitoramentos, revisões periódicas e ajustes. Lembre-se que no plano espiritual nada acontece por acaso, nem sem planejamento prévio. Com o planejamento busca-se uma condição superior junto com a ordem e a previdência.

Por sua vez, a cooperação é elemento para ampliar as possibilidades de ganho, fazendo mais do que se poderia fazer sozinho. Quem coopera ajuda e é ajudado. Todavia, entre seres imperfeitos, mas plenamente perfectíveis, a cooperação pode ser amistosa ou não. A primeira é a cooperação natural. A segunda é o que se chama de cooptação, ou seja, cooperação e competição ao mesmo tempo. Paradoxal, mas uma prática que já vem sendo difundida entre as empresas devido ao acirramento competitivo. Neste caso, é interessante as partes perceberem que, por um dado tempo, trabalhando-se em conjunto, os ganhos individuais e coletivos são superiores.

A cooperação sofre profunda influência do processo de comunicação e de motivação. Com a motivação, a pessoa fica bem disposta a ajudar, pois não apenas se sente útil, mas também valorizada. Um fato interessante na motivação é que quando ela existe, o trabalho, por mais difícil que seja, é realizado com vontade. Motivação e vontade influenciam-se reciprocamente Por isso, é necessário haver um tratamento especial na motivação dos frequentadores e trabalhadores da Casa Espírita.

De maneira geral, toda Casa Espírita tem três tipos de “clientes”: desencarnados, encarnados frequentadores, encarnados voluntários. Os desencarnados são pessoas com necessidades especiais e exigem conhecimentos especializados e condições específicas para sua satisfação e atendimento de necessidades. Já os encarnados frequentadores são aqueles com vínculo tênue com a Casa, mas que exigem cuidados, seja do lado espiritual, seja do material. Por sua vez, os encarnados trabalhadores voluntários também representam tipo especial e valioso de cliente; um cliente trabalhador. Sem ele as atividades da Casa diminuiriam ou até cessariam. Ele é um cliente que exige motivação, haja vista que está lá para usufruir dos serviços disponíveis da Casa, mas também para exercitar suas mãos, seu trabalho, seu bem-estar. Todavia, ele é plenamente livre e sensível aos mandos e subordinações. É um cliente exigente, muitas vezes mais do tipo cliente-cliente, do que cliente-trabalhador. Sendo assim, ele é um bom termômetro para verificar a qualidade e efetividade da gestão da Casa. Sua permanência e desenvolvimento dependem muito de seu amadurecimento, bem como da sensibilidade e tato da gerência. Outro ponto importante é a existência de serviços e experiências disponíveis para envolvê-lo com motivação, interesse, respeito, cooperação e, principalmente, valorização. É necessário dividir tarefas sem mutilar sentimentos ou engessar o desenvolvimento individual.

Por fim, mas não menos importante, é necessário que “quem está mais acima, dê o exemplo”. Ou seja, não se pode cobrar trabalho se o gestor não trabalha. É necessário haver aderência entre discurso e prática, inspiração poética e transpiração, planejamento e execução. Lembre-se de Jesus: “Meu Pai trabalha sempre, e eu trabalho também”. (João 5, 17.)

Resumidamente: diálogo, comunicação transparente, planejamento, cooperação, motivação e exemplo são alguns itens que podem auxiliar os administradores da Casa Espírita a se organizarem de forma racional e prática, funcional e efetiva a ponto de orquestrar os vários recursos, exigências e necessidades, tendo em vista uma melhoria contínua e profunda de todos, buscando fomentar o trabalho diferenciado, a rotina eficaz e prazerosa. Enfim, a orientar e a acelerar a coevolução. Desta forma, ágape se torna sustentável de forma universal quando a Casa é bem administrada; o amor dá condições, o trabalho realiza. Portanto, é necessário aprender a entrar e a permanecer neste ciclo virtuoso, lembrando sempre que o “céu” é uma casa bem administrada.



Referências:

ANDRÉ LUIZ. (2008). Nosso Lar. Rio de Janeiro: FEB.

BOWMAN, C.; AMBROSINI, V. (2000). Value creation versus value capture: towards a coherent definition of value in strategy. British Journal of Management. v. 11, 1-15.

CAMPOS, H. (2010). Boa Nova. Rio de Janeiro: FEB.

KARDEC, A. (1995). O livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB.

KARDEC, A. (1997). O Evangelho segundo o Espiritismo. São Paulo: Petit.

KARDEC, A. (2008). A Gênese. Araras: IDE.

RAMASWAMY, V. (2009). Co-creation of value – Towards an expanded paradigm of value creation. Marketing Review, St Gallen, 6, p.11-17.

SPOHRER, J. (2005). History, Definitions, Projections, Disruptions, Advances, Challenges. Symposium on the Coevolution of Technology-Business Innovations. IBM.

VON ZUBEN, F. J. (s/d). Co-evolução. Material de sala de aula. Não Publicado. Disponível em: ftp://ftp.dca.fee.unicamp.br/pub/docs/vonzuben/ia707_1s06/aulas/topico_coevol.pdf. Acessado em Outubro/2010.