Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

O PÃO DA VIDA – PARTE V - DESFECHO

João, 6:59-71

59. Estas coisas disse ele, ensinando na sinagoga de Cafarnaum.
60. Ouvindo isso, muitos de seus discípulos disseram: "Difícil é esse ensino, quem pode entendê-lo"? 
61. Mas sabendo Jesus em si mesmo que seus discípulos murmuravam disso, disse-lhes: "isso vos escandaliza?
62. Então se vísseis o filho do homem subir aonde estava antes! ...
63. O espírito é o que vivifica; a carne não aproveita nada: as palavras que eu vos disse são espírito e são vida.
64. Mas alguns há entre vós que não confiam". Pois Jesus conhecia desde o princípio os que não  confiavam, e quem o havia de entregar.
65. E falou: "Por isso eu vos disse, que ninguém pode vir a mim, se pelo Pai não lhe for concedido".
66. Desde aí muitos de seus discípulos andaram para trás, e não andavam mais com ele.
67. Perguntou, então, Jesus aos doze: "Não quereis vós também retirar-vos"?
68. Respondeu-lhe Simão Pedro: "Senhor, para quem iremos? Tu tens palavras de vida imanente, 
69. e nós confiamos, e sabemos que tu és o santo de Deus".
70. Replicou-lhes Jesus: "Não vos escolhi eu a vós, os doze? E no entanto um de vós é adversário".
71. Falava de Judas, filho de Simão Iscariotes, um dos doze, porque era ele quem o havia de entregar.


59. A "sinagoga" de Cafarnaum era, provavelmente, a construída pelo centurião (Luc. 7:5), de quem Jesus curou o servo.
60. A frase "esse ensino é difícil" corresponde ao original skleròs estin hoútos ho lógos, literalmente:  "é duro esse ensino". Muito maior precisão existe na tradução de lógos por "ensino", que por "palavra". O sentido pode ser um e outro. O verbo "entender" nós o traduzimos de akoueín, que à letra é "ouvir".
61. Transliteramos skandalízei por "escandaliza", pois o sentido é precisamente esse, e a tradução ad sensum "tropeça" constituiria aqui impropriedade lógica.
62. "Subir" traduz anabaínô, que se opõe a katabaínô, vers , 33, 38, 42 e 58. "Onde estava primeiro" (hopou hên tò próteron), ou seja, regressou ao lugar onde primitivamente residia. Geralmente interpretado em relação a "ascensão".
63. O espírito (tò pneúma) é (esti) que vivifica (tò zôopoioún) ou seja, "produz vida"; a carne (he sárx) não aproveita nada (ouk ôpheleí oudén). "As palavras (tá rêmata não ho lógos) são espírito e são
vida” (pneúma esti kai zôê estin).
64. O verbo paradídômi, aqui no particípio futuro (só usado três vezes nos Evangelhos, aqui, em Luc. 22:49 e Mat. 27:49) significa literalmente "entregar", e só por extensão "trair". Parece-nos que Jesus se referia ao ato expresso da "entrega" que Judas Dele fez aos homens do Sinédrio.
65. "Não lhe for concedido", literalmente "não lhe for dado" (eàn mê hê de doménon autôi), expressão mais branda do que a do vers. 44, q. v.
66. "muitos de seus discípulos andaram para trás", literalmente, no original, polloí apêlthon tôn mathet
ôn autón eis tà opisô.
67. "aos doze", expressão usada aqui por João pela primeira vez.
68. "palavras de Vida Imanente", rêmata zôês aiôniou.
69. “O santo de Deus", ho hágios toú theoú, segundo os manuscritos Aleph, E, C*, L, D, W; melhor que "o Cristo, o Filho de Deus", segundo outros mss.
70. "Adversário", em grego diábolos (veja vol. 1).
71. O original traz Ioúdan, Símônos Iskariôtou e não Judas Iscariotes, filho de Simão. O nome do pai é
que se agregou como cognome do filho.


Terminada a "Aula de Sapiência", o evangelista dá conta do que se passou a seguir, relatando as  reações dos discípulos e dos doze, sem mais falar dos outros ouvintes.

