Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Espíritas, amai-vos e instruí-vos

Espíritas, amai-vos e instruí-vos

Domério de Oliveira

Podemos colocar a nossa Doutrina na sagrada bitola destas duas dinâmicas: Amor e Instrução.

Sabemos que o amor é a máxima expressão da vida. E sabemos, também, que o amor é a força de Deus que equilibra o Universo e os seres. O amor é fruto da nossa conquista espiritual. O Espírito evolui, hoje, em nossos dias, ninguém mais contesta a lei da evolução. Nos primeiros degraus da nossa longa jornada, o amor manifesta-se bruxuleante, como um pequenino ponto de luz. Depois, essa luz vai aumentando e quanto mais crescemos moralmente. O amor resplandece inundando a nossa Alma. O melhor conceito do amor, nos o encontramos, cristalino, nas palavras de Emmanuel:

"O Amor é o laço de luz eterna que une todos os mundos e todos os Seres da imensidade; sem ele, a própria criação infinita não tem razão de ser, porque Deus é a sua expressão suprema".

Sim, meus amigos. Amor e Instrução, duas asas magníficas que nos ajudarão a nos elevarmos dos pântanos poluídos, deste plano de provas, para alcançarmos esferas mais diáfanas.

Instrução é o ato ou o efeito de instruir. E instruir é adquirir conhecimento. E só adquirimos conhecimentos através de nossos estudos e, acima de tudo, através das boas leituras dos bons livros.

Meus amigos, estudo é a fonte perene da nossa emancipação moral e espiritual. Pelo estudo, abrimos os nossos olhos e aprendemos a separar o joio do trigo. A boa leitura liberta-nos das preocupações vulgares e nos faz esquecer das atribulações da vida. O bom livro, sem dúvida, é o nosso melhor amigo que nos dá bons augúrios, bem como, nos coloca em sintonia com os grandes vultos do passado. Sim, meus amigos, o bom livro é como uma voz que nos fala através dos tempos e nos relata os trabalhos, as lutas, as descobertas daqueles que nos precederam no caminho da vida e que, em nosso proveito, aplainaram as nossas dificuldades.

Não poderíamos almejar, maior felicidade, o poderemos, através do livro, comunicar- nos, pelo pensamento, com os Espíritos Eminentes de todos os séculos e de todos os países. Os sábios, os filósofos, os pensadores, os escritores, através da Ciência, das Artes e da Literatura. Ao contato dessas obras que constituem o mais precioso dos bens da humanidade, compulsando esses livros notáveis, pelos nossos estudos, sentimos um engrandecimento íntimo, sentimo-nos felizes ao pertencermos ao gênero humano. As irradiações dos pensamentos desses eminentes vultos, que incorporamos em nossas leituras, estendem sobre as nossas almas, enriquecendo-as com aquele verdadeiro tesouro que os ladrões não conseguem roubar e que as traças não conseguem destruir.

Meus amigos, nestas circunstâncias, saibamos escolher bons livros e habituemo-nos a viver no meio deles em relação constante com os Espíritos Elevados. Rejeitemos as obras imundas, rejeitemos a baixa literatura que nada edifica, mas que só serve para poluir nossas mentes. Acautelemo-nos dessa sub-literatura pornográfica que deixa, em sua passagem, a corrupção e a imoralidade.

Alguns amigos e confrades alegam falta de tempo para a boa leitura; entretanto, tempo não lhes falta para certos prazeres fúteis e conversações ociosas; se quisermos, sempre poderemos arrumar algum tempo para a boa leitura, basta querermos. Também, não se pode alegar falta de dinheiro para a aquisição de livros. As bibliotecas circulantes aí estão para empréstimo gratuito de bons livros. Em nossos dias, os preços dos livros espíritas são acessíveis aos bolsos mais humildes. Assim, cremos, que todos os interessados e estudiosos terão oportunidade para haurir instrução.

Sim, podemos alcançar o amor, no seu sentido mais amplo - cristão, podemos nos instruir, através das nossas lutas íntimas, através do nosso trabalho na Seara do Bem e através da nossa boa vontade. Lembremo-nos sempre:

"O livro edificante é o templo do Espírito, onde os Grandes Instrutores do Passado se comunicam com os aprendizes do presente, para que se façam os mestres do futuro".

(Nima Arueira - "in" - "Mensagens Esparsas" - psicografia de Francisco Cândido Xavier).

(Publicado no Correio Fraterno do ABC Nº 365 de Junho de 2001)