Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Desgaste Inútil

Desgaste Inútil

Marcus De Mario*

Muitas pessoas vivem a síndrome da ansiedade, sempre preocupadas com o que pode acontecer. Junto com a depressão, a ansiedade é considerada uma doença moderna, aguçada pelo capitalismo e tecnologia dos tempos atuais. Estudando as causas da ansiedade, o psicólogo inglês D. Engler chegou à seguinte classificação:
Preocupação com coisas que nunca chegam a acontecer – 40%.
Preocupação por coisas que nenhuma força conseguiria mudar – 35%
Preocupação por coisas que no fim acabam dando certo – 15%
Preocupação sem nenhum motivo válido – 8%
Preocupação por coisas que realmente merecem atenção – 2%
A conclusão é de que em 98 de 100 casos as preocupações não fazem sentido ou não são realmente importantes, sendo em sua maioria imaginárias, provocando ansiedade, depressão, distúrbios orgânicos e emocionais.
A pessoa ansiosa normalmente é repleta de medos e angústias, o que faz com que, diante da preocupação muitas vezes imaginária, mantenha-se paralisada, sem procurar saber a verdade ou sem procurar uma solução para aquilo que a aflige. Pode também viver num estado maior ou menor de pânico, com taquicardias, sudorese e outros sintomas que parecem mostrar desequilíbrios orgânicos, quando na verdade são efeitos do estado de ansiedade. Tudo isso, ao longo do tempo, pode realmente levar a pessoa a ficar organicamente doente, assim como abre as portas, do ponto de vista espiritual, pela lei de sintonia, para um processo obsessivo.
Sobre o assunto, a benfeitora espiritual Joanna de Ângelis, em seu livro “O Homem Integral”, psicografo pelo médium Divaldo Pereira Franco, ensina que:
“O grande desafio contemporâneo para o homem é o seu autodescobrimento. Não apenas identificação das suas necessidades, mas, principalmente, da sua realidade emocional, das suas aspirações legítimas e reações diante das ocorrências do cotidiano. Mediante o aprofundamento das descobertas íntimas, altera-se a escala de valores e surgem novos significados para a sua luta, que contribuem para a tranquilidade e a autoconfiança”.
Descobrir-se é a senha para uma vida mais tranquila, com menos estresse. Na medida em que procuramos saber quem somos, de onde viemos, o que estamos fazendo aqui e para onde vamos, reavaliamos o existir e refletimos sobre os valores que nos impulsionam frente à sociedade e à própria vida, levando-nos a significar as lutas de cada dia com mais amplitude, percebendo o potencial interior de que somos dotados, o que gera tranquilidade, paz de espírito.
Lembremos que o Mestre Jesus proclamou ter vencido o mundo, ou seja, não se deixou levar pelos constrangimentos que a sociedade procura impor através do egoísmo, informando ainda que se nossa fé for verdadeira, tudo podemos superar.
É por isso que, em seu texto, Joanna de Ângelis complementa:
“A análise cuidadosa da existência planetária e das suas finalidades proporciona a vivência salutar da oportunidade orgânica, sem o apego mórbido ao corpo, nem ao medo de perdê-lo. Os ideais espiritualistas, o conhecimento da sobrevivência à morte física, tranquilizam o homem, fazendo que considere a transitoriedade do corpo e a perenidade da vida, da qual ninguém se eximirá”.
O tratamento da ansiedade, desse desgaste inútil que acarretamos a nós mesmos, passa pela espiritualização do ser, e nesse campo o Espiritismo realiza uma grande contribuição, ao informar e demonstrar que não somos o corpo, que somos almas imortais em trânsito para a perfeição, pois a vida continua depois da morte do equipamento orgânico.
E ainda mais, pois a doutrina espírita resgata em espírito e verdade os ensinos de Jesus sobre o amor ao próximo, a solidariedade fraternal, a compaixão, a oração que nos liga a Deus e gera novas energias, a fé que remove montanhas. Ensinos que, colocados em prática, nos levam à verdadeira felicidade, à paz de espírito que tanto almejamos, vencendo as disputas que engendramos no passado, sacudindo a poeira da acomodação e espantando os medos que ainda nos acompanham.
Evitemos preocupações imaginárias para preservarmos a saúde orgânica e o equilíbrio emocional, utilizando as lições do Espiritismo para construção de um amanhã mais feliz.
*Marcus De Mario é escritor, tendo vários livros publicados, palestrante, colaborador da mídia espírita, educador e consultor empresarial