59. Em primeiro lugar anota que "Jesus deu esse ensino na sinagoga de Cafarnaum", salientando o ambiente fechado e mais escolhido em que falou, como se quisesse sublinhar que não foi ao ar livre, de público.
60. Terminado o discurso, provavelmente já fora da sinagoga, formaram-se os grupos dos mais  chegados - os doze com os discípulos que habitualmente acompanhavam Jesus em suas pregações pelas aldeias - e passaram a comentar o que tinham ouvido. Alguns dos discípulos acharam os conceitos emitidos demais "duros", difíceis de ser entendidos pela razão, e portanto, inaceitáveis.
61. Já aqui, nesta roda mais íntima, ainda manifestando o Cristo, pergunta Jesus se o ensino ministrado os "escandalizou", isto é, se lhes foi uma "pedra de tropeço" no caminho evolutivo.
62. E numa exclamação que sobe de gradação quanto à pergunta anterior, diz com simplicidade: "se então visseis o filho do homem subir aonde estavas antes"! ... E nada mais. Há controvérsias sobre essa frase, querendo alguns se refira à crucificação. Mas quando Jesus fala da "suspensão" na cruz, usa o verbo hupsôthenai (ser suspenso, João, 3:14 e 12:32-34), e não, como aqui, anabaínein (subir). Além disso, na crucificação Jesus não "voltou ao lugar em que estava antes". A segunda interpretação, preferida pela maioria, diz que a frase se refere ao ato da "ascensão", afirmando que esse ato constituiria a prova de que a carne que Jesus daria a comer, não era a material, do corpo denso, mas a "espiritual" ("pneumática", cfr. 1 Cor. 15:40); então, quando eles vissem a ascensão, compreenderiam o ensino, que agora lhes parecia difícil.
Ambas as interpretações são fracas, diante da sublimidade da revelação feita. Entendemos a frase como uma confissão dos êxtases de Jesus (o Filho do homem), quando tinha os Contatos com o Pai. Daí Jesus retirar-se sempre Só, para orar, a fim de poder ter Seus Encontros Místicos sem testemunhas. 
Uma única vez, sabemos que os três mais evoluídos (Pedro, Tiago e João) assistiram à "Transfigura ção" que, no entanto, só foi revelada muito mais tarde, após a "ressurreição" (cfr. Mat. 17:19). E tratou-se apenas de uma elevação ao plano mental, e não de um êxtase (samadhi) de Esponsalício Místico na união com o Pai. Se nessa elevação, ao encontrar os Espíritos de Moisés e de Elias, a apar ência externa de Jesus foi tão maravilhosa, qual não seria a apresentada numa unificação com o Pai?

Nesse sentido, a frase de Jesus adquire valor pleno e real: vocês se escandalizam com o que o digo ... se então vissem a realização prática do que ensinei, vivida pelo Filho do Homem, pela personalidade de Jesus, que diriam? Porque nesses momentos de união, Ele subia à Divindade, à qual antes vivia permanentemente ligado.
63. E logo dá a chave para confirmar que nada do que disse se refere à carne física, à personalidade, mesmo após a desencarnação. Não se trata de "corpo", seja ele denso ou astral. A explicação é taxativa: "o que vivifica , é o Espírito, a carne não aproveita nada". Então, o Pão Vivo é o ESPÍRITO; Sua carne é o ESPÍRITO; o que temos que comer e saborear e beber é o ESPÍRITO. A carne para nada aproveita, de nada serve: é simples condensação transitória da energia, a qual, por sua vez, é o baixamento das vibrações do Espírito. Tudo o que o Cristo falou, "todas as palavras que eu vos disse", nesta aula (e também em qualquer outra ocasião), "são Espírito e são Vida", com o verbo repetido para evitar ambiguidade e más interpretações. Portanto, NÃO PODEM ser interpretadas à letra, mas só "em Espírito Verdadeiro" (cfr, João, 4:24), no plano espiritual místico mais elevado.
Não são, também. símbolos: constituem a mais concreta realidade, porque estão no plano da única realidade verdadeira: DEUS.

Então, é neste versículo que Jesus explica como devemos interpretar suas palavras neste e em qualquer outro ensinamento. Por que prendê-las a letra física, entendendo que Ele falou da carne material, embora "espiritualizada" depois do desencarne? Por que rebaixar o tom, o nível de Verdades tão sublimes, para atribuí-las a um rito - esse sim, simbólico? Conceito magnífico que jamais devemos
perder de vista: "O Espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita: as palavras, que eu vos disse, são Espírito e são Vida"!
64. E termina: "mas há alguns dentre vós que não confiam". E o evangelista comenta: "desde o  princípio Jesus conhecia os que não confiavam Nele, e inclusive quem O havia de entregar ao Sinédrio". Com a penetração psicológica própria de Seu nível evolutivo, Jesus percebia a vibração tô- nica fundamental de cada um, e portanto SABIA os que não estavam suficientemente amadurecidos para acompanhá-Lo.
65. É isso mesmo o que explica o Cristo: "essa foi a razão pela qual já vos disse, que ninguém pode vir a mim, se pelo Pai, lhe não for concedido" Realmente, só pela "atração" (ou impulso interior) do Pai que em cada um reside, é que conseguimos evoluir até o Encontro com o Cristo. Se não respondermos ao apelo de Amor, como esse que o Cristo fez por intermédio de Jesus (e nos faz a nós mesmos diariamente) então, pior ainda, "andaremos para trás".

