Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

domingo, 31 de março de 2013

Divórcio e Espiritismo


Divórcio e Espiritismo

Sérgio Biagi Gregório

1) O que entende por divórcio?

Casamento é qualquer projeto de vida em comum entre pessoas de sexos diferentes. O divórcio é o rompimento legal do casamento. Diz-se também das dissensões entre marido e mulher ou entre amigos. Exemplo: dado o seu mau caráter, está em divórcio com todos.

2) Qual a diferença entre divórcio e repúdio?

Os romanos tinham duas formas: divortium (que dependia do consentimento de ambos os cônjuges); repudium (repúdio), que dependia da vontade de um dos cônjuges.

3) Como era o casamento e o divórcio na Roma antiga?

Na Roma antiga, era costume casar-se e descasar-se. As mulheres contavam os anos pelo número de maridos. César, por exemplo, repudiou sua mulher com a simples alegação de que “a mulher de César não deve ser suspeita a ninguém”. Observava-se, também, que era uma honra para a mulher ter tido um único marido. Nesse caso, em seu túmulo ia a seguinte lápide: “não teve senão um marido”.

4) Como estão as estimativas de casamento e divórcio no Brasil e no mundo?

Nos Estados Unidos, 50% dos casamentos acabam em divórcio. Na União Européia, a cada 30 segundos um casamento é dissolvido. Por cada dois casamentos, há um que se rompe. De acordo com Censos e pesquisas do Registro Civil do IBGE, o número de divorciados no Brasil tem aumentado ao longo do tempo. Em 1980 houve 41.140 divórcios; em 1991, 378.469; em 2000, 2.319.595. Esses números representaram, respectivamente, 0,03, 0,26 e 1,37% da população. Presentemente, a cada 6 novos casamentos há 1 divórcio.

5) Qual é a definição do direito canônico sobre a indissolubilidade do casamento?

A definição dada para a indissolubilidade é: “A propriedade em virtude da qual o matrimônio não pode dissolver-se, senão pela morte de um dos cônjuges”. (conf. Can., 1118)

6) Para os judeus, o divórcio aparece em que citação bíblica?

O divórcio como direito masculino é encontrado em Deut. 24, 1-4. O item 24,1 está assim descrito: “Quando um homem tomar uma mulher, e se casar com ela, então será que, se não achar graça em seus olhos, por nela achar cousa feia, ele lhe fará escrito de repúdio, e lho dará na sua mão, e a despedirá de sua casa”.

7) Onde buscar os argumentos cristãos no novo testamento?

As convicções cristãs estão firmadas nas próprias palavras do Cristo, que só no adultério via motivo para o divórcio (Mat., 19,9)

8) Deve-se facilitar o divórcio entre as criaturas?

O Espírito Emmanuel, comentando a passagem evangélica sobre o divórcio, diz-nos que “partindo do princípio de que não existem uniões conjugais ao acaso, o divórcio, a rigor, não deve ser facilitado entre as criaturas”. Entende-se que o regime monogâmico é o que melhor se presta para a evolução do ser encarnado.

9) Não separar o que Deus uniu. Comente.

No casamento, o que é de Natureza Divina é a união dos sexos e a Lei do Amor para operar a renovação dos seres que morrem; mas as condições que regulam essa união são de ordem humana, sujeita aos costumes de cada povo.

10) Que tipo de reflexão o Espírito André Luiz nos faz acerca da noção de lar?

O Espírito André Luiz, no livro Nosso Lar, diz-nos que o lar é como um triângulo reto nas linhas do plano de evolução divina. “A reta vertical é o sentimento feminino, envolvido nas inspirações criadoras da vida. A reta horizontal é o sentimento masculino, em marcha de realizações no campo do progresso comum. O lar é o sagrado vértice onde o homem e a mulher se encontram para o entendimento indispensável”.

São Paulo, 23 de agosto de 2010

Em forma de palestra: http://www.sergiobiagigregorio.com.br/palestra/divorcio-e-espiritismo.htm

Apresentação em PowerPoint: http://www.sergiobiagigregorio.com.br/powerpoint/doutrina/divorcio-e-espiritismo.ppt

Mais textos em PowerPoint: http://www.sergiobiagigregorio.com.br/powerpoint/powerpoint.htm