66. Realmente ocorreu: "muitos de Seus discípulos andaram para trás e não andavam mais com Ele". Fica estranha a tradução literal que fizemos, em lugar da tradução comum que vem sendo feita há séculos: "afastaram-se". Mas o sentido profundo em que entendemos o ensino do Cristo requer exatamente essa expressão "andaram para trás", isto é, regrediram espiritualmente, deixaram de estar em companhia do Cristo, para voltar a seguir "doutrinas de homens" (João, 5:41), ou, como é dito mais fortemente nos Provérbios (26:11): "Como o cão que volta ao seu vômito, assim é o tolo que rei0tera sua estultice", provérbio citado por Pedro (2 Pe. 2:21-22): "Melhor lhes fora não ter conhecido o caminho da Justiça, do que, depois de conhecê-lo, desviar-se do santo mandamento que lhes fora dado. Tem-lhes sucedido o que diz o verdadeiro provérbio: voltou o cão ao seu vômito; e a porca lavada tornou a revolver-se no lamaçal".
67. Diante dessa roação decepcionante para o Mestre, que sabia o que ensinava, o Cristo se volta para os doze escolhidos, indagando se também eles queriam retirar-se.


A quem incumbe a tarefa de instruir, não importa o número de seguidores nem os aplausos vazios. Quando mais elevado é o ensino, ele sabe que menos criaturas poderão compreendê-lo e acompanhá-lo, e não se assusta de ver periodicamente seu “grupo de estudos" esvaziar-se de muitos  elementos, e chegarem outros para substituí-los. Desses outros, ele já o sabe, muitos também se retirarão. E no fim da carreira, talvez ele tenha apenas um "pequeno pugilo" um "pequeno rebanho" (cfr. Luc. 12:32) em redor de si. Não importa. O que sobretudo importa é não trair o recado que traz para a humanidade. Aqueles que são trazidos pelo Pai, esses virão a ele. Os outros, que chegam motu proprio, por curiosidade; ou por ambição de conseguir "poderes"; ou pela vaidade de dizer-se seguidor ou amigo do pregador.
Tal, que é apreciado e admirado pela multidão; ou em busca de favores espirituais; ou, pior ainda, de   posições materiais, todos esses se retiram mais cedo ou mais tarde, desiludidos de não encontrar o que buscavam, ou então "escandalizados", quer com o ensino da verdade, quer, outras vezes, com a prática da verdade.
68-69 Pedro, sempre temperamental, o mais velho ao que parece do grupo dos doze, e porta-voz deles, designado mais tarde para ser "monitor" dos discípulos, toma a palavra num rasgo de confiança absoluta: "para quem iremos"? E a razão dessa atitude: "tens palavras de Vida Imanente", ou seja, em Tuas palavras encontramos realmente o segredo da Vida Divina em nós (prova de que havia bem compreendido o sentido profundo dado por Cristo, de que lhe havia ouvido o apelo, e que o Cristo Interno despertara em seu coração, com as palavras ouvidas através da boca de Jesus). E continua: "nós confiamos e sabemos que tu és o Santo de Deus", isto é, o Eleito de Deus, o Messias (cfr. Mat. 1:24 e João, 10:36). Pedro falava em nome de todos os doze, como representante dos emissários escolhidos por Jesus.

70. No entanto, o Cristo chama sua atenção, dizendo-lhe que as palavras de confiança que proferira, não correspondiam ao pensamento de "todos". Sim, "Ele escolhera os doze". Mas, não obstante, um deles Lhe era adversário. Adversário no sentido real: tinha uma "diferença" com seu Mestre. 
Talvez mais tarde saibamos a razão dessa "diferença". Mas o fato é que esse - chamemo-lo por enquanto de "ciúme" - fez que Judas o entregasse ao Sinédrio, revelando à soldadesca o local em que se encontrava, para que fosse preso às escondidas, evitando barulho do povo que O admirava.
Se Jesus encontrou entre os Seus escolhidos um adversário que O entregou aos inimigos que O mataram, por que queixar-nos de encontrar entre os que frequentam nossas rodas espirituais "adversários" muito mais mansos, que se limitam a falar contra nós, por interpretar mal nossas palavras ou nossos atos, ou, quando muito, a caluniar-nos? Agradeçamos ainda que sofremos tão pouco! Especialmente porque ainda temos a consolação de que nós não escolhemos nossos seguidores, fato que causou ainda mais profunda tristeza em Jesus.

71. O evangelista conclui o capítulo explicando que Jesus se referia a Judas, filho de Simão Iscariotes,
o único dos doze que não era ga1ileu.